Pular para o conteúdo principal

Moradia amiga do idoso - reflexões

Quando pensamos em moradias adaptadas aos idosos, logo imaginamos em projetar questões de segurança e acessibilidade. Idosos geralmente se tornam mais vulneráveis aos acidentes domésticos e às chamadas barreiras arquitetônicas (degraus, portas estreitas, pouca iluminação, pisos escorregadios, tapetes e quinas, por exemplo) que podem resultar em lesões, algumas de maior gravidade e de risco à saúde e à vida.

Já falei sobre isso em casas acessíveis para idosos onde relato minhas experiências de convívio com meus pais idosos (meu pai ainda era vivo na ocasião) e nas adaptações que tive que fazer em casa para ajudá-los. E também já tinha falado sobre como prevenir riscos de quedas em ambientes (e as quedas são um potencial fator de riscos em idosos).




Atualmente ganha espaço o pensamento de moradias compartilhadas ou condomínios conjuntos, os chamados Co-lares ou Co-Housing. Vejo vários grupos de amigos namorando a ideia de construir locais onde possam compartilhar com amigos seus anos de maturidade. A ideia, me parece, vem do receio de muitos de serem "pesados" ou um problema na vida de suas famílias. E também de fugir do padrão dos asilos atuais, alguns mais conhecidos como depósito de velhos em suas mentes. Eu mesma, que já cheguei aos 60 anos, começo a me preocupar com a perspectiva de morar só, e de como lidar com isso.

Já falei de alguns desses modelos de moradia que estão sendo feitos pelo mundo: alguns projetados especialmente para pessoas com algum tipo de demência, mal infelizmente comum nos idosos, como este exemplo na Holanda que descrevi AQUI. A ideia que norteou o projeto foi de que as pessoas pudessem gozar de uma certa autonomia e a comunidade funciona como uma pequena vila onde as pessoas possam viver de maneira quase normal. Esta ideia nasceu de experiências práticas de cuidadores de idosos.

Há os que já estejam colocando em prática as comunidades entre amigos, como falei nessa postagem sobre uma comunidade sustentável que um grupo construiu no Texas, já pensando no seu futuro. E AQUI notícias de condomínios, repúblicas e vilas já existentes no Brasil.

Mas essas soluções carregam em si um senão: são segregadoras. Tratam a questão velhice como um problema. Foi em uma conversa informal pela internet que debatendo sobre um texto sobre como Portugal investe em alternativas para cuidar da população idosa, que um amigo bem resumiu a questão:

...o texto começa dizendo que "mais da metade dos portugueses afirma que o envelhecimento está entre os maiores problemas do país". Ora, se envelhecimento é problema, morte prematura deve ser solução! O problema está na qualidade de vida do idoso, e não no fato dele estar vivo! Oscar Muller
Talvez o correto seria dizer que lidar com o envelhecimento de forma mais digna tem sido um desafio para as sociedades. Mas a estrutura como as soluções tem sido pensadas, já revela um ato falho: velho é visto como problema na sociedade.

Basta olharmos muitas sociedades que valorizam o velho como fonte de sabedoria para vermos como isso muda em significado e qualidade de vida para eles. Há estudos antropológicos sobre as cidades da longevidade que podem ajudar a entender como funciona esse processo. 


Autonomia e respeito

Como então seria uma moradia amiga do idoso. No que seria diferente da moradia amiga de qualquer pessoa, seja criança ou adulto? 

Penso que a vida em habitações multi geração pode ser muito mais benéfica que a segregada por faixas etárias. Morar em cooperativas  ou em Cloud Housing, compartilhando a casa de forma sustentável podem ser alternativas que tornarão a qualidade de vida muito mais rica como experiência compartilhada.

Mas há também outros valores que são importantes e que o colega Jorge Costa, um estudioso do tema, tão bem definiu em um debate de uma oficina sobre o assunto:
.

Quem convive com idosos, especialmente os mais vulneráveis, sabe o quanto a rotina e a familiaridade do ambiente é importante para que mantenham uma conexão com a atualidade. Para muitos é melhor viver em uma época dentro deles, em que mantinham sua autonomia e gozavam da companhia de seres amados que já não estão perto deles. Mesmo os filhos já cresceram e não mais dependem deles. Ao contrário, nossa cultura de fascínio pelo novo acaba por fazê-los obsoletos. 

O que dizer de seus espaços então?

Já falei sobre a importância de valorizar o passado para fazer o presente mais bonito e o reconhecer como fonte propulsora de vida. Entender a delicadeza das memórias e como elas funcionam na vida pratica pode fazer toda a diferença na ambientação de uma casa. Mesmo nas residências que precisem ser adaptadas para maior comodidade e/ou renovação, além da preocupação com a segurança e acessibilidade, já citadas no início do texto, é importante manter referências que os liguem à elas de maneira amorosa. Objetos de uso, moveis que possam ser reaproveitados, tecnologia amigável que eles possam aprender a utilizar (e a tecnologia não amigável já rende uma postagem). 

Não se trata de cristalizar os ambientes e não mudar nada. Se trata de mudar com carinho e atenção. E de unir referências que ilustrem suas histórias de vida em uma ponte entre o ontem e o hoje.

Porque linda vida está em valorizar o passado para poder fazer um presente ainda melhor e mais bonito. Elenara Stein Leitão


Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest
snapchat: arqsteinleitao


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …