Pular para o conteúdo principal

Tachos de cobre e a reflexão sobre a vida

 
Sou uma entusiasta de pesquisar o passado, e também sou acumuladora. Gosto de guardar objetos que me digam algo, uma máquina de escrever onde meu pai ganhou a vida, um relógio de sol que mostrava o tempo passado, gosto de chamar esse resgate de sustentabilidade afetiva.

Tenho notado em minhas pesquisas sobre espaços como essa apropriação de objetos com história vem calando fundo nas pessoas. Já mostrei vários espaços, inclusive comerciais, que mostram como valorizar o passado faz o presente mais bonito.
Mas eis que, no meio de uma pesquisa sobre crônicas dos anos 40, encontro uma pérola de Rubem Braga chamada O Funileiro

Rubem Braga (1913/1990) é considerado um dos grandes cronistas brasileiros. Talvez o mais fiel e melhor. A crônica, esse gênero de escrita que se aproxima ao jornalismo tem muito a ver com o que se faz em blogs. Alguns melhores que os outros, alguns com fina maestria como Rubem. 

Em maio de 1949, ele narra o encontro com um funileiro, vindo do sul, em sua rua, na zona sul carioca. Quando o viu, pensou em lhe encomendar um tacho de cobre.

Interrompo para dizer que no momento em que lia, voltei no tempo. Minha mãe fazia geleias em casa. Não lembro se em um tacho de cobre, mas a gente sempre brincava com ela que íamos dar um de presente quando já éramos adultos, para que ela voltasse a fazer aquelas delícias. Ela nos devolvia um sorriso zombeteiro e dizia: jamais! Faço agora só de brincadeira, cansei, não quero mais compromisso de encostar a barriga no fogão!   
E é como na crônica onde o genial Rubem também reflete que jamais o funileiro conseguiria reproduzir as sensações da infância, os cheiros e sons que já não existem, a não ser na nossa memória.

E faz uma ponderação que me deixou reflexiva...
Que é inútil usar uma parte da própria história como objeto de decoração. Seria como se a pureza e beleza de algo se corrompesse por um uso indevido. Talvez dito assim pareça não fazer sentido aos nossos olhos contemporâneos. Mas ele diz com tal poesia e verdade que se torna quase incontestável.

Uma coisa antiga deixa de ter autenticidade e vira uma outra coisa. Uma cuba de banheiro, um vaso de flores, um enfeite na parede.   
Confesso que me tocou. Eu que junto pés de máquinas onde mãos desconhecidas cozeram vidas, fazendo deles ponte para as lembranças da infância, do barulho de minha vó mexendo infinitamente seus pés na delicada arte de costurar. Arte que lhe rendeu a vida, viúva que ficou muito cedo. 
Nesses tempos em que as recordações se fazem prementes e que os velhos se tornam descartáveis, fazer de conta que temos memórias pelo uso de peças que nada nos dizem continua a ser inútil.

Compreender os caminhos que a vida se faz, que os atos e ações de todos conformam a cidade, a aldeia, o mundo, talvez nos faça perceber a inutilidade do egoísmo que o exacerbado individualismo nos leva a praticar.

Ninguém vive só. As memórias nos formam. Mais que enfeites, moram dentro de nossa história. Resgata-las para a vida também nasce de dentro. 

Imagens: Pinterest

Nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de Foster + Partners foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia.

Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito.

Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado. 


A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convida ao…

Buhais Geology Park, inspiração em ouriços de 65 milhões de anos

O Buhais Geology Park é um local de magnífica importância pré-histórica e geológica, localizado nos Emirados Árabes Unidos. Há evidências científicas de que foi um mar cerca de 65 milhões de anos atrás. Para expor as coleções de fósseis marinhos e outros objetos relevantes da eras da Pedra, Bronze e Ferro, o escritório Hopkins Architects projetou cinco interessantes espaços circulares, interconectados e que servem para acomodar não apenas as áreas de exposição, mas também várias instalações para visitantes, entre elas um teatro e um café. 


Segundo o site dos arquitetos, a inspiração para a forma dos espaços de exposição foram os ouriços fossilizados. Para não causar muitos danos ao meio ambiente, as edificações "foram projetados como estruturas de concreto pré-fabricado e apenas tocam levemente o solo em discos de fundação de concreto armado in-situ."



As estruturas de concreto são revestidas com painéis de aço coloridos para se adequarem à paisagem. Estes painéis, que dão a ap…

Wave House, debruçada na encosta como ondas no mar

Por onde se olha só se vê "cachotinhos" na Arquitetura. Emoldurados com vários materiais, porta gigantesca, uma que outra mudança, mas na forma quase tudo igual. Cansa, né. Talvez por isso esse projeto todo personalizado tenha me chamado a atenção. É único. Não obedece muitas fórmulas, aproveita uma vista maravilhosa no Rio de Janeiro e se debruça sobre o mar como ondas, a sua inspiração. Projeto de Mareines Arquitetura e Patalano Arquitetura

Um terreno estreito e magnifico, um projeto que aproveita a vista e usa a complexidade da cobertura de vigas curvas de madeira laminada para proteção contra o sol. Pilares de aço galvanizado suportam as vigas. 


Os espaços internos se estendem por quatro pavimentos, belamente decorados e unidos por escadas e elevador, quase todos privilegiando a vista sobre o mar e garantindo a privacidade dos moradores.


Gosto das soluções arquitetônicas que realmente se debruçam sobre o programa, sobre o terrenos e os condicionantes e vai além da receita d…