Pular para o conteúdo principal

13 respostas a um futuro estudante de arquitetura

Uma das melhores coisas de se escrever um blog é receber as opiniões, dúvidas e sugestões dos leitores. Eu adoro!!! Volta e meia algum estudante vem me perguntar sobre como é a Arquitetura. Caso desse garoto abaixo. Vou tentar responder com calma.   


Olá, me chamo João Victor, tenho 16 anos e participo de um projeto de Orientação Profissional onde me foi proposto realizar uma pesquisa a fundo sobre algumas profissões que me interessem e, como deve imaginar, Arquitetura foi uma delas. Então peço que, se possível, doem um pouco de seu tempo para responder as perguntas abaixo. Agradeço desde já



1. Há quanto tempo exerce a profissão? 

Joao Victor, fiz vestibular em 1974 e me formei em 1982. Já na faculdade comecei a fazer estágios em escritórios de arquitetura. E desde a formatura tenho trabalhado em escritório próprio.


2. Descreva a função ou cargo que melhor representa o que você faz. Não há necessidade de citar a empresa que trabalha.
Como sou profissional liberal, ou seja, trabalho para mim mesma, faço de tudo: sou minha chefe e sou office girl, passando por pesquisadora, desenhista, Projetista e prospectadora de mercado. Ah! Também sou blogueira e milito nas redes sociais. Leia mais sobre a profissão em Arquitetura - mais que desenho.

3. Qual foi o caminho para sua escolha profissional?
Como escolhi Arquitetura? Gostava de desenhar e imaginava fazer engenharia quando pequena. Minha mãe me convenceu que arquitetura era uma profissão mais feminina e como, aos 12 anos, eu ainda não era feminista, acabei comprando a ideia. Mas fiz teste vocacional: deu História. E na hora de escolher no vestibular ainda pensei em processamento de dados e engenharia elétrica. Pudera, eu tinha 16 anos, muito nova para um decisão tão importante. Bem normal não ter certezas concretas. Veja aqui 10 lições que aprendi na faculdade de Arquitetura.

4. Quais as suas perspectivas? O que você ainda almeja?
Pergunta interessante e complexa. Almejo muita coisa. Na arquitetura pretendo continuar aprendendo, aprimorar a carteira de clientes e me superar. Leia também 10 maneiras de expandir o repertório e aprimorar o processo de criação. 



5. Quais são os cursos que você considera importantes para o exercício da sua profissão?
Os Cads, BIM, revit, sketchup e todas as formas de expressão gráfica, inclusive a desenho a mão livre. E todos os cursos que aumentem a criatividade e a bagagem cultural. Há um artigo interessante que fala sobre a teoria e a prática na formação do arquiteto e que pode ser lido AQUI.

6. Como vê o mercado de trabalho na sua área?

Flutuante como sempre. Arquitetura é uma profissão apaixonante, lida com algo que as pessoas necessitam e usam muito: espaços. Do micro ao macro espaço. Do móvel à cidade. A arquitetura, por ser uma mistura de humanas e exatas, proporciona uma formação bem ampla que permite que um arquiteto possa se especializar em várias áreas depois da formatura. Leia minha entrevista no Adzuna em Arquitetura pra que te quero

7. Quais os aspectos positivos que você sempre apreciou no exercício de sua profissão?
Poder realizar sonhos das pessoas e trabalhar com criatividade. Respondi muito disso em Ser Arquiteto: Por quê? Dez razões.

8. E quais foram para você as maiores dificuldades encontradas no dia a dia do exercício de sua profissão?

A pouca oferta de segurança financeira em forma de concursos e empregos com carteira assinada. E a falta de noções de empreendedorismo já na graduação para enfrentar um mercado competitivo de maneira mais profissional. Quer saber mais? Veja em 10 motivos para NÃO fazer arquitetura. e Arquitetura é estressante?

9. Que fatores você acredita ser importantes para o jovem levar em consideração no momento da escolha profissional?

Pense no que você faria se não precisasse ganhar dinheiro. Isso lhe dá uma ideia do que lhe dá prazer. Depois pense na sua personalidade: se precisa de segurança, se é mais ousado, se é mais tímido, se tem facilidade de se relacionar. Essa análise vai fazer com que o jovem tenha uma noção maior do que gosta e do que precisa em um caminho profissional. E no caso da Arquitetura, sugiro a leitura de: Devo fazer Arquitetura ou não?


10. Algum profissional de sua área o inspirou ao fazer sua escolha nesta profissão?

Não. E na verdade nem na vida profissional. Não sou uma pessoa de seguir gurus ou mestres. Mas isso é uma coisa pessoal. 



11. O que você sugere para um jovem que queira escolher sua profissão?

Creio que respondi na pergunta 9. E não esqueça, nenhuma escolha é eterna. Se sentir que não é para você, parta para outra. Se sentir que é, se empenhe e batalhe para sempre aprender mais e mais. Leia também: sucesso é uma conquista e não se mede por dinheiro e Você faria de novo Arquitetura?


12. Quais seriam as áreas de atuação no mercado deste profissional?

Variadas. Com a graduação você pode sair arquiteto geral - pode fazer projetos, executar obras. Pode optar pelo urbanismo. Com algumas especializações ou cursos complementares,  pode ser designer, atuar em expressão gráfica, as possibilidades são muito grandes.


13. Descreva o ambiente, o conteúdo, a rotina e o retorno de sua profissão

Vou responder com uma postagem que fiz um tempo atrás onde falei justamente nisso: Explicando a rotina de um arquiteto para estudantes 

Espero que tenha ajudado o João Victor e quem sabe mais alguém que tenha as mesmas dúvidas.

Me escrevam sempre que quiserem alguma sugestão ou até para trocar ideias. Adoro essa interação!



Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…