MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Sustentabilidade afetiva

Sustentabilidade afetiva. Li esse termo numa revista, onde vi esse projeto que está aí abaixo, de uma empresa de criação de Porto Alegre, e achei muito apropriado. Fui em busca do significado e achei que seria o consumo e uso de móveis e objetos que tenham um valor afetivo, que signifiquem algo para nós e nossa vida. A mesa ou a cristaleira que estava na casa da vó, por exemplo. E esse tipo de uso tem tudo a ver comigo. Eu sou uma guardadora. Tudo bem, mea culpa, devia me desfazer mais das coisas, mas todos tem o seu lado fraco, não é mesmo ?
Objetos com sustentabilidade afetiva que tenho no escritório-
Foto Arq. Elenara Stein leitão
Eu guardo cartas, eu guardo recordações. E guardo objetos. No meu escritório tenho uma estante com   recordações de clientes: um quartzo rosa que uma senhora me deu quando soube que era minha pedra preferida. Uns mini porta retratos bordados em ponto cruz que uma cliente, aos 75 anos, fez prá mim com anjos de Natal. Um tijolo antigo de uma casa que foi demolida e que está ao lado de um mais moderno, só para comparar os tamanhos. Um relógio de bailarina que encantava minha infância. A porcelana de minha avó, toda craquelada...


E por isso tinha que colocar esse projeto que a Mundo.ag (Mundo Arte Global) fez para a sede da Joner Criações e Reflexões em Porto Alegre. A ambientação reflete a proposta da empresa que é : "valorizar a cultura brasileira, seu sincretismo, suas festas e figurinos".


Um projeto que é a cara da empresa, que valoriza seus valores e que portanto é criativo e único. E aproveita antigos móveis com valor sentimental além de reciclar produtos de obra, como essas luminárias abaixo que são latas de tinta usadas na reforma. Show de bola !




Copyright Todos os direitos reservados a mundo arte global





Comentários

  1. Bah! Como é bom ler posts de gente inteligente.

    ResponderExcluir
  2. acho que recebi um elogio...obrigada
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Elenara, que termo ótimo. Genuíno. Acho que aplico a sustentabilidade afetiva aqui em casa e na minha vida também. Aliás, eu e a @samegui, irmãs colecionadoras de boas lembranças.

    Eu costumo me desfazer de coisas que não tem utilidade pra mim, porém estão em bom estado, podendo ser reaproveitadas por outros, sabe, inclusive repasso diretamente a amigos que tenham interesse, mas alguns artigos, pequenos móveis ou itens, louças e livros, por exemplo, deixo permanecerem, pois são a memória viva e gosto de conservar.

    Em termos de arquitetura e decoração, acho exemplar que consigam envolver, agrupar objetos antigos aos novos agregando história, cultura e tradições. Curti o post e a ideia. Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Perfeito Tiffany,

    Eu também achei genial essa definição porque exprime bem esse resgate de sentimentos e lembranças que tanto nos fazem bem. Adorei o teu comentário.
    Beijos
    Elenara

    ResponderExcluir
  5. Sempre que o termo sustentabilidade é empregado vemos o nascer de algo novo e inspirador. A sustentabilidade afetiva une o que já está ali no canto com a vontade de lhe dar uma utilidade. Gostei bastante e é uma boa forma de pensamento. Abraços!

    ResponderExcluir
  6. É isso aí Camesa, resgatar a utilidade do que aparentemente poderia ser descartado, relembrando nossas memórias e histórias que esses objetos representam.
    Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros