Pular para o conteúdo principal

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É tão bom ter retorno, não é verdade? Em uma delas, o Jadher me pede para falar de mais histórias da vida acadêmica. E embarquei nessa pergunta como se entrasse no túnel do tempo (tinha uma série assim na TV). E reuni aqui algumas lições que aprendi na faculdade de Arquitetura. E nem todas sobre Arquitetura.


Fonte
1- Fiz vestibular com 17 anos e caí em um mundo super novo. Universidade, gente andando para lá e para cá, cheios de grau e arrotando sabedoria, com livros de filosofia e autores importantes debaixo do braço. Uma das primeiras provas foi de metodologia científica. Era com consulta. Passei os olhos pela prova e de cara me pareceu que os livros e apostilas que podíamos olhar não traziam as respostas que o professor pedia. Com o rabo dos olhos vi meus colegas, toda a sala, olhando nos livros, consultando e escrevendo. Lógico que me senti uma burra. Mas fazer o que: aquilo não fazia sentido. Resolvi seguir a minha intuição e escrevi minha opinião. Saí da prova achando que tinha tirado 0. Para minha surpresa quem se deu mal foram os colegas. Eu tirei 10. E tive minha primeira grande lição: siga sua intuição e o seu conhecimento. A universidade não é caminho de decoreba. É de posição.

2- Uma das cadeiras eletivas era sobre expressão em recursos audiovisuais. O professor era tudo de bom, com ele fizemos um dos melhores trabalhos da minha vida acadêmica. Era sobre a vida em Brasília. Qual a formação dele? Advogado. E segundo ele, muito ruim já que colou toda a sua graduação. Mas se não fosse aquele diploma, não poderia estar nos dando aulas do que realmente sabia e gostava: cinema e expressão em artes visuais. Lição 2: se aprofunde no que gosta, mas sabendo que alguns caminhos e atalhos talvez tenham que ser traçados para se alcançar o fazer o que se gosta e ser remunerado por isso. 

3- Trabalho de campo em introdução à arquitetura: estudar três tipos de habitação, uma delas uma casa antiga em uma cidade satélite perto de Brasília. O dono da casa, um senhor, começou a nos falar dos métodos construtivos em adobe. O namorado de uma das colegas, aluno também de arquitetura, mas do quinto ano, nos alertou: prestem muita atenção à essa aula, ela é preciosa e vale muito. Lição 3: preste atenção à cultura local e a quem detém o conhecimento, mesmo que não seja um profissional. Mantenha sempre a humildade de aprender da fonte.

4- Mudança de faculdade. Saí da então segunda melhor faculdade de arquitetura (UnB) para a terceira (URGS). Quantas diferenças curriculares para se formar a mesma profissão! Na UnB aprendi a projetar sempre pensando na cidade, tanto assim que os nomes das cadeiras de projeto eram PEU (projeto de edificação urbana). Na UFRGS aprendi a projetar pensando em como a obra ia parar em pé, já que era, na época, uma faculdade com orientação mais técnica. Lição 4- Essas duas concepções me acompanharam sempre na vida profissional. 

5- Metade da faculdade quando deu o estalo: já reunia o cabedal de como pesquisar, como ir buscar o conhecimento. Lição 5: Se fosse bom, se fosse completo, ia depender de mim e da minha capacidade de trabalho concretizar um projeto eficiente.

6- Dentre os vários ensinamentos que colegas me trouxeram com os seus trabalhos, um me chamou a atenção: uma guria propôs no início da faculdade unir uma estrutura de ferro com telhas de barro. Era uma ousadia na época. Todos, inclusive professores, ficaram boquiabertos e questionaram. E ela tinha boas justificativas. Lição 6: quando propor algo, faça com embasamento. E se acreditar, toque em frente.



Fonte
7- Uma frase que ouvi de uma amiga psicologa: Aproveite para testar tudo o que quiser enquanto é estudante. Nessa época você pode errar. Como profissional, não. Lição 7: use a universidade para buscar conhecimentos e ousar. E aprenda a ser profissional quando se formar.

8- Vi professores reprovando gente com muita capacidade por um trabalho aquém de suas possibilidades, embora esse trabalho fosse melhor do que aquele do aluno que foi aprovado porque deu o melhor de si. Lição 8: professores não são aqueles tiranos ou queridos que a gente julga. São profissionais dando o seu melhor e isso significa também exigir de acordo com as potencialidades, por mais injusto que nos possa parecer. E eles nos preparam para a vida profissional com as suas críticas.

9- Lição 9 e de vida: a vida nem sempre é justa. E o mundo não é a nossa família. Quanto antes você se der conta disso, mais tranquilo e menos traumático será o seu caminho já que Arquitetura pode ser uma profissão estressante. Quem está na faculdade já é adulto, fazer mimimi ou ficar frustrado, magoado ou afins, só vai atrapalhar sua vida. 

10- Lição 10. O caminho é longo mas gostoso. Se não lhe der prazer a maior parte do tempo, repense. Se der, não vai ser por algumas pedradas e/ou derrapadas, que vai lhe derrotar. No final existe a vitória de seguir em uma profissão bacana, criativa e que trabalha com algo que muda a vida das pessoas: o espaço.


Por incrível que pareça, a gente fazia o projeto final sem computador.
Tudo na prancheta. Essa guria da foto um dia fui eu, sonhando com o canudo, em 1982....

E você? Que lições a faculdade te deixou?


Leia também:






Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

  1. Como sempre, satisfeito pelo compartilhamento da sua vida!
    São histórias muito encorajadoras para a vida acadêmica e também profissional!
    Sempre passando por aqui, pode ter certeza!
    Um grande abraço do futuro colega de profissão, Jadher!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f