Pular para o conteúdo principal

O que seria o tal conceito no projeto de arquitetura?

Uma das coisas mais importantes para que uma edificação possa ser considerada arquitetura é ter um conceito, uma proposta. E isso só é possível se existir um programa para AQUELE problema, AQUELE cliente, AQUELE terreno. É a partir desses condicionantes que o arquiteto pode gerar uma solução que seja a mais adequada possível. Elenara Leitão - arquitetura é mais que desenho.
Tenho para mim que um dos maiores desafios da profissão arquitetura seja definir com consistência um conceito e segui-lo com coerência até o resultado final. 

Mas o que seria exatamente o conceito de um projeto arquitetônico?

Há quem o defina como a ideia mestra que vai nortear as decisões projetuais. Aquela ideia que surge da reflexão sobre os condicionantes estudados para muitos. Ou um insight milagroso que surge da mente do projetista e que vai gerar formas ou padrões que tragam algum significado, para outros.

Podemos ver pelas frases de arquitetos muitas de suas ideias mestras que geraram os conceitos de seus projetos. Quando Le Corbusier diz que "a casa é uma máquina de morar" podemos ver claramente isto posto em suas obras, como concebia os espaços de maneira ordenada e funcional. Já em Oscar Niemeyer a frase "se a reta é o caminho mais curto entre dois pontos, a curva é o que faz o concreto buscar o infinito" quase se revela como antevisão de suas formas arredondadas e de traço livre. Aliás, analisar o discurso e a prática de muitos arquitetos nos dá uma visão fantástica do afazer arquitetônico.

Mas e nós, o comum dos mortais arquitetos, ou mesmo o leigo que adora a arquitetura como uma arte de bem morar e viver, como podemos entender o tal de conceito?

Conceito :  representação intelectual abstrata de um objeto

Mas qual objeto quando este ainda não existe? Lembrem-se que arquitetura lida, na maioria das vezes, com o futuro. Ou mesmo quando ele existe, uma reformulação do presente e portanto, ainda assim uma abstração, uma ideia de algo que ainda vai ser erigido.

Vamos ao básico. O cliente nos contacta, ou nós nos oferecemos para resolver ou conceber um determinado problema. Uma casa, um edifício, uma capela ou uma cozinha. Não importa a dimensão do espaço. Os passos básicos serão os mesmos. 



Conversar com o cliente para saber as necessidades. 
Medir espaços, móveis, terreno, enfim, levantar os aspectos físicos e condicionantes legais e desejáveis.
Até aí aparentemente não entrou o conceito? Muitas vezes já. Não inteiro, não total, mas ele começa a ser delineado nos aspectos intangíveis e nos insights que a interação entre cliente, problemática e bagagem do profissional faz acontecer.

A experiência do profissional faz o processo ser mais rápido ou mais lento. Digamos que seja um jovem profissional, ou um estudante. Como estabelecer uma ideia razoável que atenda a uma gama de dados já levantados? Começa a pesquisa do estado da arte. Há várias maneiras de estudar como outras pessoas solucionaram o mesmo problema. Entender o arcabouço de como se deu esse processo é um campo de aprendizado fascinante. Mais do que meramente copiar soluções sem ter a convicção necessária para defende-lo.    



Isso me lembra muito as angústias de projeto na época da graduação. Isso ou aquilo? Esta forma mais pura ou algo que cause um OHHHHH admirado? Custo x benefício? As possibilidades são tantas que se não estivermos com o nosso conceito muito bem estruturado, podemos nos perder nos processos e fazer um projeto final que mais pareça uma salada de frutas. E nem sempre uma forma bonita resulta numa construção que seja consistente. Vide os casos emblemáticos de projetos que ganharam concursos de arquitetura e foram demolidos poucos anos depois por não satisfazerem necessidades de seus habitantes.


Muito bem, estudos feitos, lidos livros, vistos projetos, formamos uma ideia mestra sobre o que queremos no projeto em questão. Vejam bem, uma ideia mestra, não uma ideia rígida. Há que se saber onde podemos tangenciar o conceito, onde não. Queremos uma casa eco eficiente. Perfeito, bolamos formas que se adequem à captação de energia solar, telhados verdes, captação de águas da chuva. O cliente nos impõem um orçamento não compatível, embora externe o desejo de sim, ter uma casa sustentável. Como conciliar ideia e prática? Lá vamos para o papel especificar algo que possa ser acrescentado no futuro sem maiores quebras ou obras. 

Somos formalistas e projetamos uma cozinha segundo a última tendência reinante nas mostras de decoração. Ela pode ser coerente se pensamos no que possa ser modificada para eventuais alterações de revestimentos ou eletrodomésticos. Ou rígida se tudo precisar ser demolido para que o mesmo cliente fique satisfeito algum tempo depois.

Um colega já me disse que nossos conceitos de projeto se parecem conosco, espelham nossas personalidades e tendo a acreditar que sim. São nosso resposta à um problema levantado. Outro profissional poderia dar outra solução. Embora tenha que admitir que as soluções cada vez mais se parecem entre si, havendo pouco espaço para sutilezas que mostrem a autoria. Ou quando existem, muitas vezes são tão forçadas que poderiam estar em qualquer lugar e não apenas naquele em questão.

Dizendo em bom português, o conceito seria o pensar criticamente sobre uma questão. E ao invés de partir para achismos ou soluções já adotadas, debruçar sobre o problema como se o visse pela primeira vez, estuda-lo com profundidade em todos os seus aspectos e aí, sim, adotar uma ideia sobre qual solução é a mais adequada para ele. 

Partir daí para a solução formal acaba sendo bem mais tranquilo que quebrar a cabeça a cada passo.

Nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 

Comentários

  1. Caraca. Enrolou, enrolou, floreou e explicou mal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela opinião Ruarez, estou super aberta para aprender contigo e se quiseres me ajudar a esclarecer melhor, o blog está aberto às tuas contribuições. Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Refúgio que caiba nos sonhos

“Aonde fica a saída?", Perguntou Alice ao gato que ria. ”Depende”, respondeu o gato. ”De quê?”, replicou Alice; ”Depende de para onde você quer ir...” Alice no país das maravilhas - Lewis Carroll Refúgio mais que nunca necessário em tempos de doenças de fora e de dentro. Tanto para compreender, tanto para administrar, talvez em poucos tempos dos últimos, se viveu com tantos senões. Talvez explique a vontade ou a desvontade de fazer e acontecer. Arquiteturar é paixão como poucas coisas que me aconteceram na vida. Arquiteturar refúgios talvez seja premente. Repensar espaços de com viver. De metragens não se precisa muito. O suficiente para caber sonhos e poucas necessidades materiais. Livros, poucas roupas, uma adega para vinhos e muito espaço para sonhar e criar. Se for um pouco acima do solo, tanto melhor. Nunca se sabe quando a natureza pode nos brindar em serpentes ou enchentes. Um cantinho para ler, comer e tomar café, parando de quando em vez , para olhar as nuvens que formam

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b