Pular para o conteúdo principal

Uma tiny house para chamar de sua

 

Já faz algum tempo que um grupo de amigos e eu namoramos a ideia de um viver mais sustentável em tempos futuros, no dia em que ficarmos velhos. Opa! Parece que esse tempo chegou já que a pandemia de 2020, e a maneira como é conduzida em nosso país, nos faz sentir cada dia mais descartáveis. Então retomar o sonho de edificar uma comunidade colaborativa, com áreas comuns e possibilidades de casas minúsculas para os moradores se torna cada dia mais premente. Assim comecei a pensar no que gostaria de ter em uma tiny house para chamar de minha.

Em princípio uma chamada tiny house é uma casa muito pequena, com 40 m2 em média, mas com tudo o que uma casa oferece de conforto. Existe uma possibilidade de mobilidade, embora eu não curta muito o conceito de casinhas sobre rodas. Se for assim, prefiro os motor homes, cujas estruturas se constroem sobre chassis de ônibus. Já vi exemplos com um conforto absurdo, podendo carregar bugs em seus compartimentos internos. Mas se eu pensar em uma casa, prefiro o conceito de modulação e facilidade de montagem. O exemplo lá de cima me parece interessante. Um terraço para lazer já não me faz a cabeça como em outros tempos. Se a opção é uma casa para os seniores, a acessibilidade é importante. Portanto a minha tiny seria concebida horizontalmente.    

casa sustentável

O entorno. De todo interessante que seja uma proposta de casa sustentável, que possa inclusive produzir a alimentação já que a proposta é morar em uma ilha, perto do mar. O exemplo acima é de uma postagem aqui do blog e pode ser vista com detalhes AQUI


Outro conceito que me parece interessante é a possibilidade de ter grandes vãos de abertura para a natureza. E ao mesmo tempo a possibilidade de fechamento para proteção e privacidade. No exemplo acima vemos um exemplo de como isso pode ser feito. Aqui outro exemplo de como fechar grandes vãos sem muito esforço.

As áreas comuns de lazer poderiam ter espaços públicos e também semi-privados, para encontros de algumas pessoas, não necessariamente de todo o grupo. Imagino caminhos e descobertas semelhantes às da figura acima. Creio que os sessentões e setentões poderiam galgar as rampas (que seriam antiderrapantes) com facilidade para degustar uma cerveja ou vinho enquanto olham as estrelas. Bom, talvez a volta seja mais difícil, dependendo da atividade etílica. 


Não descarto um contêiner mas o que acho bem interessante é a possibilidade de ter um telhado verde. Vejam aqui mais ideias de união desses dois elementos.


Uma casa aberta, convidativa e ao mesmo tempo com possibilidade de privacidade. Gosto muito deste projeto de reciclagem de uma garagem de barcos que foi premiado.  



Outro espaço que me agrada bastante é uma varanda como essa, fechada por vidros, protegida da natureza mas ao mesmo tempo em contato com ela.


Um ambiente assim retrataria uma casa onde eu gostaria muito de morar. Não muito certinha mas com muita vida, dentro e fora. Mas pelas razões expostas acima, optaria por não ter um segundo andar. A ideia é não ter um espaço de hóspedes nas casas, para isso haveria uma hospedaria especial. 


Como não penso em me aposentar tão cedo, creio que necessitaria de um espaço de trabalho. Poderia ser uma bela bancada na casa ou, quem sabe, um estúdio no meio da mata como este que também já foi mostrado no blog.   

 
Já reuni em outras postagens algumas ideias que também acho interessantes como esta de um refúgio em forma geodésica.  


São ideias em gestação. E você? O que gostaria de ter em um espaço desses? Optaria por viver de forma mais despojada? 

Saiba mais sobre Tiny Houses com o projeto Pés Descalços  

Aqui no blog também dei outros exemplos de casas tão pequenas. Veja AQUI

Nos siga também nas redes sociais

Comentários

  1. Eu adoraria pensar em uma comunidade assim! Acho que as necessidades vão ficando parecidas e as pessoas se encontram num momento em que precisam da acolhida de alguém semelhante. A casa de um pode ser diferente da do outro e igualmente bela, complementar até! Seria bom encontrar gente pensando em um futuro assim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho uma ideia fascinante até pq os bons amigos se tornam familia da gente! Bj

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b