Pular para o conteúdo principal

Pitágoras, O Zen e a criação

Meio que sem querer acabei comprando um livro do Ray Bradbury com crônicas sobre escrever. Essas coisas de ter facilitado a compra com um toque nesses sites de livros. Ainda bem que era um ebook e foi baratinho. Mas me fez parar e ler: O zen e a arte da escrita.

Bradbury é autor de um de meus livros prediletos: Crônicas Marcianas. Sempre gostei demais de ficção científica. Um dos artigos desse novo livro, comprado num impulso sem querer, fala de um conto onde havia um espaço cheio de telas onde se podia entrar e falar com Platão, por exemplo. 

Perfeito! O cara pensou nisso bem antes de qualquer computador como conhecemos hoje existir. Fiquei imaginando um aplicativo que fosse como um holodeck desses onde se pudesse passear pela Ágora grega e conversar com aqueles filósofos....
Fonte
Justo hoje quando tem gente que pensa que escola é lugar onde só se deve aprender e não debater. Onde falar em política, especialmente a partidária, em universidade é palavrão. 

E onde melhor lugar para se falar de tudo que em uma universidade? Que melhor escola que poder entrar em uma realidade paralela e voltar ao passado e interagir com Sócrates, Thales, Hipátia e Pitágoras?  

(Aliás, sobre esse obscurantismo que volta e meia acomete a humanidade em que o saber é reprimido em nome de outros valores recomendo o filme Ágora sobre a história da filosofa Hipátia. )  
Fonte

Falando em Pitágoras - e a gente sempre lembra do famoso teorema. Ele, ao contrário dos afluentes da margem direita e esquerda do Rio Amazonas, são daquelas coisas que a gente aprende e tira proveito. Pelo menos os que lidam com números.

Números eram paixões de Pitágoras. Me pego imaginando como aqueles gregos milhares de anos atrás olharam o universo e conceberam ideias e teoremas que ainda hoje usamos. Tá, tudo bem que a famosa democracia grega não era tão isonômica assim. Eles conviviam com escravos, as mulheres tinham uma liberdade até por aí, mas mesmo assim o que criaram em cultura e arquitetura nos fascina até hoje.

E porque esses gregos eram diferenciados? Talvez porque estudassem. Lessem. Viajassem. PENSASSEM. Vejam o tal do Pitágoras sobre quem sabemos de ouvir falar. Ele nasceu quase 600 anos antes de Cristo. Tinha lá a sua filosofia de vida e provavelmente uma condição financeira que lhe permitiu viajar muito. Parece que teve que se exilar em função de política. Não comia carnes, seguia preceitos morais de vida e para ele os números representavam a essência de tudo. Ou por outra, a essência poderia ser expressa por números.
Numerosas – e valiosas – foram as contribuições da Escola de Pitágoras no campo da Geometria. Assim, por exemplo, a demonstração de que a soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a dois ângulos retos, ou 180 graus. Também formularam a teoria das proporções e descobriram as médias aritmética, geométrica e harmônica. Foi ainda Pitágoras quem descobriu a construção geométrica dos cinco sólidos regulares, isto é, o tetraedro ou pirâmide de quatro lados, o octaedro, o dodecaedro e o icosaedro. A construção do dodecaedro requer a construção de um pentágono regular, também conhecida dos Pitagóricos, que usavam o Pentagrama ou Estrela Pentagonal ou Flamígera, como símbolo de reconhecimento entre os seus membros. (Fonte)
Já pensaram se conseguíssemos recriar essa atmosfera de tantos milênios atrás e fossemos capazes de bater papo com esses pensadores? Debater! Uma verdadeira escola de saber! Nada mais integrado ao sentido de existir que mergulhar no conhecimento e na possibilidade criativa da fantasia.


Sem sonhos impossíveis não há soluções possíveis. Ray Bradbury
Me sinto assim, meio que entrando numa realidade alternativa quando ouço uma palestra bem dada. Quase uma viagem ao passado. Sempre uma imersão no presente. Sempre uma abertura ao futuro. 

A função do  aprender. A possibilidade do debater. 

O que motivou essa postagem? Um almoço Clio com palestra do professor Doutor Francisco Marshall sobre Pitágoras.
Músico, místico, matemático, reformador, visionário, Pitágoras foi pivô de várias revoluções na história da cultura. Natural de Samos, radicou-se em Crotona, na Magna Grécia, onde fundou uma comunidade alternativa. 


Gastronomia da chef Carine Tigre

Entrada

"Samos" Khoriatiki salata (salada camponesa grega)
 Principal

"Crotone" (nhoque de grão de bico com ragu de cogumelos)
 Sobremesa

"Teorema" (triângulo retângulo de sêmola com frutas maceradas em vinho moscatel)
Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi