Pular para o conteúdo principal

O cliente e o arquiteto - uma relação complexa e produtiva

A opinião do cliente é super importante no sucesso de qualquer negócio. Em arquitetura não é diferente. E é ainda mais relevante porque o produto projeto é algo intangível.
intangível : adjetivo de dois gêneros1. que não se pode tanger, tocar, pegar; intocável.2. não perceptível pelo tato; impalpável, incorpóreo.

Imagine que o cliente vai contratar e pagar por algo que ele ainda não sabe como será. Complicado. Envolve uma relação de confiança entre profissional e cliente muito especial. E como é feita a escolha? Muitas vezes com base em indicações. Ou seja, outros clientes que, satisfeitos, vão falar bem de seu trabalho.
Fonte
Uma sugestão: assistam esse pequeno vídeo com dicas de marketing que a Flávia Barbieri fez em seu canal. Ela dá dicas preciosas e torna bem claro a importância dessa relação. 


Na minha experiência profissional, que é relativamente longa, aprendi com os acertos e com os erros nessa delicada convivência. Eu sempre disse que um bom projeto depende de um equilibrada equação: projetista, cliente e mão de obra. E hoje acrescento: fornecedor. Ninguém faz uma edificação, um prédio, um espaço seja lá de que tamanho for, sozinho. Não creio em soluções mágicas nem em um arquiteto master gênio que prescinda da interação entre esses intervenientes do processo.


Começando pelo cliente: é fundamental focar no que ele quer. Não o que o profissional imagina que o cliente quer. E atente bem: não é simplesmente colocar no papel literalmente o que fala. É a sutil percepção do que lhe é fundamental e que cabe no seu orçamento. 

Leia também: Arquitetura e o usuário

E da equação entre o que ele quer e a concepção do arquiteto, partimos para a segunda etapa : Encantamento. Satisfazer o cliente é lhe oferecer algo a mais do que imaginava. "Se fosse para fazer o que pensou, não precisava de arquiteto" era uma frase que um antigo sócio repetia como mantra. E é verdadeira. E encantar é mais do que oferecer soluções criativas, funcionais e coerentes com o orçamento (já que oferecer soluções irreais não encanta ninguém a longo prazo: só frustra). É oferecer um projeto exequível, uma execução sem dores de cabeça e indicar fornecedores de confiança. E um item plus: atenção.   


Cliente quer solução. Se tiver problema, e toda obra tem, ele quer alguém que resolva. Se possível rápido. Se for com educação e gentileza é gol de placa. 

Ah! Então suas obras e projetos sempre foram assim? Nem sempre. Sou humana. Tenho minhas falhas. Já enfrentei problemas de relacionamento entre clientes, entre clientes e mão de obra, já falhei e não soube dar a resposta certa. Acontece com todos. O importante é não deixar margem para que fiquem desconfianças e mágoas. 

Uma lição: tem horas em que se deve encerrar uma relação profissional. Por mais que seja complicado, tem vezes, e na minha vida isso foi muito raro, o melhor é dizer não.

Mas a maioria me deixou boas lições. E o resultado delas não poderia ser mais indicativo: clientes que me chegam por indicação de antigos clientes. E essa propaganda não tem preço.

Então o atendimento é fundamental. O nosso como prestadores de serviços e a indicação que fazemos de fornecedores e mão de obra. Somos responsáveis por eles. Eu sempre digo que vivemos em um país com tanta carência de bom atendimento que ele, em vez de ser regra, é exceção. E acaba sendo um diferencial competitivo. Exemplos são pontualidade, respeito à prazos e orçamento, honestidade e atendimento pós venda.  

Sobre o projeto: Mais que impor uma solução, ela deve ser o resultado da interação com o cliente. Lembre: o projeto não é seu. Quem vai usar, quem vai morar, quem vai pagar deve sim ter a sua vontade respeitada. Talvez se você for um gênio possa se dar ao luxo de não fazer isso...


Mas mesmo quando for muito brilhante é preciso que a solução seja também genial...


E o comum dos mortais? Aconselho que não releguem ao cliente o papel de simples pagador. Interajam, ofereçam o melhor de si, dialoguem e sejam firmes nas propostas que julguem melhores para eles. Mesmo que eles não aceitem em um primeiro momento. O técnico é você. Seja profissional sem ser turrão. Ou como diria o Che, "Endureça, mas sem perder a ternura".

Comunicação. Nada do que disse acima tem valor se não existir uma boa comunicação entre cliente e profissional desde o início. E uma boa negociação de soluções. Não prometa o que não sabe se vai poder cumprir. Se o cliente quiser algo que você sabe ser uma má solução, explique tecnicamente. Não deixe subentendido.

Sonhos são um campo mágico. E sutilmente delicados. Aprenda a ser equilibrista entre a possibilidade e a concretização.

 Nos siga também nas redes sociais

snapchat: arqsteinleitao  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …