Pular para o conteúdo principal

Pitágoras, O Zen e a criação

Meio que sem querer acabei comprando um livro do Ray Bradbury com crônicas sobre escrever. Essas coisas de ter facilitado a compra com um toque nesses sites de livros. Ainda bem que era um ebook e foi baratinho. Mas me fez parar e ler: O zen e a arte da escrita.

Bradbury é autor de um de meus livros prediletos: Crônicas Marcianas. Sempre gostei demais de ficção científica. Um dos artigos desse novo livro, comprado num impulso sem querer, fala de um conto onde havia um espaço cheio de telas onde se podia entrar e falar com Platão, por exemplo. 

Perfeito! O cara pensou nisso bem antes de qualquer computador como conhecemos hoje existir. Fiquei imaginando um aplicativo que fosse como um holodeck desses onde se pudesse passear pela Ágora grega e conversar com aqueles filósofos....
Fonte
Justo hoje quando tem gente que pensa que escola é lugar onde só se deve aprender e não debater. Onde falar em política, especialmente a partidária, em universidade é palavrão. 

E onde melhor lugar para se falar de tudo que em uma universidade? Que melhor escola que poder entrar em uma realidade paralela e voltar ao passado e interagir com Sócrates, Thales, Hipátia e Pitágoras?  

(Aliás, sobre esse obscurantismo que volta e meia acomete a humanidade em que o saber é reprimido em nome de outros valores recomendo o filme Ágora sobre a história da filosofa Hipátia. )  
Fonte

Falando em Pitágoras - e a gente sempre lembra do famoso teorema. Ele, ao contrário dos afluentes da margem direita e esquerda do Rio Amazonas, são daquelas coisas que a gente aprende e tira proveito. Pelo menos os que lidam com números.

Números eram paixões de Pitágoras. Me pego imaginando como aqueles gregos milhares de anos atrás olharam o universo e conceberam ideias e teoremas que ainda hoje usamos. Tá, tudo bem que a famosa democracia grega não era tão isonômica assim. Eles conviviam com escravos, as mulheres tinham uma liberdade até por aí, mas mesmo assim o que criaram em cultura e arquitetura nos fascina até hoje.

E porque esses gregos eram diferenciados? Talvez porque estudassem. Lessem. Viajassem. PENSASSEM. Vejam o tal do Pitágoras sobre quem sabemos de ouvir falar. Ele nasceu quase 600 anos antes de Cristo. Tinha lá a sua filosofia de vida e provavelmente uma condição financeira que lhe permitiu viajar muito. Parece que teve que se exilar em função de política. Não comia carnes, seguia preceitos morais de vida e para ele os números representavam a essência de tudo. Ou por outra, a essência poderia ser expressa por números.
Numerosas – e valiosas – foram as contribuições da Escola de Pitágoras no campo da Geometria. Assim, por exemplo, a demonstração de que a soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a dois ângulos retos, ou 180 graus. Também formularam a teoria das proporções e descobriram as médias aritmética, geométrica e harmônica. Foi ainda Pitágoras quem descobriu a construção geométrica dos cinco sólidos regulares, isto é, o tetraedro ou pirâmide de quatro lados, o octaedro, o dodecaedro e o icosaedro. A construção do dodecaedro requer a construção de um pentágono regular, também conhecida dos Pitagóricos, que usavam o Pentagrama ou Estrela Pentagonal ou Flamígera, como símbolo de reconhecimento entre os seus membros. (Fonte)
Já pensaram se conseguíssemos recriar essa atmosfera de tantos milênios atrás e fossemos capazes de bater papo com esses pensadores? Debater! Uma verdadeira escola de saber! Nada mais integrado ao sentido de existir que mergulhar no conhecimento e na possibilidade criativa da fantasia.


Sem sonhos impossíveis não há soluções possíveis. Ray Bradbury
Me sinto assim, meio que entrando numa realidade alternativa quando ouço uma palestra bem dada. Quase uma viagem ao passado. Sempre uma imersão no presente. Sempre uma abertura ao futuro. 

A função do  aprender. A possibilidade do debater. 

O que motivou essa postagem? Um almoço Clio com palestra do professor Doutor Francisco Marshall sobre Pitágoras.
Músico, místico, matemático, reformador, visionário, Pitágoras foi pivô de várias revoluções na história da cultura. Natural de Samos, radicou-se em Crotona, na Magna Grécia, onde fundou uma comunidade alternativa. 


Gastronomia da chef Carine Tigre

Entrada

"Samos" Khoriatiki salata (salada camponesa grega)
 Principal

"Crotone" (nhoque de grão de bico com ragu de cogumelos)
 Sobremesa

"Teorema" (triângulo retângulo de sêmola com frutas maceradas em vinho moscatel)
Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …