Pular para o conteúdo principal

Vamos reconquistar as cidades para nós?

Os prédios se tornam verdadeiros suportes literários e,
 diante deles, me reconheço analfabeto.

Luis Henrique Pellanda
A leitura das cidades. Ela me fascina.Não, não falo das leis, planejamentos, códigos e tantos montões de coisas que os urbanistas criaram para tentar resolver e planificar o modo "urbanus" que criamos para nós.

E sim...."o que não tem sossego, nem nunca terá" também se traduz em nossas ruas, bairros, bolsões de misérias e luxos, caldeirões de vida e emoções.

Cidades são feitas de pessoas

E como tal, são totalmente imprevisíveis. Se não fora assim, seriam absolutamente chatas. Morreriam. Tal qual nós, seres humanos, que precisamos de desafios e crescimento.

Como então compreender esse caos urbano e transformá-lo em algo legível, um grande e fascinante romance? Gostaria de saber. Não. Não vou falar de rumos do urbanismo. Vou apenas falar de inquietações de uma arquiteta que mora em uma cidade razoavelmente grande e adoravelmente pequena e quer vê-la cada dia melhor. 

Minha cidade carece planejamento. Urgente. Já perdeu tempo demais. Precisa de um foco e uma visão de futuro. Para isso servem os planos. Para traçar rumos.

Queremos ser o que? Uma cidade onde se consiga andar? Seja de que meio for? Quais os potenciais econômicos? Hoje, daqui a uma vintena de anos....Queremos ter mega arranha-céus? Queremos que tipo de "qualidade de vida"? Queremos o que de nossas ruas?

Minha rua. É passagem. Não costuma ter um trânsito de pessoas circulando depois de algumas horas. Isso propicia insegurança também. Nesse fim de ano, comerciantes de duas lojas se uniram e fizeram um bazar na rua. Simples assim. Bonito assim. Acho que venderam mais. Tinha muita gente circulando. Tinha até show de tango, bem informal. Isso fez um bem para mim. Me senti como se tivesse voltado ao tempo das cadeiras na rua, onde os vizinhos se conheciam e a vida parecia mais calma. Esse sentimento de pertencimento não tem preço.

Vejo várias ruas se unindo e fazendo encontros de vizinhança. Trocas. 

Cidades são feitas de trocas. Não há sentido que virem depósitos de pessoas.

Cidades precisam de verde, de ruas que as preservem como a minha vizinha Gonçalo de Carvalho, a "rua mais bonita do mundo". Muitas pessoas estranham, acham que a beleza é só estética. Não. Ela mereceu ser chamada assim porque seus moradores se preocupam com ela, a defendem, tomam conta. Cuidam. 

Quem sabe se, seguindo esse exemplo, podemos ter várias ruas mais belas do mundo em cada cidade? Elas atraem turistas. Elas também são fonte de renda.

Ah! Economia tem a ver sim com cuidado, carinho e amor. Números não são tão frios afinal. O que vende é o que transmite verdade. Ou por outra, o que continua vendendo é o que é bem feito e trata bem seus clientes.

Com uma cidade não é diferente.

Uma cidade começa pelos seus prédios. Deles não sejamos analfabetos. São nossas casas. 

Uma cidade começa pelas nossas ruas. Nossas calçadas. Elas afetam nossa segurança de ir e vir. Essa semana uma ambulância levou minha mãe para internação. Passamos por tantos buracos que ela chegava a quase ser jogada da maca. Imagina, como disse o enfermeiro junto, o que acontece com pacientes bem graves, que estão em risco de morte? Pode significar o limite. Os buracos da rua.

Soluções? Várias. Não sou uma expert em urbanismo. Não é minha área e não me arriscaria a palpitar tecnicamente sobre elas. Mas não é preciso ser profissional da área para perceber que planejar vai além de meros números. Planejar é perceber vocações antes que elas apareçam. É trabalhar entre o que é urgente e resolver. E o que é desejável e traçar rotas. Mesmo que precisem ser corrigidas.

E trazer as pessoas de volta às ruas. Sem medo. A qualquer hora. Para dançar tango, para transitar, para bater papo, para dar um bom dia a estranhos.

Urge que reconquistemos as cidades para nós.  

Gostou? Tem alguma sugestão? Comenta e conta para a gente a sua opinião.
Nos siga também nas redes sociais 

Comentários

  1. Procuro algo que venha atrair minha atenção.dizia um escrito popular no estado do Ceará chamado de Luiz pensador,que desejava ser invadido por qualquer coisa que viesse lhe prender ao prazer de se sentir bem,andar nas ruas,curtir o banco da praça a sombra de árvores frondosas,a satisfação de dar um bom dia ,tem tirado esse prazer. Bom dia meus queridos

    ResponderExcluir
  2. Bem assim, esse sentir gostoso que nos faz pertencer ao lugar....Abraços Sebastião, obrigada pelo comentário!
    Elenara

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi