Pular para o conteúdo principal

Desenho e canteiro - função de arquiteto

Ainda mergulhada na leitura dos Pilares da Terra, vejo em minha cabeça um tempo em que o mestre construtor, ancestral direto dos arquitetos, era projetista e construtor. Ainda não se haviam separado esses dois afazeres e me lembrei é claro de Sergio Ferro e seu livro O CANTEIRO E O DESENHO, uma espécie de símbolo de uma geração que lutava por liberdade em um pais onde ela não existia. E essa efervescência era sentida nas faculdades de arquitetura, onde muito se discutia a função social da moradia e da cidade.   
Pintura de Sérgio Ferro


Em uma entrevista para a revista AU,  Sérgio Ferro assim definiu a ARTE : " Arte é a manifestação da alegria no trabalho, apesar da contradição nas palavras, pois trabalho vem de 'tripalium', um instrumento de tortura. E essa alegria não é possível sem liberdade. Então, arte é a manifestação do trabalho livre, no qual o autor tem diante de si o material específico de seu ofício e define, sem influência estrangeira, o que quer fazer."


E sobre Arquitetura ele disse que "atualmente é raríssima a obra de arquitetura que possa ser chamada de obra de arte. Simplesmente porque aquele que projeta e pensa não é o mesmo que manipula, não é aquele que faz, que transforma a matéria. Arte é uma idéia concreta, efetivada no material. É o momento de encontro entre o humano e o não-humano. E no material já existe muito de humano. E dessa união nasce a alegria... O eu criador varia de arte para arte. O eu da pintura e da escultura é unitário, o eu da arquitetura é coletivo, social, composto do arquiteto e dos produtores. Por isso, talvez a arquitetura devesse ser a maior e a melhor das artes. Porque não apareceria mais o ego isolado de cada um de nós, de cada arquiteto, mas sim a subjetividade humana compartilhada. Uma coisa é criar no escritório e depois mandar fazer. Outra é escutar as possibilidades advindas de cada equipe de trabalho e promover a colaboração entre parceiros. O projeto pode e deve estar aberto no momento de sua concepção para uma transformação, uma modificação, pois nenhuma previsão consegue antever todas as possibilidades que surgem no momento da realização. Daí a necessidade de colaboradores que participem da criação do projeto global e se sintam realmente responsáveis pelo que estão fazendo. Cada equipe de especialistas atuando com liberdade, responsabilidade e cooperação.  
Para nós, arquitetos, o que interessa não é a estética, teoria da percepção do objeto, mas a poética, que é o fazer, o produzir. Então, quando um arquiteto chega na prancheta e começa a querer fazer algo com equilíbrio dinâmico entre as massas e etc., está se comportando como esteta, aquele que vê, e não como poeta, aquele que faz. Os ensinos no ateliê são estéticos e não poéticos. A produção é abafada, secreta e triturada."

Mais sobre Sergio Ferro nessa  entrevista no Vitruvius 


Há pouco tempo coloquei aqui uma postagem sobre um arquiteto americano, um dos mais influentes de sua geração alertando para a necessidade resgate do projetar e fazer. Talvez ele e Sergio Ferro não compartilhem da mesma ideologia, mas ambos apontam para uma lacuna que vem tornando os arquitetos um acessório dentro de uma complexa indústria que visa acima de tudo o lucro. E nada tenho contra lucrar. Mas tudo tenho contra esse vir em detrimento do bem estar, da criatividade, da alegria. E se criam conceitos e nomes para vender, mais que para mudar atitudes. Se o verde é moda, vende-se o verde em forma de certidões que nada mais são do que carimbos que atestam momentos. Serão realmente eficazes ?    


Talvez eu esteja sendo romântica, inspirada numa nostálgica volta ao passado de estudante, mas a verdade é que cada vez mais as decisões sobre grandes empreendimentos passam longe da decisão do Arquiteto.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

A prática do urban sketching - recomendação de livro

Um dos hábitos mais prazerosos da vida é viajar, mesmo que seja na própria cidade. Percorrer caminhos com calma, caminhar e parar, olhar e registrar. Não apenas com o celular, mas também com as mãos. Acha complicado? Pois este pequeno grande guia vai facilitar bastante esta fascinante descoberta da prática do desenho urbano (urban sketching).

O livro tem um formato quase de bolso, é ricamente ilustrado e super didático, com páginas em branco para exercícios práticos, após cada explicação. É um excelente companheiro de passeios e pode ser utilizado sem contra indicações e sem parcimônia. Na versão brasileira não vem acompanhado de canetas (nem sei se vem em outra versão, mas vi a recomendação e repasso). Mas fiquei tão fascinada que, além do lápis comum, comprei quatro canetas artísticas PITT pretas para treinar.   
O que é urban sketching? Existe uma organização chamada de Urban Sketchers com regras e com um blog onde as pessoas podem publicar seus desenhos. Eles organizam encontros …

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.