Pular para o conteúdo principal

Bicicletas e Natal = saúde

Esses dias vi uma reportagem sobre árvores de Natal de acordo com os signos e uma das que mais me chamou a atenção foi a de Sagitário, uma bicicleta toda enfeitada de luzes! E ela remetia ao desejo viajante que é atribuído aos que nascem nesse signo. E não apenas à eles, sejamos francos.

E me pus a pensar se haveriam mais referências entre bicicletas (bikes) e Natal. E encontrei alguns exemplos bem interessantes.

Essa imensa árvore em um shopping usando dezenas de bikes criou um efeito bem bacana.
Uma  árvore usando 35 bikes recicladas foi feita em Bermondsey Square, em Londres, num Natal desses. 
Londres
E o mesmo conceito foi usado em Sydney, usando uma centena de bikes recicladas. Foi chamada de "Tree-Cycle" e o efeito de árvore de Natal foi conseguida com a pintura em cor verde de certas estruturas das bicicletas. Além de ser um exemplo de reciclagem, essas árvores passam uma mensagem sobre como se locomover.

Sydney
Fiquei pensando nisso porque vejo como o hábito de se locomover de bicicletas aos poucos vai se tornando mais frequente em Porto Alegre, cidade onde vivo. E uma cidade com poucas opções de ciclovias ainda. Muitos anos atrás foi feita uma tentativa e  um caminho foi pintado nas ruas. Mas, infelizmente, foi pouco respeitado pelos motoristas de carros. Agora, com mais consciência, vejo vários amigos que já usam suas bikes como forma de deslocamento urbano, inclusive para o trabalho. E já vejo também homens de terno e capacete no meio do trânsito. Sinal salutar para mim.

Fonte
Ainda há que enfrentar alguns preconceitos. Voltando de taxi do médico de minha mãe, passamos por uma rua de alto trafego onde está sendo pintada uma via para ciclovia. Imediatamente o taxista, muito simpático, por sinal, resmungou a velha ladainha de: "já temos poucas vias, isso só vai atrapalhar o trânsito, com tanta coisa para resolver, vão se preocupar em pintar faixa -e nos tirar espaço".     
Era a hora de ponderar. E foi o que fiz, falando da necessidade de políticas de mobilidade urbana, mas de um jeito que ele pudesse entender e ver que também lhe traria vantagens: ou seja, há que se oferecer alternativas para o transporte individual. Mais: há que se colocar obstáculos ao transporte individual. Ele é caro, ele é poluente, ele ocupa muito espaço, ele não é tão saudável como andar a pé ou pedalar. E óbvio que sobra mais gente para andar de táxi também.   

Fonte
E aí eu chego em casa e leio que os impostos das bikes acabam sendo mais caros que os dos carros, favorecidos por isenções, feitas justamente para favorecer empregos na indústria automobilística e que acaba gerando essa distorção. E uma nota no fim do texto que me fez ficar ainda mais preocupada.  

"A nossa maior preocupação é justamente nas bicicletas infantis, que custam cerca de R$ 300. Nessa faixa temos uma forte concorrência com o eletrônico. Hoje o sonho de Natal das crianças não é mais a bike, é um tablet, e isso gera problemas de saúde para esta geração." Fonte


Ou seja, ao invés de querer aquela marca de bicicleta de Natal, a gurizada está pedindo eletrônicos que as vão fazer ficar mais sedentárias, menos gregárias na vida real e podem agravar os já previstos futuros problemas de saúde toda uma geração, que podem inclusive diminuir a longevidade conquistada com os avanços da ciência. 

Assim se você se perguntou o que tinha a ver Natal e bicicletas, saiba que essa relação vai além de presentes ou decorações de Natal. É uma reflexão sobre como estamos contribuindo, ou não, para que esse planeta realmente se torne um lugar melhor para viver, essa mensagem manjada que tanto usamos nessa época do ano. Você não anda de bike? Eu também não. Então faça como eu, ande menos de carro, respeite o espaço da bicicleta, não esbraveje se houver mais ciclovias. Elas fazem parte de um futuro melhor. São um investimento da cidade nas pessoas, seja favorecendo que fiquem mais saudáveis pedalando, seja contribuindo para haver menos poluição. 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Arquitetando o nosso dia e relembrando Niemeyer

  Arquitetura é uma voragem que seduz quem nela mergulha em seus mistérios e criações. Mais que uma profissão, para muitos, é mergulho em algo tão diferente que poderia se chamar de paixão. Talvez pensamentos de gente que cresceu em outras eras, onde a poesia ainda se misturava ao afazer arquitetônico. Não importa, sejamos mais comerciantes ou mais poetas, o arquitetar espaços para as pessoas e sociedades é um exercício particular muito bonito. E enriquecedor. E falar de arquitetura no Brasil em citar Oscar Niemeyer é meio impossível. Seja para falar a favor ou contra. O dia de seu aniversário fica marcado como o dia do Arquiteto e Urbanista .  Da estudante de 17 anos que andava pelos corredores do minhocão, como eram chamados os prédios curvos da UnB à arquiteta que ora vos escreve, em plena pandemia, muitas transformações.   Eu era daquelas que traçavam tratados contra o arquiteto famoso que era ,para mim, mais escultor que arquiteto. Tinha a empáfia dos mais jovens enquanto vivia mo