Pular para o conteúdo principal

Como enfrentar uma crise sendo autônomo? Uma reflexão

Parou o mundo!!!

Quantas vezes dissemos isso em tempos de correrias, sem atinar para a profundidade das palavras??? Pára o mundo que eu quero descer.

Pois bem, descemos todos. 

Quase todos, é verdade. Tem os que nunca podem descer porque nunca subiram.

Reflexões a parte, confesso que nunca imaginei viver uma situação semelhante à causada pela pandemia do Covid19. Ficava imaginando pessoas velhinhas que tivessem passado pela guerra, tendo seus lares e familiares destruídos, empregos e economias pulverizadas, sem saber sobre o dia de amanhã. 

Hoje, muitos de nós, enfrentam um medo do amanhã bastante grande.
Alguns poucos com gordura suficiente para ter uma geladeira abastecida e comunicação via internet com o mundo.

Mas mesmo assim os meses que se anunciam a frente são atemorizadores pela falta de horizontes.

Nossa economia anda quase estagnada. Mundialmente.

Hora de apertar os cintos.
Mais ainda.  
.
Hora de pensar fora da caixa.


O que preciso aqui dentro de casa que não me é oferecido?

Várias empresas e profissionais liberais estão se organizando para responder com ação essa questão.

Estes dias encontrei um papel com planos de ação que tracei para o escritório nos anos 80 e 90.

Eram época de crise. Brincava que a gente saia de uma, para entrar em outra. Eram tempos de hiper inflação, onde o dinheiro que se recebia pela manhã, já desvalorizava de tarde. 

Onde os orçamentos eram todos para agora. Senão o preço subia.

Tocar um escritório era uma roleta russa. Aplicada no Over Night (aquela aplicação que rendia diariamente e que infelizmente está voltando).


Um dos caminhos pensados, na época, era a consultoria, um trabalho então bastante inovador na arquitetura. Cheguei a traçar planos para atacar área comercial, então mais atrativa que a residencial.

Uma frase que escrevi no roteiro acima vale até hoje:

"O homem sempre encontrou na natureza uma fonte de inspiração para solucionar seus problemas cotidianos" (não sei quem escreveu isso...esqueci de anotar)


Hoje a consultoria como trabalho remunerado dos profissionais de criação autônomos é mais difundida. Os meios digitais ajudam bastante. Pode-se abranger um público bem mais amplo que a perspectiva do século passado permitia.

Mas é preciso atentar que é um trabalho que exige organização para evitar retrabalhos, que deve ter um processo que o torne ágil e satisfatório dentro de uma relação custo benefício que seja razoável para ambas as partes: clientes e profissionais.

Pense antes de tudo no seu mercado alvo.

Quem compraria o quê e quanto pagaria por isso. 

Lembre que uma consultoria está longe de ser um projeto. É mais como ganhar para dar as dicas que se dá de graça. Sempre lembrando que um cliente satisfeito pode querer outros trabalhos. Que podem ser maiores.



Uma consultoria em um momento em que as pessoas tem tempo e precisam ficar em casa pode ser um serviço interessante, até para se tornar mais conhecido. Há vários profissionais que estão se dedicando à isso, fazem inclusive projetos à distância, com total profissionalismo, sendo claros e precisos no que vão entregar para que o cliente possa executar a obra com qualidade.

Por executar a obra, sejamos claros. Se a opção do cliente for por um projeto de arquitetura, é necessário que seja informado da necessidade de contratar um profissional local para acompanhar a execução. É sempre uma boa se fazer parcerias com profissionais de outras localidades, formando uma rede que possa trabalhar junto e com qualidade. A mesma coisa com fornecedores. Da relação cliente - profissional - mão de obra e fornecedor harmoniosa é que sairão os melhores resultados.

Pense no que precisa para elaborar um bom briefing, uma check list que lhe permita ver com clareza que pontos devem ser mexidos, deixe claro o que o trabalho vai oferecer em termos de prazo e material que vai ser entregue. Ofereça opções em termos de materiais e locais de compra. 

Enfim, organize seu trabalho para que seja eficiente e rápido. Tenha claro o que necessita pedir ao cliente, se ele vai mandar fotos, que fotos e em que ângulos serão feitas. Se necessita medidas, deixe claro que a responsabilidade é dele, no caso da consultoria, mas mostre quais medidas precisa. Deixe claro que, se houver obras de marcenaria, as medidas devem ser checadas pelos profissionais.

Você pode propor consultorias desde como mudar um ambiente com o que o cliente já tem, checar o que ele poderia melhorar, fazer um diagnóstico do problema dele. 

Enfim, é preciso pensar de forma diferenciada do que se pensava antes do covid19.

Agilizar e propor.

O que você tem feito para se aprimorar nestes dias?

Nos siga também nas redes sociais




Comentários

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi