Pular para o conteúdo principal

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Construção no arranha céu

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.


Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.

Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, "um estudo desenvolvido pelo Midwest Economic Policy Institute (MEPI) estima que, até 2057, robôs poderiam substituir ou ocupar mais de 2,7 milhões de postos de trabalho na construção civil nos Estados Unidos". Poderemos estar vislumbrando um tempo em que não haverá mais operários nos canteiros? Ou haverá apenas os operadores? Vai depender, ao meu ver, de uma conjugação de economia de recursos com harmonia social que destine outra ocupação para uma mão de obra altamente representativa no panorama econômico e social das nações.

Na Arquitetura já se debateu a separação dos campos do projetista e do executor. E o que isso acarretou para as obras e a qualidade arquitetônica. O livro O Canteiro e o Desenho fala sobre isso. Imaginar uma arquitetura feita por inteligência artificial onde os programas não apenas seriam auxiliares, mas produtores de projetos, talvez com mais eficiência que os seres humanos, dependendo do que se considere excelência, pode nos fazer refletir sobre um futuro que se desenha cada vez mais presente.

Até exoesqueletos robóticos estão na pauta das inovações, como uma maneira de ajudar a força humana. Previsão para 2020!

Robôs montadores fazem grandes estruturas usando pequenas peças

Outro artigo fala em robôs montadores fazendo grandes estruturas a partir de peças menores. Ele explica que há um novo conceito para elaboração de robôs que une qualidade com custo de produção, e onde robô e materiais funcionem como um sistema. Seriam nesse caso menos complexos e mais afinados às estruturas que estão montando. Este tipo de dispositivo poderia ir montado peça por peça de maneira muito mais barata e possibilitaria inclusive a construção no espaço, sem a necessidade de deslocar grandes estruturas pré moldadas.

Aqui no Brasil, um encontro sobre inovação na construção civil também debateu sobre 5 tecnologias que estão transformando a construção. São elas o Drones já citados, a impressão 3D, os serviços em nuvem e armazenamento de dados, a inteligência artificial e a realidade aumentada.

Todas estas inovações apontadas me lembra o tempo de pesquisa no mestrado quando escrevi sobre inovação em projetos na Construção Civil e terminei com uma frase que, talvez venha a servir novamente de reflexão. Será atendida ou não?

...toda a tecnologia e todo avanço trazido pela informática à arquitetura, no Brasil, pára no atraso do canteiro de obras, que é onde se vêem os resultados.(Sérgio Teperman)
Nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Arquitetando o nosso dia e relembrando Niemeyer

  Arquitetura é uma voragem que seduz quem nela mergulha em seus mistérios e criações. Mais que uma profissão, para muitos, é mergulho em algo tão diferente que poderia se chamar de paixão. Talvez pensamentos de gente que cresceu em outras eras, onde a poesia ainda se misturava ao afazer arquitetônico. Não importa, sejamos mais comerciantes ou mais poetas, o arquitetar espaços para as pessoas e sociedades é um exercício particular muito bonito. E enriquecedor. E falar de arquitetura no Brasil em citar Oscar Niemeyer é meio impossível. Seja para falar a favor ou contra. O dia de seu aniversário fica marcado como o dia do Arquiteto e Urbanista .  Da estudante de 17 anos que andava pelos corredores do minhocão, como eram chamados os prédios curvos da UnB à arquiteta que ora vos escreve, em plena pandemia, muitas transformações.   Eu era daquelas que traçavam tratados contra o arquiteto famoso que era ,para mim, mais escultor que arquiteto. Tinha a empáfia dos mais jovens enquanto vivia mo