Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2020

MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Interno I - escada como elemento formal destacado

Imagem
A escada como elemento formal de ligação entre os dois andares desta reforma que o escritório do arquiteto italiano Alfredo Vanotti executou chama a atenção pela beleza e fluidez. Feita em ferro e pintada em branco ela não apenas é ponto focal, como serve de divisória para os espaços de estar e cozinha. O espaço amplo servia de escritório e agora abriga área social no térreo e dormitório com banheiro no piso superior. Tudo isso em um estilo enxuto e ao mesmo tempo aconchegante. Coerente com a proposta do arquiteto de que a sua arquitetura deve falar por si mesma. Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

Tijolos vermelhos podem armazenar energia segundo pesquisa americana

Imagem
Casas de tijolos são das memórias mais antigas de nosso repertório arquitetônico. Material relativamente barato, fácil de ser produzido e agora com mais uma utilidade. Uma pesquisa da Universidade Washigton em St Louis, nos Estados Unidos, descobriu que eles podem também baterias para reter eletricidade. Os tijolos são revestidos por um polímero condutor, chamado de PEDOT, composto por nanofibras que penetram na parte interna do tijolo. O pigmento vermelho, o óxido de ferro, se encarrega da reação que armazena e conduz a eletricidade.    Segundo o site M aterial District , "c om 50 tijolos carregados por  células solares  , a iluminação de emergência poderia ser alimentada por 5 horas. Os tijolos podem ser recarregados quase indefinidamente." Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

Uma tiny house para chamar de sua

Imagem
  Já faz algum tempo que um grupo de amigos e eu namoramos a ideia de um viver mais sustentável em tempos futuros, no dia em que ficarmos velhos. Opa! Parece que esse tempo chegou já que a pandemia de 2020, e a maneira como é conduzida em nosso país, nos faz sentir cada dia mais descartáveis. Então retomar o sonho de edificar uma comunidade colaborativa , com áreas comuns e possibilidades de casas minúsculas para os moradores se torna cada dia mais premente. Assim comecei a pensar no que gostaria de ter em uma tiny house para chamar de minha. Em princípio uma chamada tiny house é uma casa muito pequena, com 40 m2 em média, mas com tudo o que uma casa oferece de conforto. Existe uma possibilidade de mobilidade, embora eu não curta muito o conceito de casinhas sobre rodas. Se for assim, prefiro os motor homes, cujas estruturas se constroem sobre chassis de ônibus. Já vi exemplos com um conforto absurdo, podendo carregar bugs em seus compartimentos internos. Mas se eu pensar em uma casa

Cabana refúgio aberta para a natureza

Imagem
Uma tiny house ou cabana minúscula que vi no DWELL  me chamou a atenção pela leveza da estrutura ao mesmo tempo que abre o interior à luz. Não achei muitos detalhes a respeito, creio que faz parte do projeto Ochoalcubo de 2014, uma iniciativa que reuniu vários arquitetos. Essa cabana é projeto do arquiteto chileno Guillermo Acuña, do stúdio ACAA e professor da Universidade Católica do Chile.  Fotos de Cristóbal Palma Guillermo Acuña, GAAA Arquitectos: Vegetal Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest