O medo e a delícia de ter ideias próprias

A Fada que tinha ideias

Nascemos criativos. Ou pelo menos com capacidade de pensar e criar nossas próprias maneiras de fazer algo, de deixar nossa marca no mundo. Nem todos nascem com um talento como um Da Vinci, mas com certeza temos a sensibilidade de ver, sentir, se emocionar. E fazer algo com isso. Porquê então o medo de criar que muitos de nós ainda tem? Seja para fazer obras de arte, escrever, tirar fotos ou simplesmente ir além do obvio na vida

Passei o fim de semana lendo um livro clássico da literatura infantil chamado A fada que tinha ideias. Escrito por Fernanda Lopes de Almeida durante os anos da ditadura militar, este livro é uma fábula sobre a liberdade de criação e a capacidade inventiva que existe dentro de cada ser humano. 

"No fundo de todo ser humano existe um poeta, um pintor, um bailarino, um artista, alguém que brinca de modelagem com a realidade. Que está aí para isso mesmo." (Fernanda Lopes de Almeida)

Por coincidência recebi um comentário no blog, na postagem onde cito 10 motivos para não fazer arquitetura, sobre a dificuldade de um estudante com o seu processo criativo. Tomo a liberdade de repetir uma parte de seu comentário abaixo.

"... meu processo criativo é muito devagar, sinto que definitivamente não tenho um bom gosto, e estou começando a ficar muito mal com isso, paro em frente o computador e travo, sei utilizar muito bem todas as ferramentas, mas contanto que a ideia não seja minha, tenho muita timidez com tudo, para fazer e mostrar para os outros, me sinto totalmente perdido, não sei o que devo buscar, gosto muito de modelar e desenhar, mas se tiver um espaço em branco, não sei por onde começar, é como se eu tivesse todas as peças do quebra cabeça mas não saber onde cada uma se encaixa com a outra...."

A criatividade, principalmente em uma profissão como a Arquitetura, é uma ferramenta de trabalho. Alguns acreditam que devam dar respostas espetaculosas para todo problema. Nem sempre. Muitas vezes já temos a capacidade técnica de elaborar as melhoras soluções ao nosso alcance, mas o medo da crítica, externa ou interna, acabam nos tolhendo. Ou ainda os velhos hábitos de pensar sempre dentro da caixa e  quase nunca ousar o "think out of box".

Então minha resposta ao estudante que tanto se esforça na parte técnica, consegue o domínio de vários campos na profissão que o processo criativo também é um processo que se desenvolve. É preciso ter a mente aberta, deixar fluir e aprimorar o repertório. Veja aqui uma postagem onde falo sobre 10 maneiras de expandir o repertório em arquitetura

Criar não é apenas aquele processo divino em que uma centelha desce sobre alguém. É trabalho. Muito trabalho. É tentativa e acerto. É pesquisa, inspiração, domínio da técnica e trabalho conjunto. É riscar muito. É apostar em uma solução para depois perceber que existe outra melhor. Mas que só foi encontrada porque se trilhou um caminho. Não existe milagre. Criar é suor. 

E há que se entender que arquitetos passam pelo processo crítico. Não existe boa arquitetura sem questionamento. Interno. E externo. Deixar que outros olhos vejam a nossa proposta, a qualifica para novos desafios. E lembre que projetar é um contínuo processo.

Então não para nunca? Chega uma hora em que se opta por uma solução. A melhor que podemos apresentar naquele momento. É um processo arduo? Sim. Mas também belo e gratificante.

Trabalhar em algo que é um misto de arte e técnica nem sempre é fácil. Exige de nós conhecimento, repertório, sensibilidade, distanciamento de nós o suficiente para entender o outro, o cliente, as vezes tão diferente da gente. Mas o desafio é justamente conseguir vestir o sonho de outro como se nosso fosse e transforma-lo em concreta realidade. E depois de feito, ter a suficiente coragem de dar adeus a um filho para vê-lo crescer em mãos alheias. Sim, todo projeto é um parto. Toda entrega é uma separação. Todo arquiteto é meio artista. Mas também é realizador. (Elenara Stein Leitão)


Leia também:

Arquitetando Ideias - pílulas mentais arquitetônicas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 motivos para NÃO fazer arquitetura

Ideias de enfeites de Natal em Macramê

Não pude brincar com isso por ser menina, sabe o que?