Pular para o conteúdo principal

A gente quer comida e cultura - Descobrindo Riga

Esses dias estava lendo uma postagem do Alexandre Inagaki sobre os nomes de muitos blogs, um deles o da querida Sam Shiraishi, que se inspiraram em músicas. Hoje, no almoço cultural do Studio Clio, sobre Riga, a Capital Europeia da Cultura de 2012, me lembrei muito dessa música dos Titãs: 
A gente não quer só comida
A gente quer bebida, diversão, balé
A gente não quer só comida
A gente quer a vida como a vida quer

A gente quer muito mais da vida. A gente (muito eu isso) quer saber. Quer saber gostoso. Quer ligar a arquitetura com a vida que nela se encerra. Quer admirar um prédio, um estilo, uma cidade, mas sempre inserida no seu contexto mais amplo. Por mais bela que seja uma edificação, ela não existe por si só. Ela é resultado de uma história. E conhecer essa trajetória, por mais breve que seja esse tomar contato, sempre abre portas para a busca. E no final das contas, o que realmente importa é a BUSCA.

Por isso meu fascínio por aprender. E mais, meu fascínio por aprender com prazer. Tudo o que entra para nós estimulando os sentidos, permanece em nossas memória por mais tempo. Me lembro que aprendi a ler com histórias de teatro, com bonequinhos em um palco em sala de aula. Essa imagem me acompanha até hoje e ir ao colégio sempre foi associado a coisa boa. Aprender olhando, ouvindo, degustando, cheirando e tocando nos faz guardar muito mais as informações.

Talvez por isso o meu encantamento pelos almoços culturais. Me fascina viajar na viagem de outro. Lógico que me encanta mais viajar na minha, mas nem sempre isso é possível. Então esses momentos em que me deixo levar pelo encantamento de aprender e ao mesmo tempo degustar uma comida maravilhosa, acompanhada de um vinho incrível e em excelente companhia, são para mim portas de entrada de um mundo de descobertas.

Eu não sabia nada de Riga. Talvez quando muito tivesse ouvido falar no seu nome. Mas não sabia que era uma cidade cosmopolita, embora pequena (cerca de 800.000 habitantes), cheia de cultura, com uma economia pujante e com uma história que remonta à idade média (1200 DC).

Não sabia, por exemplo, que ela reúne um dos maiores acervos em Art Noveau do mundo, com uma profusão de prédios muito bonitos. Passear pela sua história, pelo seu povo, pelas suas canções e ruas me fez sentir mais plena daquilo que torna a gente mais inteiro: conhecimento.

Abaixo um pouco de sua arquitetura. Sugiro uma pesquisa nos links que coloquei abaixo e depois um aprofundamento de onde foram tirados. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fotos -  Rigar - Latvia e Riga Architecture

O almoço sobre Riga teve palestra de Tiago Halewicz e gastronomia da chef Carine Tigre.

Cardápio 


Entrada

Pão de centeio com creme de queijo e sardinha condimentada


Prato principal
Ragu de carne com ervilhas, bacon e batatas


Sobremesa
Alexander Tarte (massa folhada com chantilly e frutas vermelhas)



Outros eventos com gastronomia cultural AQUI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n

Bairro flutuante e sustentável na Holanda

Que tal morar em um bairro sustentável e sobre as águas? Já existe em Amsterdã, na Holanda, um bairro assim, criado pelos seus habitantes. Seu nome é  Schoonschip - o termo holandês para “navio limpo”. Um projeto ainda pequeno, 46 casas autossuficientes em 30 arcas flutuantes.  As residências são aquecidas por painéis solares e bombas de calor, possuem telhado verde e logo as águas residuais dos banheiros será aproveitada em energia. O escritório  Space & Matter  foi contratado para desenvolver o plano urbano para o bairro sobre as águas.  Desenvolveram um projeto comunitário de comunidade inteligente circular que resultou nas 30 arcas que ligam as casas ao bairro com todas as infraestruturas técnicas necessárias para o funcionamento da comunidade.  Os moradores fizeram as casas com os arquitetos de suas preferências.  Além do planejamento urbano, Schoonschip é também sustentável no aspecto social: seus moradores atuam em comunidade para melhorar e coordenar seu bairro. Compartilh