Publicidade

Postagem em destaque

10 Lições que aprendi na faculdade de Arquitetura

Recebo algumas correspondências falando de como os leitores gostaram dessa ou de outra postagem aqui do blog. E sempre fico super feliz! É ...

2012/08/06

MOBILIDADE DIGITAL UMA IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS CIDADES E OS CIDADÃOS!

Texto de Willian Fagiolo

Fonte
O objetivo deste texto é dar seqüência ao que venho titulando de um Novo Modelo de Gestão de Cidades e, portanto, adicionando a essa questão os novos conceitos de Cidades Digitais ou Ciber Cidades (Cyber City, Digital City, Village Virtual, Telecity etc.), buscando entender suas principais características e peculiaridades. Uma visão de um futuro imediato.

Como já disse, cidades são artefatos criados pelos homens, no tempo e no espaço, na organização da vida em comum. Alguns arquitetos, teóricos especialistas no assunto, propõem três modelos para descrever as cidades: 

  1. Cidade Cósmica;  serve para descrever aquelas cidades cujos traçados são representações de rituais e crenças (exemplos podem ser encontrados em cidades da Índia, China e Roma antigas, mas também em cidades contemporâneas como Washington DC, Brasília e Camberra).
  2. Cidade Prática; é o da cidade inaugurada e imaginada como uma máquina de habitar, como uma máquina do comércio. São cidades que crescem em função de seu desenvolvimento material, sendo um exemplo as cidades americanas, como NY, com seus traçados geométricos.
  3. Cidade Orgânica.  é aquele em que a cidade é considerada um corpo, um sistema formando um todo equilibrado e indivisível, onde seus traçados parecem mais naturais do que construídos, como Londres e Paris
Esta tipologia não é excludente e outros arquitetos propõem também um quarto modelo:
A cidade do Automóvel (projetada para carros e caminhões).
Esta seria uma nova modalidade da Cidade Orgânica que, com suas autopistas, parece dar vazão ao fluxo (transporte e comunicação) deste organismo. É interessante notar que a idéia de rede e de organismo foi proposta já no século 19. Naquele tempo já tratavam as cidades como uma forma de organismo, construídas através de dois tipos de redes:

  • A Rede Material (energia e matérias primas) ; 
  • A Rede Espiritual.
A idéia de cidade como organismo, composto por redes, será importante para a compreensão sociológica da questão urbana. Foi Max Weber (1864 - 1930), um mestre moderno não só de pensamento e cultura mas também de atitudes e ação política, quem pensou a cidade como uma localidade. A cidade não pode ser apreendida, segundo o sociólogo alemão, por características puramente quantitativas. Devemos pensá-la como uma localidade, independente de tamanho. Para Weber, do ponto de vista econômico, a cidade seria definida como uma aglomeração na qual a maioria dos habitantes vive do comércio e da indústria e não mais da agricultura. A cidade é uma aglomeração em uma localidade onde o mercado tem um papel importante mas não determinante, pois a cidade é fruto de dinâmicas que compõem a vida cotidiana, estando além da relação comercial.
Outros autores exploraram as estruturas da vida cotidiana identificando três momentos históricos de configuração das cidades:
  • Cidade Aberta;
  • Cidade Fechada;
  • Cidade Dominada. 
As cidades antigas de Roma e da Grécia eram cidades abertas, cidades sem muro, onde a linha que separava uma cidade de um país não era muito definida. Estas cidades foram substituídas pelas cidades fechadas dos burgos medievais, cidades muradas, limitadas e protegidas dos inimigos externos. É no século 16 que surgem as cidades dominadas, cidades européias que começavam a perder sua independência e ficar sob o julgo das aristocracias européias.
Mas é na virada do século 19 para o século 20 que surgem as cidades modernas, mais próximas do paradigma das cidades fechadas. A cidade industrial é fechada no sentido físico e político-econômico. Já a cidade pós-industrial, cidade de fluxos globalizados, significando abertura ao mundo, estaria, assim, mais próxima das cidades abertas da Antiguidade. Este é o caso das Ciber Cidades.
Cyber City
A sociedade urbana deve ser colocada em perspectiva, porém projetada hoje em sua forma industrial e pós-industrial.
Como definir o espaço urbano cibernético?
Por mais que a urbanização seja planetária, nenhum lugar é idêntico ao outro enquanto prática. Deve-se, assim, colocar a ênfase mais nas práticas do que na pura e simples arquitetura da informação e sua interface. Obviamente que estas devem ser pensadas para proporcionar espaços de apropriação criativa por parte dos usuários, sob a pena de reproduzir apenas uma visão institucionalizada e asseptizada das cidades. No fundo, o ciberespaço pode proporcionar uma das características mais fundamentais de vida de uma cidade, a saber, a possibilidade de anulação das distâncias entre os ocupantes, mesmo que seja a anulação da distância simbólica, pela comunicação sob forma digital.
Esta é a nova utopia do espaço urbano:
A superação do fechado e do aberto, do imediato e do mediato, da ordem próxima e da ordem distante, em uma realidade diferencial na qual esses termos não se separam mais, mas mudam em diferenças imanentes.
A rua é o teatro da cidade, mesmo que, por outro lado, haja encontro e anonimato ao mesmo tempo.
A rua é o fator de vida de uma cidade.
A Cidade e as Ciber Cidades devem ser vistas como formas espaço-temporal que se constroem pelo movimento: TRANSPORTE E COMUNICAÇÃO.
No processo de virtualização das cidades, deve acontecer, para que as Ciber Cidades possam ser assim chamadas, formas de transporte e comunicação, onde os percursos de pessoas pelo espaço informativo, a partir de trocas comunicacionais, possam se inserir em trocas de informação entre elas. Cidade e circuitos eletrônicos mantêm assim uma analogia que vai além da mera metáfora: ambas fazem circular (transporte) informação pelos mapeamentos de objetos e instrumentos provocando situações de comunicação. Como ao abrir-se um rádio transistor para mudar suas pilhas e deparar-se com um circuito gravado. Os aglomerados de casas e ruas, vistos deste ângulo, surgem agora com uma clareza inesperada e surpreendente, como os circuitos no cartão, na TV, no rádio, no computador etc.
O que está em jogo com as Ciber Cidades é o intuito de lutar contra a exclusão social, regenerar o espaço público e promover a apropriação social das novas tecnologias. Não é à toa que a Comissão Européia considera as Ciber Cidades, ou Tele Cities, como projetos prioritários.
Atenção políticos:

Em primeiro lugar as cidades podem ser planejadas e simuladas em computadores, onde estes servem como instrumento estratégico do urbanismo contemporâneo.
As cidades podem ser ampliadas em suas formas de circulação de informação, através da informatização de suas instituições, fornecendo acesso aos bancos de dados os mais diversos. Por último, as cidades podem ser virtualizadas na forma das Ciber Cidades. É o que se chama de Cidades Multimídias.

Fonte
Como virtualizar uma cidade sem criar uma visão estereotipada e asséptica da mesma? 
Sabemos que uma cidade não é um simples arranjo espacial de ruas, prédios e monumentos, mas redes ecos-sociais complexas, interligando diferentes sistemas e agrupamentos socioculturais, onde as inter-relações e as formas de impacto de um sistema sobre outro não podem ser simplesmente determinadas. Desta forma, não é uma tarefa fácil digitalizar uma cidade e devemos ter em mente esta complexidade para que a Cidade Digital não seja apenas uma metáfora simplificadora. O design deve explorar o potencial de conexão entre as pessoas e evitar ser uma simples transposição espacial do espaço. O modelo não deve ser substitutivo, nem transpositivo, mas complementar. Cada espécie familiar de lugar público teve seus atores, fantasias, e escrituras. Mas a rede mundial de computadores - a agora eletrônica - subverte, desloca, e radicalmente redefine nossas noções de lugar de ajuntamento, comunidade e vida urbana.

As Ciber Cidades podem e devem potencializar as virtudes da Cidade Real e ampliar as formas de comunicações entre os cidadãos já que são espaços de fluxo dentro da nova ordem tecnológica. Nas atuais sociedades pós-industriais, não é mais o tempo que estrutura o espaço, mas o contrário. Na sociedade em rede é o espaço, não mais físico, mas de fluxos de informação, que passa a organizar o tempo. O espaço de fluxos é a organização material de tempo-compartilhado de práticas sociais que funcionam por fluxos. Por fluxo devemos entender sucessões propositadas, repetitivas, programáveis de troca e interação entre posições fisicamente deslocadas, organizadas por atores sociais nas estruturas econômicas, políticas e simbólicas de sociedade. Da mesma forma devemos compreender a inserção das cidades na nova ordem digital. As cidades pós-industriais estão passando por transformações tecno-operativas importantes com o advento das novas tecnologias de comunicação, caracterizando-se por um movimento crescente de desterritorialização dos mundos simbólicos e esfacelamento de fronteiras entre o arcaico e o moderno, entre o local e o global, a cultura letrada e a audiovisual. Entramos no paradigma informacional que substitui o paradigma comunicacional. O novo paradigma está centrado sobre o conceito de fluxos. Existe assim, neste espaço de fluxo, três fatores:

  • A des-espacialização; refere-se à ênfase no tempo das trocas, no fluxo de informações que transforma os lugares em espaços de fluxos. 
  • O des-centramento ; se refere à perda do centro, significa que, no espaço de fluxos, todos os lugares são equivalentes, acarretando a desvalorização de lugares antes tidos como centrais, como praças, monumentos ou ruas.
  • A des-urbanização. lida com a perda cada vez maior de uso da cidade pelos cidadãos. Isso significa que o fluxo pelas ruas, praças, avenidas e monumentos se fazem, agora, na lógica da consumação e do trabalho, fazendo com que os cidadãos fujam do caos urbano, seja refugiando-se em “espaços paradisíacos privados” (shoppings, condomínios fechados, guetos), seja fugindo para espaços periféricos dos grandes centros.
 É nesta trilogia de efeitos que devemos pensar o surgimento das Ciber Cidades, já que é neste espaço de fluxos, forma predominante de trocas na sociedade de informação na cibercultura, o terreno para o crescimento das Cidades Digitais. Estas podem ser vistas como a atual integração de localidades e regiões nas emergentes redes telemáticas mundiais. Não é à toa que os grandes portais e sites informativos têm, em suas páginas, links para Ciber Cidades com informações, as mais diversas, sobre as cidades reais. Instituições governamentais e privadas participam ativamente da construção de sites que forneçam informações sobre elas mesmas e as cidades às quais pertencem. As Ciber Cidades apontam para esta nova forma de vida nas cidades reais.

Quem é Willian Fagiolo ? Veja AQUI

Comentários
0 Comentários

Publicidade

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More