Pular para o conteúdo principal

Uma Arquitetura mais humana. Será novidade?

Eu milito na Arquitetura já faz algum tempo. Tinha dezessete anos quando fiz vestibular em 1974(!). De lá para cá nunca abandonei o afazer arquitetônico. E nunca consegui enxergar a Arquitetura como um produto de uma mão só. Ou seja, como a concepção miraculosa de uma mente brilhante: o/a Arquiteto/a. Para mim sempre foi obvio que a Arquitetura ou é feita para o ser humano ou é escultura. E quando falo para mim, obviamente também me refiro à inúmeros colegas que pensam e a praticam assim.

Mas não somos ingênuos para não saber que existem campos de atuação em que isso não acontece. E existem profissionais que impõem modelos e práticas. Mas foi com uma certa surpresa que li um artigo no jornal (impresso) dominical. Sim, eu leio jornal de papel. E sim, o artigo estava nos classificados. Mas tinha um título bombástico que me pegou:

Olhar mais humano na hora de construir

Oba!!! Acordaram, pensei. E me veio à memória uma apresentação em um congresso no início do século XXI (ano 2000 para ser mais precisa). Estava apresentando um artigo baseado na minha dissertação de mestrado que mostrava a visão do cliente de imóveis residenciais em relação à visão do construtor, corretor e arquiteto, sobre o projeto e obra construída. E um dos pesquisadores que vinha após a minha fala meio que lançou um: o que importa para o sucesso de um empreendimento é a velocidade de vendas. Ponto. E naquela época era mesmo. Pelo menos para a grande maioria de empresas voltadas à incorporação. 

Passados 15 anos vejo que existe uma "nova abordagem" que prioriza o lado humano ao invés da grana. Ou seja, o comprador passa a ser visto como pessoa e não como uma carteira recheada. (E como toda onda atrasada, isso vem com o nome de "novidade"....).

E no mesmo dia, uma amiga, a querida Sam Shiraishi me marca em um vídeo TED que, de certa maneira, fecha essa equação, mostrando um outro ângulo (esse sim, novo para mim que não tinha raciocinado assim).

Como a mídia digital está mudando a Arquitetura - para melhor

O arquiteto Marc Kushner faz uma bem humorada apresentação onde contrapõe a oferta da Arquitetura como sendo um pêndulo entre o Novo e a Memória. Basicamente seriamos guiados pelas nossas lembranças de espaços que nos proporcionaram emoções. 
"A arquitetura não tem a ver com matemática nem zonamento — tem a ver com emoções viscerais" Marc Kushner
A história da Arquitetura seria uma oferta ora de avanços tecnológicos e formais, que resultaram em prédios e estilos nem sempre bem aceitos pelo público, que gerariam um revival de estilos que falassem à memória e com isso trouxessem tranquilidade aos usuários. E deixassem os arquitetos loucos!
Museu Guggenheim Bilbao


Para ele, este lento movimento pendular foi sacudido pelo advento das mídias digitais. E isso foi sentido, segundo ele, no Museu Guggenheim de Bilbao. O projeto de Frank Gehry parece ter se tornado uma unanimidade, ou quase, entre arquitetos, crítica e público. 

Qual teria sido a diferença? A propagação rápida das consequências econômicas e culturais para a cidade, gerando uma simpatia imediata. Isso foi sendo notado também em outros projetos e profissionais. Houve uma troca mais rápida de informações entre público e projetista (e incorporador, obvio, que arquiteto sozinho nada faz - a menos que seja rico). As décadas que separavam inovações de movimentos de retorno passam a ser aglutinar, gerando projetos mais simpáticos ao usuário. E mais ainda, abriu novas possibilidades de trabalho já que arquitetos poderiam sonhar soluções e não depender apenas de mecenas que as banquem. Mas as podem fazer acontecer via crowndfunding

Novos tempos. Novas possibilidades. 

Voltando à minha pergunta do título. Não, não creio que o fazer uma Arquitetura mais humana seja novidade. O que é novo são as formas de tornar isso possível de maneira mais ampla e acessível à mais pessoas.

Ele cita vários exemplos, muitos deles já mostrados aqui no blog, de obras que seguem esse novo conceito de uma arquitetura mais sinérgica, mais parceria e menos autoral. Muitos deles já foram mostrados aqui no blog como esse pavilhão para ver renas que ilustra o vídeo.

Hoje podemos interagir com as obras de arquitetura como não se fazia no passado. Podemos visitá-las inclusive de nossas casas, por meios digitais. Tiramos selfies e contamos nossas histórias através delas. Podemos conhecê-las antes mesmo de serem realidade, por meio de maquetes digitais hiper realistas. O conhecimento está mais do que nunca em mãos do público. Esse conhecimento sim, interage com o projetista e democratiza as decisões. Oxalá saibamos aproveitá-los para tecer uma Arquitetura humana, sustentável e bela.


Gostou? Conta para a gente a sua opinião.
Nos siga também nas redes sociais 
Twitter: @arqsteinleitao
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …