Pular para o conteúdo principal

Um livro para perder o medo de desenhar

Livros.

Eles e eu sempre uma história de amor e fascinação. Aprendi a ler vendo meus pais lendo. Já falei dessa relação em como os livros ficavam ao nosso alcance desde crianças AQUI . E vejam aqui uma lista dos dez livros que marcaram minha vida.

Pois 23 de abril é o dia do Livro. Gozado, dia do livro. Todo dia é dia do livro, todo dia é dia de ler. Ora pois! 

Esse ano vou falar de outra coisa. E de outro livro. Uma outra expressão tão importante quanto a leitura. O desenho. E me veio à mente hoje porque virou moda livros de colorir para adultos. Confesso que não me fascinam muito. Mas me dei conta que deixei de lado um hábito que tinha desde pequena. Desenhar. 

Não, não o desenho técnico de arquiteto. Ou os rabiscos de ideias de projeto. Mas os desenhos por prazer. Me dei conta que já fazia desenhos de observação desde muito pequena. Tenho a sorte de ter tido um pai que se preocupava em guardar toda a produção de seus pimpolhos, então hoje é só ir no seu arquivo, abrir a minha página pasta (ato falho) e me deparar com algo como isto:
Ou este outro já pelos oito ou nove anos. Tanto um quanto o outro mostram facetas de minha casa. Aos seis anos, a TV, novidade tecnológica que chegava - e estou falando de 1963 - e a minha mãe desempenhando tarefas domésticas, acho que batendo um bolo. Na outra reproduzi a sala de estar de nosso apartamento em Porto Alegre, com uma cadeira que imitava uma Bertoia e a sacada com seus elementos vazados ao fundo. 
Depois eu passei para uma fase de copiar gravuras de livros. Em geral de história. Foi uma época bem produtiva. E amava fazer isso.
Esses são desenhos de 69/70. Já pré adolescente com 12/13 anos. Não me lembro de fazer desenhos próprios, talvez já estivesse muito influenciada pelo mundo castrante e tivesse esquecido de olhar o mundo com meus próprios olhos, ou desenhá-los....

Passando essa etapa, eis que entro na faculdade de Arquitetura. Sem noção de desenho técnico. Apenas com essa capacidade de copiar. E que já não era desenvolvida porque o desenho passou a ser secundário em meio a tantas outras matérias do vestibular. 

Não pensem que foi fácil. Lá me fui eu a tentar entender o que seriam os tais pontos de fuga. E o que era pior, em meio a colegas que desenhavam bem melhor que eu, comecei a ficar um tantinho mais tolhida. Mas ainda assim saía tentando aprender. Querem ver como era no começo???
Duro, né...não muito diferente de vários estudantes que vejo começando. E aí chego ao ponto que eu queria. Não é preciso ser um artista do desenho para ser um arquiteto. Saber se expressar graficamente é uma ajuda e tanto. É preciso sim, ter noção de espaço, de perspectivas, de proporções. Um arquiteto não pode ter medo de traçar, mas não necessariamente tem que ser um artista do desenho. 

E o mais bacana. Desenho se aprende! O principal é deixar o medo de lado. E aqui chego ao livro que queria mostrar para vocês (e jurava que já tinha falado dele aqui). Chama-se "Desenhando com o lado direito do cérebro" de Betty Edwards.
E ele parte de um principio simples e direto. Não desenhamos bem porque tendemos a usar muito o lado esquerdo de cérebro que é mais racional, mais cheio de regras e pré- conceitos. E propõe uma série de exercícios onde usamos mais o lado direito. E com isso damos um nó nos medos. E sabem que funciona? Um dos exercícios que me lembro é de copiar uma figura de cabeça para baixo. Pode parecer surreal, mas é muito mais simples e ela ficou no meu caso mais fidedigna do que se a desenhasse da maneira tradicional. 

E a grande lição do livro é: faça diferente de vez em quando. Olhe de outro jeito. Desenhe de outra maneira. Use cores que não pensava usar. Tente. Ouse.

E então me deu essa vontade de voltar a desenhar. Mais livre. Sem me preocupar com a forma. Se vai ficar perfeita ou bonita. Desenhar só para me divertir. Bem parecido com ler. Sim, porque através da leitura, aprendemos e nada mais prazeroso que abrir a mente!

Bom dia do livro! Qualquer livro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Coifa, exaustor ou depurador? Saiba qual é a melhor opção para a sua cozinha.

Quem já não passou por isso: Você está cozinhando e quando nota tem fumaça por todo lado, muito calor, além do cheiro da comida se espalhando por outros cômodos da casa. Isso acontece principalmente quando fritamos algum alimento. Para evitar situações como essa, existem depuradores, exaustores e coifas. Mas você sabe o que cada um faz e qual o melhor para o seu tipo de cozinha?

Confira a diferença entre eles e veja o que melhor se adéqua a sua necessidade:

CoifaA coifa tem como função sugar o ar, filtrá-lo e expeli-lo para fora da cozinha por meio de tubos de saída que podem ser instalados no teto, em paredes ou em forros. Ela elimina não somente a gordura e outros odores do ambiente, mas também “renova o ar” da sua cozinha.
Dependendo de onde está localizado o fogão, você pode optar por coifas de parede ou em formato de ilha, que ficam no centro da cozinha. Atualmente, existem coifas para todos os gostos e com designs bem modernos que se adaptam a qualquer tipo de decoração.

Recomenda-…

Círculo da Vida - arquitetura viva

Imagine uma série de construções que sigam o ciclo da natureza de vida, que possam crescer, florescer e fenecer como qualquer organismo vivo. É a ideia por trás da Arquitetura Viva ou botânica construtiva como alguns chamam. Falei sobre este conceito em Arquitetura Orgânica.
E enquanto pesquisa o site dos arquitetos do Obvious Avoid (falei sobre eles na postagem sobre ensinar crianças a pensar como arquitetos) encontrei essa proposta do Círculo da Vida que eles mesmos descrevem como "uma coleção de construções sustentáveis ​​feitas para celebrar a arte, a natureza e a ciência. "
Através de um centro de aprendizado a ser feito em uma floresta mexicana, as pessoas poderiam participar e compreender a natureza em todos os seus processos, tanto de vida como de morte. E onde o local não será apresentando como uma proposta fechada, mas como um processo em crescimento natural.
Os sete passos do ciclo proposto são:
Encontrar e recolher árvores caídasConfeccionar produtos de madeiraUsar p…