Estúdio com 30m2 tem construção econômica e resultado belo

Imagem
O  BAAQ  é um escritório de arquitetura mexicano que desenvolveu este projeto para um estúdio de descanso, o Chiapas Studio. Os requisitos eram economia na construção e manutenção. O resultado ficou muito interessante.  Com cerca de 30 m2 a construção aproveita a ventilação natural e como a região tem verões quentes, aproveitam a grande cobertura em bambu para criar uma varanda coberta para ser usada nos dias quentes. Para os dias frios, a parte inferior, com paredes de painéis de cimento e poliestireno de alta densidade, abriga como sala de estar.

Desenho e canteiro - função de arquiteto

Ainda mergulhada na leitura dos Pilares da Terra, vejo em minha cabeça um tempo em que o mestre construtor, ancestral direto dos arquitetos, era projetista e construtor. Ainda não se haviam separado esses dois afazeres e me lembrei é claro de Sergio Ferro e seu livro O CANTEIRO E O DESENHO, uma espécie de símbolo de uma geração que lutava por liberdade em um pais onde ela não existia. E essa efervescência era sentida nas faculdades de arquitetura, onde muito se discutia a função social da moradia e da cidade.   
Pintura de Sérgio Ferro


Em uma entrevista para a revista AU,  Sérgio Ferro assim definiu a ARTE : " Arte é a manifestação da alegria no trabalho, apesar da contradição nas palavras, pois trabalho vem de 'tripalium', um instrumento de tortura. E essa alegria não é possível sem liberdade. Então, arte é a manifestação do trabalho livre, no qual o autor tem diante de si o material específico de seu ofício e define, sem influência estrangeira, o que quer fazer."


E sobre Arquitetura ele disse que "atualmente é raríssima a obra de arquitetura que possa ser chamada de obra de arte. Simplesmente porque aquele que projeta e pensa não é o mesmo que manipula, não é aquele que faz, que transforma a matéria. Arte é uma idéia concreta, efetivada no material. É o momento de encontro entre o humano e o não-humano. E no material já existe muito de humano. E dessa união nasce a alegria... O eu criador varia de arte para arte. O eu da pintura e da escultura é unitário, o eu da arquitetura é coletivo, social, composto do arquiteto e dos produtores. Por isso, talvez a arquitetura devesse ser a maior e a melhor das artes. Porque não apareceria mais o ego isolado de cada um de nós, de cada arquiteto, mas sim a subjetividade humana compartilhada. Uma coisa é criar no escritório e depois mandar fazer. Outra é escutar as possibilidades advindas de cada equipe de trabalho e promover a colaboração entre parceiros. O projeto pode e deve estar aberto no momento de sua concepção para uma transformação, uma modificação, pois nenhuma previsão consegue antever todas as possibilidades que surgem no momento da realização. Daí a necessidade de colaboradores que participem da criação do projeto global e se sintam realmente responsáveis pelo que estão fazendo. Cada equipe de especialistas atuando com liberdade, responsabilidade e cooperação.  
Para nós, arquitetos, o que interessa não é a estética, teoria da percepção do objeto, mas a poética, que é o fazer, o produzir. Então, quando um arquiteto chega na prancheta e começa a querer fazer algo com equilíbrio dinâmico entre as massas e etc., está se comportando como esteta, aquele que vê, e não como poeta, aquele que faz. Os ensinos no ateliê são estéticos e não poéticos. A produção é abafada, secreta e triturada."

Mais sobre Sergio Ferro nessa  entrevista no Vitruvius 


Há pouco tempo coloquei aqui uma postagem sobre um arquiteto americano, um dos mais influentes de sua geração alertando para a necessidade resgate do projetar e fazer. Talvez ele e Sergio Ferro não compartilhem da mesma ideologia, mas ambos apontam para uma lacuna que vem tornando os arquitetos um acessório dentro de uma complexa indústria que visa acima de tudo o lucro. E nada tenho contra lucrar. Mas tudo tenho contra esse vir em detrimento do bem estar, da criatividade, da alegria. E se criam conceitos e nomes para vender, mais que para mudar atitudes. Se o verde é moda, vende-se o verde em forma de certidões que nada mais são do que carimbos que atestam momentos. Serão realmente eficazes ?    


Talvez eu esteja sendo romântica, inspirada numa nostálgica volta ao passado de estudante, mas a verdade é que cada vez mais as decisões sobre grandes empreendimentos passam longe da decisão do Arquiteto.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros