Pular para o conteúdo principal

São só pedras em ruínas - para que serve a memória?

Naquele dia distante de 1990, meu coração disparava de emoção. Na noite anterior, passeando pelas ruas de uma Atenas onde recém tinha desembarcado de uma viagem de navio, seguida de uma inusitada passagem por um trem em terras helenas, tinha visto a visão. Cercada de luz, lá estava ele. Meu sonho de infância: o Pártenon.

Desde criança essas palavras e locais faziam parte do meu imaginário. Não era a Disney nem o castelo da Cinderela (que fui visitar mais tarde na sua forma original, na Alemanha). Por isso naquele momento em que percorria os caminhos da Ágora e subia a Acrópole eu estava quase em êxtase. Ao meu lado um simpático casal de argentinos que conhecêramos na chegada em Madri e que se tornaram nossos companheiros de jornada. Hector era o nome do senhor. Tinha sido pugilista olímpico e, sentado em uma das colunas caídas em frente ao Pártenon, respirou fundo e falou: qual a graça disso? São só pedras em ruínas...

Só pedras em ruínas. Só um templo pegando fogo. Só a história indo pelo ralo...Senti a mesma coisa com comentários que li aqui e ali, de gente para quem a memória não importa. Essa memória. E fiquei pensando comigo, para quê afinal serve a arte? 

Ele ainda era demasiado jovem para saber que a memória do coração elimina as coisas más e amplia as coisas boas, e que graças a esse artifício conseguimos suportar o peso do passado. Gabriel Garcia Márquez - O Amor nos Tempos de Cólera


Quando o interesse diminui, com a memória ocorre o mesmo. Goethe
Com tanta gente passando fome, precisando de empregos, de casa, por quê mesmo gastar com ruínas, com prédios que foram construídos trocentos anos atrás? Para que preservar o passado se o presente e o futuro nos acena com as suas possibilidades? Por quê choramos por estátuas destruídas? Por templos que às vezes nem representam nossa crença? Por museus que ardem com milhares de pesquisas? Por quê vamos atrás de respostas, de querer saber de buracos negros e de espécies que se extinguiram muito antes de nossa aparição na terra?
Para que serve a memória?

Talvez sirva para que a gente se sinta gente em meio à fragilidade da vida. Cada descaso, cada omissão no cuidado, cada intolerância nos doem na alma e é como se pedíssemos que se dê um basta à estupidez humana

Embora saibamos que a arte e, por tabela, o patrimônio cultural que construímos como humanidade, seja ao fim de tudo, inútil, é inegável que sem herança somos ainda mais frágeis. Você pode não sofrer ao ver ruir algo que levou séculos para ser construído e que traz apenas beleza. Direito seu. Pode pensar que a herança grega se resume em pedras em ruínas. Mas mesmo para você, que descrê das forças do simbolismo, a cultura persiste. Em cada lembrança, em cada ato de ressignificar a realidade e colocar no mundo uma marca pessoal, única. Um olhar diferente sobre nosso papel na vida.

Quando você não sabe de onde veio, fica mais difícil construir um futuro. O passado, mesmo quando não lhe diz respeito, fala de nós como espécie. Mesmo que a tecnologia tenha avançado, a humanidade continua tendo as mesmas paixões e inquietudes que guiaram as mãos dos primeiros desenhos nas cavernas. Que sejamos então merecedores da herança que nos deixaram e saibamos preserva-la.


Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest

  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b