18 de jul de 2018

Libeskind falando por 17 palavras de Arquitetura

Estamos acostumados a julgar a obra de arquitetos pelos olhos. Olhamos seus projetos, sejam desenhos, maquetes eletrônicas ou mesmo fotos quando já estão prontos. Visualizamos os espaços que criaram e eles falam ao nosso senso estético que é muito baseado na visão.

Mas e quando os percebemos por palavras? Quando eles falam de 17 palavras que inspiram a Arquitetura e sentimos suas obras e suas almas expondo suas visões.

É o exercício que me permiti ao ouvir o vídeo onde Daniel Libeskind compartilha algumas palavras (e ele o faz em uma contraposição muito interessante com os opostos) e nos mostra a sua essência ao criar. Podem não concordar com a sua posição, podem até não gostar de suas obras, não é o fundamental. O foco é sentir a paixão e como as palavras podem expressar todo um afazer arquitetônico nos mostrando que Arquitetura se faz de todos os sentidos, mas principalmente de conteúdo e posicionamento.

Expo Milão 2015: Pavilhão de Vanke / Daniel Libeskind, © Hufton+Crow
Linbeskind nos fala de fascinação, de como a arquitetura é feita de otimismo já que aponta soluções de futuro e mudanças. É feita de expressividade com espaços que falam, não apenas são visíveis, mas que ajudam a transpor o abismo da história ao criar algo que  nunca foi feito antes (e aqui juro que me lembrei dos tripulantes da Enterprise e senti um novo apelo arquitetônico. Não riam, foi real...)
Ground Zero - Sketches
 A arquitetura é radical e política pois confronta ideias existentes para criar novas vidas e novas opções.

Ground Zero

Enfim, mais que glorificar a arquitetura de Daniel Libeskind e suas obras, gostei de ouvir seu discurso e experienciar todas as possibilidades da arquitetura falada.
...........................


Gostou? Compartilhe em suas redes sociais Nos siga também nos outros canais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 

17 de jul de 2018

Arquitetura para ser "Instafriendly" e a obra de Bjarke Ingels

Nossa maneira de projetar estará sendo diretamente influenciada pela massiva exposição das imagens em redes sociais? É a indagação que faz um texto muito interessante que acabei de ler e que chama-se "O instagram está mudando a maneira como projetamos o mundo?"  

E ele alerta que o design tanto de espaços como de objetos, mesmo de comida, está tomando lugar como preocupação e foco dos empreendedores preocupados em atrair não apenas mais clientes, mas também garantir uma propaganda as vezes gratuita das pessoas que postam essas imagens nas suas redes sociais. É o que denominam de espaços "Instafriendly". E lembremos dos painéis preparados para as fotos de muitos locais. Ou mesmo de espaços urbanos que garantem que a localização vai ser vista e reconhecida com grandes letreiros. 

E não apenas locais ou cidades, mas a própria maneira de vivenciar arte está sendo modificada pela intensa exposição que nos colocamos na vida digital.

Há estudos que mostram que uma grande parte das pessoas prefere interagir e se divertir que aprender em atividades culturais.  

E muitos grupos de arquitetos estão atentos ao mundo em que somos todos narcisos e precisamos de molduras para nossos que nossas imagens possam prosperar. No artigo é chamada a atenção para um desses grupos:

.... a tendência de documentar tudo o que vemos online levou alguns arquitetos a brincar com escala e forma para chamar a atenção...o Bjarke Ingels Group (BIG) é apontada como uma empresa que lidera essa tendência - projetaram um hotel com uma pista de esqui em seu telhado, edifícios que parecem estar dançando juntos e um teatro em forma de arco. A mesma empresa projetou recentemente um prédio feito para se parecer com gigantescos blocos coloridos de Lego. “Para a arquitetura, [a tendência] é para formas mais escandalosas - o BIG tem jogado incrivelmente bem, e você viu empresas menos conhecidas pegando isso.”
Já tinha falado sobre esse jovem arquiteto dinamarquês em dois artigos aqui do blog: 3 Histórias de Arquitetura e De como a sustentabilidade pode ser lúdica.

Abaixo algumas obras do escritório de Bjarke Ingels, também chamado de BIG
78&Park na Suécia - BIG Group


Housing na Suécia - BIG Group

Vancouver House - BIG Group

Bjarke Ingels Group - 8 House

Hualien Residences in Taiwan - The BIG Group

Prédio CUDO - BIG Group

Casas modernas - BIG Group


Gostou? Compartilhe em suas redes sociais Nos siga também nos outros canais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 

16 de jul de 2018

11 ideias bem diferentes de estantes e cabides para guardar e mostrar coisas

Todo mundo ama uma lista com trocentas ideias para servir de inspiração. Não fosse assim, os aplicativos de imagens nem fariam tanto sucesso. Instagram e Pinterest que o digam!

Além das imagens mais obvias, sempre encontramos projetos de coisas absolutamente inusitadas, seja pelo resultado, seja pelo aproveitamento total ou parcial desses objetos que no cotidiano costumam ter usos bem diferentes. 

10 de jul de 2018

Primeira casa impressa em 3D do mundo

Era uma casa muito engraçada, parecia uma mistura de Flintstones com casas de gnomos, tudo isso com inspiração no futuro. É a proposta que foi feita na Holanda, entre a Universidade Técnica de Eindhoven , o município de Eindhoven e algumas empresas para a construção do que chamaram de a primeira casa impressa em concreto 3D do mundo. 

3 de jul de 2018

Desenhar a luz - resenha do livro

A luz e a arquitetura estão intrinsecamente ligadas. Já disse Le Corbusier que "a arquitetura é o jogo sábio, correto e magnífico dos volumes dispostos sob a luz." E é verdade. O arquiteto Rogier van der Heide nos fala em um vídeo TED do porque a luz precisa da escuridão e de como são complexas e belas essas interações entre sombras e luminosidade.

Mas e como representar a luz em todo o seu esplendor em um desenho em duas dimensões? Muitos artistas se debruçaram sobre isso para criar magnificas obras que nos encantam e que são explanadas de forma bem simples - e até poética, nesta obra de Peter Boerboom e Tim Proetel, chamada de "Desenhar a Luz".