Pular para o conteúdo principal

São só pedras em ruínas - para que serve a memória?

Naquele dia distante de 1990, meu coração disparava de emoção. Na noite anterior, passeando pelas ruas de uma Atenas onde recém tinha desembarcado de uma viagem de navio, seguida de uma inusitada passagem por um trem em terras helenas, tinha visto a visão. Cercada de luz, lá estava ele. Meu sonho de infância: o Pártenon.

Desde criança essas palavras e locais faziam parte do meu imaginário. Não era a Disney nem o castelo da Cinderela (que fui visitar mais tarde na sua forma original, na Alemanha). Por isso naquele momento em que percorria os caminhos da Ágora e subia a Acrópole eu estava quase em êxtase. Ao meu lado um simpático casal de argentinos que conhecêramos na chegada em Madri e que se tornaram nossos companheiros de jornada. Hector era o nome do senhor. Tinha sido pugilista olímpico e, sentado em uma das colunas caídas em frente ao Pártenon, respirou fundo e falou: qual a graça disso? São só pedras em ruínas...

Só pedras em ruínas. Só um templo pegando fogo. Só a história indo pelo ralo...Senti a mesma coisa com comentários que li aqui e ali, de gente para quem a memória não importa. Essa memória. E fiquei pensando comigo, para quê afinal serve a arte? 

Ele ainda era demasiado jovem para saber que a memória do coração elimina as coisas más e amplia as coisas boas, e que graças a esse artifício conseguimos suportar o peso do passado. Gabriel Garcia Márquez - O Amor nos Tempos de Cólera


Quando o interesse diminui, com a memória ocorre o mesmo. Goethe
Com tanta gente passando fome, precisando de empregos, de casa, por quê mesmo gastar com ruínas, com prédios que foram construídos trocentos anos atrás? Para que preservar o passado se o presente e o futuro nos acena com as suas possibilidades? Por quê choramos por estátuas destruídas? Por templos que às vezes nem representam nossa crença? Por museus que ardem com milhares de pesquisas? Por quê vamos atrás de respostas, de querer saber de buracos negros e de espécies que se extinguiram muito antes de nossa aparição na terra?
Para que serve a memória?

Talvez sirva para que a gente se sinta gente em meio à fragilidade da vida. Cada descaso, cada omissão no cuidado, cada intolerância nos doem na alma e é como se pedíssemos que se dê um basta à estupidez humana

Embora saibamos que a arte e, por tabela, o patrimônio cultural que construímos como humanidade, seja ao fim de tudo, inútil, é inegável que sem herança somos ainda mais frágeis. Você pode não sofrer ao ver ruir algo que levou séculos para ser construído e que traz apenas beleza. Direito seu. Pode pensar que a herança grega se resume em pedras em ruínas. Mas mesmo para você, que descrê das forças do simbolismo, a cultura persiste. Em cada lembrança, em cada ato de ressignificar a realidade e colocar no mundo uma marca pessoal, única. Um olhar diferente sobre nosso papel na vida.

Quando você não sabe de onde veio, fica mais difícil construir um futuro. O passado, mesmo quando não lhe diz respeito, fala de nós como espécie. Mesmo que a tecnologia tenha avançado, a humanidade continua tendo as mesmas paixões e inquietudes que guiaram as mãos dos primeiros desenhos nas cavernas. Que sejamos então merecedores da herança que nos deixaram e saibamos preserva-la.


Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest

  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações