Pular para o conteúdo principal

Compartilhar é o novo possuir - habitação comunitária multi geração

Uma comunidade que foi projetada em estreita colaboração com seus fundadores, onde pessoas de todas as idades convivem e fazem atividades conjuntas. E onde se entende que compartilhar é o novo possuir. Bacana, né. 

Muitas pessoas nutrem o sonho de viverem juntas, sejam com amigos, sejam em comunidades com os mesmos interesses. Mas como funciona, na prática, um grupo multi-geração que existe há 35 anos? O grupo Centraal Wonen de Heerd foi criado na década de 80 com total participação dos moradores no projeto e concepção e sobrevive até hoje na cidade holandesa de Groningen, aquela é considerada a capital mundial do ciclismo. Vamos conhecer mais sobre ele?

Essas habitações para moradas em grupo são mais populares na Alemanha e na Dinamarca e já falei de uma experiência semelhante na postagem sobre morar em cooperativa. Na Holanda, talvez em razão da recente crise econômica, tem aumentado o interesse por parte de muitas pessoas de todas as idades. Uma das razões seria o fato de estar diminuindo o auxílio por parte do governo aos idosos. Já mostrei aqui também uma proposta holandesa para um centro de  adultos mais idosos com problemas de senilidade.Mas e os adultos mais idosos que estão com boa capacidade de viverem sós, como fazer? Estes também são potenciais interessados em que existam mais comunidades como esta.
habitação comunitária multi geração
Habitação comunitária multi geração em Groningen
Nesse caso em particular, me chama a atenção o tempo que persiste: 35 anos. E como seus moradores a fazem funcionar. A proposta inicial nasceu de uma visão diferenciada de mundo. Vários moradores foram se mudando, mas a comunidade e sua proposta permanecem. E a ideia de que podemos conviver, compartilhar posses, experiências e vivências com outras pessoas de maneira civilizada e permanente, seja lá o que isso significar em termos de tempo, para as pessoas que moram lá. 

"Aqui há um pouco de democracia, anarquismo, meritocracia e sociocracia. Em algumas questões, quem se habilita vai lá e faz ou desfaz. Em outras votamos mas se alguém for contra, protesta e todos buscam ouvir. Há uma pergunta que a gente procura praticar. Mesmo você sendo contra, poderia viver com isto? No fundo é bastante indefinido. Eu acho bacana pois ninguém é obrigado a nada (exceto o pagamento de algumas contribuições)." (Wagner Gonzalez, morador do grupo) 
habitação comunitária multi geração
Obra de arte no jardim que reproduz a forma arquitetônica do conjunto
comissões para tratar todos os assuntos. Agora por exemplo, eles estão se organizando para levar a cabo a ideia inicial dos fundadores que se preocupavam com o uso de energia renovável e estão procurando implantar meios para que as habitações possam produzir a sua própria energia. Vejam mais detalhes desse movimento aqui em Fotovoltaicos - análise de sombras para complexo residencial comunitário. Mas há também comissões para cuidar do jardim, do bar, do gerenciamento.
habitação comunitária multi geração
habitação comunitária multi geração
Muito simbólico que as crianças usem essa obra para suas brincadeiras 
O espaço arquitetônico é composto por casas de tamanhos diferentes. E há também um espaço comunitário com refeitório e área de convivência, além de uma horta. Há um histórico das diversas alternativas de arranjos arquitetônicos pensados conjuntamente com o arquiteto da obra, na década de 80. A estrutura é feita de paredes grossas de concreto que separam as casas. O interessante é que essas peças pré moldadas contam com portas internas que foram fechadas em alvenaria. A intenção é que cada espaço possa se comunicar com outro, se assim for do interesse do grupo. A incorporação ficou a cabo de uma imobiliária que lucra com os aluguéis.  

Apesar de não serem proprietários legais das residências, para viver nessa comunidade há que se conseguir a aprovação do grupo que viverá diretamente a seu lado. Segundo um dos moradores, quando alguém é escolhido, há comunicação para todos os moradores que podem vetar por qualquer motivo.

Leia também sobre Cloud housing - compartilhando casa de forma sustentável 

habitação comunitária multi geração
Atividades culturais no espaço de convivência com os moradores

As pessoas vão e vem, moradores se revezam. Hoje o grupo conta com 46 residências que abrigam 82 pessoas, entre elas uma família com um bebê que é o mais novo morador e uma senhora que é a mais velha. Eles fazem refeições conjuntas algumas vezes e se uma pessoa cozinha para todos, recebe por isso. Fazem festas conjuntas, fazem saraus culturais com música, literatura, exposição de fotos. 
 

Sabe aquela história que já foi cantada em versos: 
A gente não quer só comida
A gente quer comida, diversão e arte (Titãs)
habitação comunitária multi geração
Viver em grupo
Pois é, esse é um exemplo de proposta que vem ajudando pessoas a fazer a sua vida com mais. Mais compartilhamento, mais convivência, mais maneiras inteligentes de conviver com diferenças e chegar a um meio termo. Um exemplo a ser estudado. E imitado.   

Quantas vezes deixamos de nos fazer essa pergunta nas nossas convivências diárias: Mesmo sendo contra, poderia viver com isto?

Postagem que surgiu de uma conversa com Arq. Wagner Gonzales

Fotos : Dhyan Wisselo

Uma TV local fez uma reportagem sobre o grupo que pode ser vista no vídeo abaixo, assinale a opção de legendas em português no canto direito abaixo no vídeo. 

Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f