MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Museu Fryderyc Chopin - interatividade em prédio histórico

Hoje participei do almoço Clio onde o pianista Tiago Halewicz nos contou sobre sua experiência ao visitar um dos mais interessantes museus de Varsóvia que foi reinaugurado em 2010 nas comemorações do  bicentenário de Fryderyk Chopin. A gastronomia ficou a cargo dos chefs Leonardo Magni e Liliana Andriola.
Cardápio

Entrada
Fios de repolho com cenoura caramelada, creme azedo e caviar

Prato principal
Mil folhas de pato e cogumelos ao perfume de mangerona e molho de natas

Sobremesa
Torta de queijo fresco com calda de frutas vermelhas

Enquanto degustávamos esse excelente menu fomos brindados com uma visita a um museu, ultramoderno em termos de interatividade, localizado em um palácio. O antigo palacete Ostrogski foi reformado por um escritório de arquitetura italiano  e recebeu uma série de equipamentos audiovisuais que o tornam acessível a todas as faixas etárias e tipos de público.
É possível fazer uma viagem pelo mundo do compositor de maneira autônoma e de acordo com o interesse do visitante. Um cartão inteligente serve como ingresso e chave para imensas possibilidades visuais e sonoras
Graças a diversos monitores, projetores e caixas de som, "o visitante pode seguir um itinerário adaptado aos seus próprios interesses e capacidades de percepção", explicou à AFP a curadora do museu, Alicja Knast.
O visitante ativa diferentes elementos da exposição graças a um mapa inteligente que serve como ingresso e chave, abrindo as paisagens visuais e sonoras a sua escolha. As crianças tem sala especial munida com telas táteis.
O site do museu é www.chopin.museum.
Fonte




Eu fiquei particularmente fascinada pelas possibilidades de interação que a intervenção arquitetônica proporcionou. Salas abrem possibilidades ao contato do cartão entrada, mostram vídeos, apresentações sobre vidros onde sombras tocam piano, e permitem que essas informações sejam armazenadas para que numa posterior visita se saiba o que já se viu.

Fonte

Comentários

  1. an?????? nada entendi... me desculpe, mas há coisas que nos fogem de nossa realidade. Isso é fato? conte-me com suas palavras.

    ResponderExcluir
  2. Eu não vi ao vivo, mas o palestrante sim. E o que mostrou e contou também me deixou sem fala. Queria um museu assim aqui. Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros