Pular para o conteúdo principal

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte
Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos. 
Fonte

Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas.

Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana e talvez tenha vindo em função das bonecas de madeira, usadas nos cortejos, que eram denominadas assim.   

Embora hoje em dia, as calungas usadas nas representações, sejam muito mais sofisticadas, quando eu estudei, elas se assemelhavam mais às da figura abaixo.
Fonte
Eram representações esquemáticas, onde o que importava, era a noção de tamanho e equilíbrio. Às vezes os chamávamos de "fantasminhas" porque só apareciam silhuetas. Lembro bem da prova psicotécnica de quando fiz carteira de motorista onde mentalizei bem para não desenhar uma calunga fantasmagórica no pedido de pessoa humana porque tinha a certeza de que não passaria. Onde já se viu fazer gente sem rosto e com traços infantis???? 
Resgatei alguns desenhos do tempo de faculdade, onde estava treinando fazer seres humanos e perspectivas. As proporções eram muito mais para treinar desenho com pessoas humanas porque, na prática, quando as representava, eram mais como na figura da rua em perspectiva.

Confesso que não achei a origem do termo em arquitetura, mas a mais abrangente definição que encontrei do termo foi neste site, onde entre outras, se lê que:
No Dicionário Banto do Brasil (1993-95), de Nei, provavelmente a mais completa obra abordando a cultura banto no país, está bem visível a rica polissemia dessa palavra, já incorporada à fala brasileira através das línguas bantas citadas, especialmente a já referenciada e aportuguesa quinbundo, enriquecendo o nosso léxico e mostrando a evolução da história desse vocábulo memorável, intrigante e mágico. Na umbanda, é cada um dos integrantes da falange de seres espirituais que vibram na linha de Iemanjá. Boneco pequeno. Figuras humanas nos desenhos infantis. Camundongo. Pessoa de pouca estatura, principalmente por ser aleijada da coluna vertebral. Esboço da figura humana que os arquitetos fazem para dar idéia das dimensões da obra que projetam. Pargo, indivíduo preto. Ajudante de caminhão de carga. Falar banto da região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, onde, no final de 1970, do século findo, eram listados em Patrocínio (MG), um vocabulário do “calunga”, assim como um outro da “língua do Cafundó”, em São Paulo, denunciando forte presença de étimos do grande grupo linguístico banto. Cada uma das duas bonecas que fazem parte do cortejo de maracatu. Mar. Céu. Morte. Cada um dos habitantes da comunidade de Calungas, em Goiás.
Como se vê um termo bastante amplo, assim como as possibilidades dos desenhos. Um exemplo bem humorado está na calunga do urso que traz a escala animal ao espaço de uma casa de campo nos Estados Unidos.
Fonte



Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…