Pular para o conteúdo principal

Discurso de um espaço amoroso

Logo que me descobri mais gente, menos miúda, se assomou em mim uma fascinação pelo encontrar um objeto amoroso. Como toda adolescente mais ou menos romântica, me enamorei do amor. E li muito sobre ele, imaginando que absorvendo a teoria iria talvez dominar a prática. Qual o quê...há coisas que se aprende fazendo, há sentimentos que se aprimora sentindo. 

Mas foi nessa busca que a literatura traz que cheguei a um livrinho deliciosa chamado de "Fragmentos de um discurso amoroso" de Roland Barthes, onde ele disseca a comunicação do amor por partes. Tal qual o Jack inglês.  

E nesses tempos de hoje, mais experiente em anos e em práticas, me pego refletindo sobre o que os espaços onde moramos e vivemos podem nos ajudar a construir um discurso amoroso.
Gilberto Perin



Um espaço amoroso é antes de tudo um convite ao encontro. Ao trocar de emoções sem muitas distrações.

Mais que um encontro apenas sexual, um espaço que aconchega e nos traduz como pessoas que procuram. 
Pensamos em amplidão e recolhimento. Apelo ao universal em nós e ao individual que se mesclam em momentos de calor. Texturas que sejam aconchego, formas que tragam os sentidos à tona. Beleza que nos faça sentir o lado estético satisfeito ou instigado, aquele que nos levará à plenitude de sentir. E sentir. E sentir.
“Na distância imprecisa, meu amor, ignoramos de nós sequer a latitude.Contudo, provavelmente o mesmo sol cobre nossos corpos ávidos de luz e de acontecer, os mesmo rostos (ou serão outros?) da mesma gente envolvem nossos passos, os mesmos ruídos, o mesmo bombardear de fatos e de idéias, a mesma música flutua em nossos cabelos, o mesmo vento nos impele na busca de horizontes claros e do mar, cheiro de algas penetrante, doçura do pôr do sol e das tempestades na barra.” Roland Barthes

 Os elementos se tornam importantes, traduzem signos, humanos que nos tornamos mais abertos e mais transparentes. Fogo, água, terra e ar, todos presentes em um discurso de espaço amoroso.  
Sutileza. Assim como na conquista e permanência, o espaço que se traduz em sentimento pede de nós uma não redundância, uma economia de exposição, um bom senso de explosão. Que até no amor é preciso ter uma certa calmaria para que aguentemos as tempestades e escolhas.

Meu discurso tinha sido preparado com calma. Juntei imagens, colhi as fontes, deixei tudo preparado com explicações de pesquisas para poder expressar com mais clareza o que pretendia. A vida digital me passou a perna, tal qual faz na real. As imagens sumiram por magia. Perdi as referências. Pensei até em mudar de assunto. 

Mas tal qual na vida de verdade, há que se improvisar quando o tema nos pede. Roland Barthes me apareceu de novo e deve ter um bom motivo para isso. Ainda não descobri qual. Estou compartilhando com vocês para descobrirmos juntos. 

PS: Descobri um romance que comecei a ler e que cham-se....imaginem: "Quem matou Roland Barthes" de Laurent  Binet.  Um obra instigante e nada convencional. 

Leia também:

Gostou? Compartilhe em suas redes sociais 
Nos siga também nos outros canais

snapchat: arqsteinleitao 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi