Pular para o conteúdo principal

Desenho e canteiro - função de arquiteto

Ainda mergulhada na leitura dos Pilares da Terra, vejo em minha cabeça um tempo em que o mestre construtor, ancestral direto dos arquitetos, era projetista e construtor. Ainda não se haviam separado esses dois afazeres e me lembrei é claro de Sergio Ferro e seu livro O CANTEIRO E O DESENHO, uma espécie de símbolo de uma geração que lutava por liberdade em um pais onde ela não existia. E essa efervescência era sentida nas faculdades de arquitetura, onde muito se discutia a função social da moradia e da cidade.   
Pintura de Sérgio Ferro


Em uma entrevista para a revista AU,  Sérgio Ferro assim definiu a ARTE : " Arte é a manifestação da alegria no trabalho, apesar da contradição nas palavras, pois trabalho vem de 'tripalium', um instrumento de tortura. E essa alegria não é possível sem liberdade. Então, arte é a manifestação do trabalho livre, no qual o autor tem diante de si o material específico de seu ofício e define, sem influência estrangeira, o que quer fazer."


E sobre Arquitetura ele disse que "atualmente é raríssima a obra de arquitetura que possa ser chamada de obra de arte. Simplesmente porque aquele que projeta e pensa não é o mesmo que manipula, não é aquele que faz, que transforma a matéria. Arte é uma idéia concreta, efetivada no material. É o momento de encontro entre o humano e o não-humano. E no material já existe muito de humano. E dessa união nasce a alegria... O eu criador varia de arte para arte. O eu da pintura e da escultura é unitário, o eu da arquitetura é coletivo, social, composto do arquiteto e dos produtores. Por isso, talvez a arquitetura devesse ser a maior e a melhor das artes. Porque não apareceria mais o ego isolado de cada um de nós, de cada arquiteto, mas sim a subjetividade humana compartilhada. Uma coisa é criar no escritório e depois mandar fazer. Outra é escutar as possibilidades advindas de cada equipe de trabalho e promover a colaboração entre parceiros. O projeto pode e deve estar aberto no momento de sua concepção para uma transformação, uma modificação, pois nenhuma previsão consegue antever todas as possibilidades que surgem no momento da realização. Daí a necessidade de colaboradores que participem da criação do projeto global e se sintam realmente responsáveis pelo que estão fazendo. Cada equipe de especialistas atuando com liberdade, responsabilidade e cooperação.  
Para nós, arquitetos, o que interessa não é a estética, teoria da percepção do objeto, mas a poética, que é o fazer, o produzir. Então, quando um arquiteto chega na prancheta e começa a querer fazer algo com equilíbrio dinâmico entre as massas e etc., está se comportando como esteta, aquele que vê, e não como poeta, aquele que faz. Os ensinos no ateliê são estéticos e não poéticos. A produção é abafada, secreta e triturada."

Mais sobre Sergio Ferro nessa  entrevista no Vitruvius 


Há pouco tempo coloquei aqui uma postagem sobre um arquiteto americano, um dos mais influentes de sua geração alertando para a necessidade resgate do projetar e fazer. Talvez ele e Sergio Ferro não compartilhem da mesma ideologia, mas ambos apontam para uma lacuna que vem tornando os arquitetos um acessório dentro de uma complexa indústria que visa acima de tudo o lucro. E nada tenho contra lucrar. Mas tudo tenho contra esse vir em detrimento do bem estar, da criatividade, da alegria. E se criam conceitos e nomes para vender, mais que para mudar atitudes. Se o verde é moda, vende-se o verde em forma de certidões que nada mais são do que carimbos que atestam momentos. Serão realmente eficazes ?    


Talvez eu esteja sendo romântica, inspirada numa nostálgica volta ao passado de estudante, mas a verdade é que cada vez mais as decisões sobre grandes empreendimentos passam longe da decisão do Arquiteto.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como