Pular para o conteúdo principal

Normógrafos e outras cositas estranhas por aí

 Do fundo do baú...

Fazendo uma pequena limpeza e quebrando a cabeça em como vou conseguir mais espaço para meus livros e revistas, achei esses velhos projetos de faculdade.

Esse era um Centro Comunitário e devia ser Projeto I já na UFRGS, no final dos anos 70. Era tudo feito a mão (!). Adendo: eu comecei a faculdade na UnB em Brasilia, em julho de 74 e vim transferida para Porto Alegre em 76.
A mudança foi meio traumática porque eu não conseguia entender como dois curriculos tão diversos podiam formar o mesmo profissional....Aproveitei algumas cadeiras feitas na UnB, mas para me encaixar em um semestre foi um parto. 

A gente fazia as pranchas em papel manteiga ou vegetal. O manteiga era mais comum porque era mais barato. E tirava cópia heliográfica. Alguns escritório graúdos tinham sua própria máquina, mas o mais comum era mandar "plotar" fora. Estagiário, coitado, era colocado para raspar as pranchas de vegetal. Quando havia alguma modificação no projeto, a gente pegava uma gilete (ah! olha o nome do produto nominando o próprio...) e raspava com cuidado. Depois passava um grafite e borracha, para o nanquim não se espalhar...

Normógrafos, aranhas com achatador, cera de sapato, canetas de nanquim, lapiseiras, régua T e....BENZINA! A gente acabava se viciando no cheiro dela, até hoje tenho uma queda por gasolina. Rascunhos em qualquer pedaço de papel. Guardanapos nas noitadas eram os preferidos. Muita poesia, muita vontade de aprender. Xerox de livros, bibliotecas lotadas. Espremer o orçamento para comprar o Neufert. E no máximo uma calculadora científica. Que vinha do Paraguai...

Aquarela...céus lindosnas perspectivas. Ecoline. Cores. Lápis de cor Carand'ache. Canetinhas de hidrocor. E as cinzas que imitavam concreto? Um luxo. Carésimas !!!

Rádio brega para não dormir. Aqui em Porto Alegre muita Caiçara, onde a música não para...Café, muito café. Dormir no chão algumas horas para acordar e terminar o projeto. 

Professor, adia a prova. Essa semana é entrega de projeto....Derivadas, momento, flexão, acústica, história, cálculo...e o café no bar.

Só o fim de ano para me fazer voltar assim no tempo. E como é que consegui me formar sem computador????? Eu e uma galera por aí??? 

PS: (que vem do latim e significa que a gente esqueceu de algo.). Já ouvi por aí que projeto precisa ser definido em palavras. Ou seja, tem que ter um conceito. E isso antes de ser riscado ou de abrir qualquer CAD. Sem saber onde se quer chegar, é dificil traçar o roteiro, não é mesmo? E no mestrado aprendi que o tema de sua dissertação tem que ser entendível por mãe. Não menosprezando a educação da mãe de ninguém, mas significando que não pode ser criptografado de modos a que seja tão complicado que ninguém saiba o que significa...  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi