Pular para o conteúdo principal

Criação e liberdade - arquitetura e música da URSS

Centro Druzhba de Recreação e Recuperação - Yalta, Ucrânia
Centro Druzhba de Recreação e Recuperação - Yalta, Ucrânia
Sempre que penso na Arquitetura da União Soviética imagino construções pesadas e formalmente direcionadas aos ideias revolucionários. Embora os russos e outros povos da antiga URSS tenham trabalhos admiráveis em criatividade, como os mostrados nas igrejas russas de madeira, as obras pós revolução comunista nunca me chamaram a atenção. 

Sim, confesso aqui que não tenho uma visão crítica estruturada e embasada em um estudo mais profundo. Não gosto do caráter monumental da produção arquitetônica da época e sempre questionei o engessamento da criação. 
Embaixada da URSS em Cuba. Imagem © Flickr CC User Manuel Castro
Embaixada da URSS em Cuba. Imagem © Flickr CC User Manuel Castro
Fui fazer uma rápida pesquisa e achei alguns artigos, um dos quais, faz um resumo sobre a cultura russa que reproduzo abaixo:

No livro de Vladímir Papérni “Cultura dois” (Architecture in the Age of Stálin: Culture Two Cambridge University Press, 2002) é narrada uma concepção atraente do desenvolvimento da vida cultural na Rússia. De acordo com esse livro, podem-se identificar dois períodos da cultura russa, que se revezam a cada 20 ou 30 anos. A “cultura 1” está ligada à época revolucionária e à “introdução” de novos estilos, a “cultura 2” expressa-se na volta às tradições e ao engessamento das tendências existentes.

Paperni mostra a diferença entre esses dois períodos da cultura russa com o exemplo da arquitetura como a arte mais concreta. Assim, o autor liga a arquitetura dos anos 20 (a Torre de Shukhov, a Casa de Melnikov) –provocativa e inovadora– ao período da “cultura 1” e as construções dos anos 30 aos anos 50 (o Hotel Moscou, os prédios altos de Stálin etc.) –mais estritos e impressionantes– “ao período da cultura 2”.(fonte)
Então é obvio que uma opinião mais crítica deve abranger um estudo maior sobre o estado da arte da produção arquitetônica soviética nó século XX. Na verdade o que vou falar aqui é algo que eu tenho refletido e que hoje, no almoço cultural que fui no Studio Clio, se fez mais presente: a criação e a liberdade.  
Arthur Torelly Franco - Studio Clio

O almoço era sobre as dificuldades de "ser um artista num estado totalitário" falando sobre o compositor Dmitri Shostakovich, premiado e criticado, considerado um dos maiores nomes da música erudita do século XX. Quem nos brindou com a palestra foi o pesquisador Arthur Torelly Franco.

Studio Clio
Eu tenho plena convicção que a arte existe para nos aproximar de nosso lado humano, para gerar inquietações, nos fazer sentir, nos fazer pensar. Não consigo conceber um artista sofrendo qualquer tipo de censura ou tendo a sua criatividade tolhida ou direcionada. E quando falo em qualquer me refiro às políticas, religiosas, econômicas, sociais.

Stalin, McCarthy, D.Solange, são tristes exemplos de cerceamento do pensamento livre. A tal história do pensamento único que não existe apenas nas ditaduras declaradas, mas no senso comum vendido pelos meios de comunicação como sendo o certo. 

Não é a toa que o artista vem para romper padrões. Não é a toa que muitos deles tenham vivido na mais negra miséria nas suas vidas e depois de séculos seus quadros e obras façam milionários. Arte é rica. Mas vale mais que dinheiro. Muito mais. Talvez por isso nos motive tanto.   
Studio Clio - cardápio

Gastronomia da chef Carine Tigre

Entrada

Shchi (sopa de repolho, batata e cogumelos)
Sopa

Prato principal

Frango a Kiev com purê de batata
Frango a Kiev

Sobremesa 

Charlotte de pêssegos
Charlotte de pêssegos
Fotos: Elenara Stein Leitão
Os deixo com a sinfonia que é considerada uma das mais belas de todos os tempos: a Sinfonia Nº 7, também chamada Leningrado, de Shostakovich. 

E uma curiosidade: uma das obras da produção arquitetônica russa depois do fim da união soviética.

a arquitetura pós-URSS fotos de Frank Herfort

   Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…