Pular para o conteúdo principal

Normógrafos e outras cositas estranhas por aí

 Do fundo do baú...

Fazendo uma pequena limpeza e quebrando a cabeça em como vou conseguir mais espaço para meus livros e revistas, achei esses velhos projetos de faculdade.

Esse era um Centro Comunitário e devia ser Projeto I já na UFRGS, no final dos anos 70. Era tudo feito a mão (!). Adendo: eu comecei a faculdade na UnB em Brasilia, em julho de 74 e vim transferida para Porto Alegre em 76.
A mudança foi meio traumática porque eu não conseguia entender como dois curriculos tão diversos podiam formar o mesmo profissional....Aproveitei algumas cadeiras feitas na UnB, mas para me encaixar em um semestre foi um parto. 

A gente fazia as pranchas em papel manteiga ou vegetal. O manteiga era mais comum porque era mais barato. E tirava cópia heliográfica. Alguns escritório graúdos tinham sua própria máquina, mas o mais comum era mandar "plotar" fora. Estagiário, coitado, era colocado para raspar as pranchas de vegetal. Quando havia alguma modificação no projeto, a gente pegava uma gilete (ah! olha o nome do produto nominando o próprio...) e raspava com cuidado. Depois passava um grafite e borracha, para o nanquim não se espalhar...

Normógrafos, aranhas com achatador, cera de sapato, canetas de nanquim, lapiseiras, régua T e....BENZINA! A gente acabava se viciando no cheiro dela, até hoje tenho uma queda por gasolina. Rascunhos em qualquer pedaço de papel. Guardanapos nas noitadas eram os preferidos. Muita poesia, muita vontade de aprender. Xerox de livros, bibliotecas lotadas. Espremer o orçamento para comprar o Neufert. E no máximo uma calculadora científica. Que vinha do Paraguai...

Aquarela...céus lindosnas perspectivas. Ecoline. Cores. Lápis de cor Carand'ache. Canetinhas de hidrocor. E as cinzas que imitavam concreto? Um luxo. Carésimas !!!

Rádio brega para não dormir. Aqui em Porto Alegre muita Caiçara, onde a música não para...Café, muito café. Dormir no chão algumas horas para acordar e terminar o projeto. 

Professor, adia a prova. Essa semana é entrega de projeto....Derivadas, momento, flexão, acústica, história, cálculo...e o café no bar.

Só o fim de ano para me fazer voltar assim no tempo. E como é que consegui me formar sem computador????? Eu e uma galera por aí??? 

PS: (que vem do latim e significa que a gente esqueceu de algo.). Já ouvi por aí que projeto precisa ser definido em palavras. Ou seja, tem que ter um conceito. E isso antes de ser riscado ou de abrir qualquer CAD. Sem saber onde se quer chegar, é dificil traçar o roteiro, não é mesmo? E no mestrado aprendi que o tema de sua dissertação tem que ser entendível por mãe. Não menosprezando a educação da mãe de ninguém, mas significando que não pode ser criptografado de modos a que seja tão complicado que ninguém saiba o que significa...  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…