Pular para o conteúdo principal

A Banheira de Arquimedes - o pensamento criativo

Eu tenho uma fissura por livros. Tenho uma estante cheia e se me deixarem - e o bolso ajudar- eu acabo comprando mais. Alguém já me perguntou se já li todos. Pois já li QUASE todos.

Funciona assim. O livro me pega. As vezes passo numa livraria e uma obra me chama a atenção. Nem sempre sei porque. Mas muitos do que já comprei foram assim, no impulso. Nem sempre os leio na hora. Mas em algum momento de minha vida eu preciso deles. E lá estão, ao alcance de minha mão.

Pois agora resolvi fazer um exercício de contenção e não comprar tantos. E comecei a reler alguns. Descobri livros interessantíssimos que valem uma segunda olhada. Vou fazer desse um exercício para 2014. Reler pelo menos um deles a cada mês. 
Comecei por esse livro que, diferente da maioria dos meus, não tem data e nenhum indicativo de onde e quando comprei. Gosto de colocar datas. Gosto de marcar onde estava quando comprei. E se bobear, ainda coloco como estava me sentindo na ocasião. Acho que acabam fazendo parte da história do livro. Eu rabisco meus livros, eu faço comentários neles, eu interajo com eles como se amigos fossem. E são. Eles me fazem voar, me fazer sonhar, me fazem ir para outro lugar dentro de mim que me recarrega.

Pois o Banheira de Arquimedes fala sobre o quê? Sobre o processo do pensamento criativo. Sobre as diferenças entre pensamentos criativos incremental e o transformador. Esse último é aquele que transforma o mundo, é aquele que inova, que faz uma baita diferença.

O autor começa falando sobre uma estrutura que é muito semelhante em pensamentos criativos - e quem trabalha nessa área há de reconhece-los pois já passou muitas e muitas vezes por esses processos:
  1. Busca demorada - é a parte do estudo da arte, do levantamento de bagagens, do estudo e pesquisa. É o suor.
  2. Pouco progresso aparente- quem não passou pela fase do trabalhar e trabalhar e a coisa não sair...até que surge um
  3. Evento precipitador - a tal banheira do Arquimedes, aquele evento que gera o
  4. Estalo Cognitivo - EUREKA! Achamos a solução. Ela parece surgir de repente, como que por milagre em nossas mentes. Mas são fruto dos anteriores.
  5. Transformação - Esse processo gera uma transformação no mundo.
Simples assim? Não, um pouco mais complexo, mas ele nos mostra de maneira bastante divertida e envolvente, com exercícios e exemplos que tornam a leitura bem divertida e produtiva.

O autor é David Perkins que é doutor em Matemática e inteligência artificial pelo Massachusetts Institute of Technology. E sim, está valendo a pena a releitura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Espaço de marketing diferenciado usando contêiner

Um exemplo de como contêineres usados podem ser reaproveitados é o que vemos nesta proposta de construção modular da agência Work of Substance para a empresa Goodman, onde foram usados quatro módulos que formam seis espaços diferentes. 

Leia também : Conteiner - pense neles como solução


Interessante como conseguiram usar os conteineres de maneira aberta com grandes aberturas que unem o espaço interno com a natureza fora deles. 


Leia também: bar muito legal usando conteiner

Belos espaços de contemplação também são criados no andar superior. Com a vantagem da construção poder ser reutilizada em outros sítios, sem deixar maiores intervenções no local onde estava. 
Nos siga também nas redes sociais

TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest
snapchat: arqsteinleitao

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…