Pular para o conteúdo principal

Falando da convivência entre bikes, carros e regras

Fonte
 
Esses dias a Sam Shiraishi do blog A Vida como a Vida quer me perguntou sobre soluções para disciplinar o ciclismo urbano. O mote era uma proposta de um vereador que propunha lei sobre direitos e deveres dos ciclistas. Abaixo a minha colaboração para o debate.

As ciclovias são alternativas super importantes e imprescindíveis para uma cidade que se pretenda simpática ao ciclismo. É praticamente impossível a convivência da bicicleta e carros na mesma via, pelo menos em nossa realidade brasileira de falta de respeito no trânsito (com pequenas e honrosas exceções).


Fonte
Mas para que elas se tornem realidade é importante que não sejam pontuais, pequenos trechos que sirvam mais para propaganda que para real possibilidade de transporte.  Que sejam via ciclovias seguras e não meras faixas pintadas nas ruas. Educação e multa para quem desrespeitar a ciclovia seriam bem vindas(ao invés de multar o ciclista e tirar a bike, que tal multar o motorista e reter o carro ?).
É preciso educação para que se mude o foco de uma cidade com quatro rodas e a bike receba a mesma prioridade que os carros.
Ou seja, a mera construção de ciclovias sem planejamento, não é solução. É curativo. É preciso pesquisar e saber a real demanda para dotar as áreas que dela necessitam com maior uso, não usar as áreas verdes para construí-las e sim tirar o espaço dos carros. Garantir que existam em número e quilometragem suficientes para a real necessidade e garantir a coexistência com o sistema viário. A palavra chave  e que é o grande gargalo brasileiro nas cidades: PLANEJAMENTO.

Abaixo um video que encontrei no blog Vá de Bici e que mostra uma maneira barata e eficiente de planejar e fazer espaços para bicicletas nas cidades.

 

Mas, fazendo uma retrospectiva do blog, vejo que tenho tantas matérias falando de bicicletas e seu uso que até parece que eu sou uma grande usuária das bikes. Só que não...e não por vontade própria. Eu não sei andar de bicicleta. Tá bom, falha minha. Não aprendi quando pequena porque morava em uma cidade que, para minha mãe, era perigosa, e ela nunca me deixou tirar as rodinhas e eu nem tentei mais. Nem eu, nem minha irmã, nem minha mãe. Acho que o exemplo ajuda, ou não. Enfim, também fui pesquisar com colegas e amigos que usam bicicleta de maneira mais ou menos frequente para saber também a opinião de um profissional arquiteto que pedala, o Oscar Muller,  e alguém que é usuário das bikes, mas milita em outra área profissional, o Marco Aurélio.

Fonte
Para o Oscar, "a ciclovia não pode ser implementada em detrimento do pedestre ou da área verde, a bike compete com o carro, e é com ele que precisa dividir espaços. 

Educação e consciência da população também, mas respeito pelo próximo não é coisa natural em todas as sociedades, e a legislação não é instrumento suficiente quando desvinculada deste contexto. Se o respeito à vida existe, a estória é outra, e se tornam desnecessárias as leis, a fiscalização, controle, autuações, etc. (um montão de coisas que também não temos e que se criadas já vem formatadas a "band aid"), na Índia a coisa flui, e a equação inclui camelos, carroças, elefantes...Na verdade aqui nunca me senti seguro dividindo espaço com os outros veículos, principalmente ônibus e táxis.

Fonte
 
Isso de criar ciclovia que é agora, mas deixa de ser daqui a pouco, privilegiando o lazer, com trechos desvinculados, levando nada a lugar nenhum, sem qualquer função em relação ao transporte diário, é só para inglês ver e ganhar votos de desavisados, mais nada. Na verdade até tornam tudo mais perigoso, pelos trechos sem ligação, ou horários de funcionamento, que criam falsa sensação de segurança.



A acrescentar, talvez apenas a sugestão de que as ciclovias aconteçam entre as calçadas e a faixa destinada ao estacionamento, e não entre esta última e os veículos, e chamar atenção para a necessidade de estações intermodais que ofereçam equipamentos para os usuários da bike. Estacionamentos, claro, e até mais, como banheiros públicos e vestiários com banho, tudo que for possível para tornar mais atrativa esta alternativa para o cidadão."



Já para o Marco Aurélio,
"a discussão virá sempre algo técnico, pragmático, sobre desempenho, espaço, carro x bike, segurança, etc... Mas para mim isso é algo absurdamente político e estético! Afinal, a cidade é para quem? Paras as pessoas? Quais pessoas? O que afinal fazemos aqui, todos juntos?? E mobilidade urbana tem para fim que ser capaz de encarar essas questões, que podem e devem ser respondidas pelas pessoas, ou por filósofos que sejam, não por técnicos e engenheiros da CET"
E indicou ainda um link bem legal http://vadebike.org/2012/12/projeto-ciclovia-av-paulista-eliseu-de-almeida/

Ou seja, esbarramos no gargalo básico e recorrente de nossas cidades e seus problemas: falta planejamento macro. Nossas soluções são reativas, são curativos como bem disse o Oscar. Planejamento que envolva equipes multidisciplinares, que envolva população, usuários e técnicos e que vá além de reuniões e formação de comissões. Soluções existem no mundo inteiro e capacidade de adaptá-las e criar as nossas não nos falta. Vida sustentável se faz de atitudes, se faz de escolhas. Exigir e propor planejamento para nossas necessidades básicas é uma das atitudes que nos levam à melhores cidades e melhor qualidade de vida. Não acham?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi