Pular para o conteúdo principal

Espaços escolares para novos tempos

Como seriam espaços escolares para nossos novos tempos de tantas transformações? Sou do tempo das carteiras todas arrumadinhas e o professor - detentor de todo o conhecimento - lá no seu posto da frente. As vezes até com um tablado para a sua mesa. Mas e hoje? Com tanta conexão, com tanta informação, com alunos permanentemente conectados e muitas vezes conhecendo mais que seus mestres em algumas matérias...Fui pesquisar alguns espaços escolares mais modernos para ver se a arquitetura escola está também se modernizando.
Conectar personas con personas.
Generar espacios para estimular y favorecer la conexión, intercambio y colaboración entre las personas [ofrecer espacios de transferencia de conocimiento, Impulsar comunidades de intercambio profesional].
Conectar pessoas com pessoas. Gerar espaços para fortalecer essa conexão, compartilhamento e colaboração entre as pessoas. Estas duas frases fixaram minha atenção em um texto que falava sobre a Arquitetura da Aprendizagem - dica do amigo José Antonio Klaes Roig, do excelente blog Educa Tube.


Existem alguns exemplos interessantes que resolvi destacar aqui.

Fonte
Espaços multifuncionais claros, com materiais acústicos e mobiliário colorido e que favorece o encontro é o que oferece a Vittra escola Brotorp em Estocolmo. de Rosan Bosch Estúdio. O projeto é parte integrante dos métodos pedagógicos adotados na escola, onde os espaços de aprendizagem flexíveis mesclam locais para encontro e pequenos nichos para concentração e contemplação. 


Construção de Casis Elementary School. Foto por Baldridge Architects
Uma sala de aula ao ar livre para o ensino de matérias ligadas à natureza. Outro exemplo parecido pode ser encontrado em uma pré escola que ensina a plantar os alimentos. Gosto desse tipo de proposta que une a chamada vida real com o ensino, tirando da escola a ideia de um local de teoria mais que de prática. O aprender em um local mais aberto e conectado com o verde e a vida me lembra as antigas praças onde os velhos mestres debatiam seus ensinamentos.
Fonte
Um desafio da Architecture for Humanity para que profissionais projetassem uma "sala de aula do futuro" teve como um dos oito finalistas este projeto de Feilden Clegg Bradley Studios para Ruanda onde a "paisagem montanhosa torna difícil e caro criar e expandir as salas de aula locais". O conceito são espaços que possam ser reaproveitados para usos multiplos em um sistema de construção em encostas. 
Fonte
Proporcionar equipamentos e mobiliário não apenas para o aprendizado em sala de aula, mas também criar locais de imersão ou descanso para leitura, navegação ou simplesmente meditação.
Fonte
Populações mais carentes necessitam não apenas espaços mais qualificados. Muitos precisam é de algum espaço onde aprender. Esta escola primária na Cidade do Cabo na Africa do Sul, a Vissershok Primary School é "uma escola rural dedicada aos filhos de trabalhadores rurais e comunidades carentes". Aproveitar contêineres fazendo com que estes tenham condições de salubridade para o ensino pode ser uma solução econômica e viável para áreas mais pobres.
Fonte
Mobiliário. Uma simples mudança de concepção já permite que as aulas privilegiem debates entre pequenos grupos ao invés de uma aula simplesmente expositiva. Tive a oportunidade de estudar em uma escola secundária, projetada por Éolo Maia, que me proporcionou este tipo de experiência e realmente faz muita diferença.

Uma escola para estimular a criatividade
Fonte
Acústica, iluminação, materiais que não sejam tão duros, uma arquitetura que contemple as especificidades locais, tudo isso é ressaltado no vídeo abaixo, onde a Professora da Unicamp Doris Kowaltowski fala sobre Arquitetura Escolar na TV Univesp SD. 




Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi