Pular para o conteúdo principal

Arte figurativa no Islã - Experiência cultural e gastronômica de primeira

A gente vive uma vida tão corrida e focada no que fazemos que é necessário abrir nosso olhar para novas possibilidades. Uma das minhas aberturas de visão prediletas é me proporcionar almoços culturais em uma casa de estudos humanísticos de Porto Alegre, o Studio Clio.  


Já conferi vários assuntos (falo deles AQUI) mas confesso que esse não tinha me chamado muito a atenção. Não que não goste do tema, mas tinha uma visão meio pré estabelecida do que seria arte no Islã. Muitos arabescos, muitas linhas e nada de figuras. Mas não era bem assim. Ou pelo menos não para todos.  


Assim fui almoçar na agradável casa da Cidade Baixa, ouvir a palestra sobre "Arte figurativa no Islã: iluminuras medievais" ministrada pela professora Kátia Maria Paim Pozzer. Para terem uma ideia essa mulher aprendeu cuneiforme para estudar história Assíria como descobri em um banquete sobre a Torre de Babel.
Iluminuras Islâmicas - Studio Clio
A arte figurativa não conheceu grande destaque na história da iconografia islâmica, tida como uma arte anicônica. Curiosamente, alguns notáveis artistas realizaram iluminuras figurativas de excepcional valor estético e simbólico. Neste Almoço Clio, a prof. Katia Pozzer analisa obras de um dos maiores nomes da pintura muçulmana do Oriente, Behzâd de Herât, grande mestre das "miniaturas persas".

Iluminuras Islâmicas - Studio Clio
Arte Ani o que? Anicônica. Ou seja, uma arte que não representa seres vivos ou divindades. Era exatamente essa a ideia que tinha da arte islâmica. Uma proibição divina da representação figurativa. Os povos das tribos judaicas no antigo testamento também passaram por algo semelhante quando Moisés desceu do monte Sinai e ficou muito brabo e decepcionado com o seu povo escolhido quando os viu adorando estátuas de ouro representando Deuses pagãos. E decretou: nada mais disso aqui porque Deus disse:
Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o SENHOR, teu Deus, Deus zeloso” (Êxodo 20:4-5).
Depois disso muitas águas rolaram e muitas figuras foram representadas na história da arte de muitos povos.

Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra;
Deuteronômio 5:8
Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra;
Deuteronômio 5:8
Iluminuras Islâmicas - Studio Clio
Eu não vou entrar em terreno religioso e nem vou debater sobre as palavras de Deus, longe disso. Apenas me chamou a atenção que houvesse uma outra maneira de fazer arte no Islã que retratasse a vida comum das pessoas, seus hábitos e sua monarquia. Eram vistas nas famosas iluminuras que compunham livros feitos em papel e que circulavam nas mãos de pessoas da elite. 



Iluminuras Islâmicas - Studio Clio
Tive a oportunidade de conhecer um novo aspecto da cultura islâmica que me chamou a atenção e me despertou novos desejos de conhecer mais. Se quiserem saber achei, em uma breve pesquisa, um texto interessante que pode ser lido na íntegra AQUI e do qual inseri um pequeno trecho abaixo:  

Parece que, desde os primeiros séculos do islamismo, houve uma divisão clara entre contextos seculares, em que seria permitida ou ao menos tolerada a representação de seres animados, e ambientes religiosos, nos quais tais representações seriam, além de desnecessárias, nefastas. É assim que os palácios omíadas de Khirbat al-Mafjar e Qusayr Amra contêm pinturas e esculturas de formas humanas e animais, mas as grandes mesquitas de Damasco e Jerusalém não – há mosaicos de cidades, árvores e rios na mesquita omíada de Damasco e representações de joias e árvores no Domo da Rocha, em Jerusalém, mas nenhuma representação de um ser “animado” (vegetais não eram considerados como tendo alma). (Fonte)
A gastronomia fica a cargo da chef Carine Tigre e nos contemplou com uma culinária bem diferente da nossa ocidental. 

Entrada : Chancliche com mix de folhas. Super bem apresentado. Eu que não sabia o que era o tal de Chancliche achei que era um bolinho de carne (!). Mas não! É uma iguaria feita com um queijo árabe parecido com uma ricota. (Se estiver falando alguma heresia perdoem, mas foi a minha impressão). 

Chancliche com mix de folhas  - Carine Tigre
 Acima o prato na hora em que veio a mesa e abaixo como é por dentro. Achei que mais gente ia ficar curiosa. Era bom, embora meio sequinho para o meu gosto.
Chancliche com mix de folhas - Carine Tigre
Prato principal : Kafta com molho tarator e homus. Pelo que conheço da gastronomia árabe (e não é muito) já imaginei que ia comer carne vermelha. Não deu outra. O Kafta é uma espécie de espetinho árabe. O Homus é um purê de grão de bico e o tal molho tarator é feito de alho e gergelim.

Um pequeno parêntese: Eu não costumo comer carne vermelha. Se for escolher passo longe. Mas já deixei de ser rígida e me permito até comer quando tenho vontade (quase nunca) e nessas ocasiões. Estava bom? O Homus maravilhoso, adoro grão de bico. O molho também. Mas a carne sempre me parece muito pesada. E foi um dia em que fiquei de estômago repleto até a noite. E de janta só comi melancia e iogurte. 
Kafta com molho tarator e homus - Carina Tigre
Sobremesa : Knefe (doce de aletria, creme e passas). Mais uma vez lá fui eu para o dicionário e segundo a wikipédia aletria é "espécie de massa; este último seria proveniente do latim attrīta: 'esmigalhada', 'sopa'[1] ) é uma massa alimentícia, de fios finos, utilizada para fazer sopas e doces"

Knefe (doce de aletria, creme e passas) - Carina Tigre

Experiência cultural e gastronômica de primeira. Acompanhada de um delicioso Vinho Malbec Capricci Piatelli 2011. É um presente que me dou algumas vezes. E vale muito a pena.

 
Fotos : Elenara Stein Leitão 


Gostou? Conta para a gente a sua opinião. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi