Pular para o conteúdo principal

Arquitetura - mais que desenho

Em debates escritos e falados essa semana tecemos considerações sobre dois problemas que envolvem a Arquitetura e sua delicada relação com o cliente.
Um dos debates era sobre esses sites de projetos prontos que cobram super barato por soluções genéricas, e um pouco menos barato para personalizá-las. Em principio eles tem uma grande procura por parte dos clientes e um grande repúdio por parte dos profissionais. Mas por trás dessa aparente contradição de necessidades e visões, se esconde um desconhecimento e pouca valorização do que seja realmente um projeto de arquitetura.


Uma das coisas mais importantes para que uma edificação possa ser considerada arquitetura é ter um conceito, uma proposta. E isso só é possível se existir um programa para AQUELE problema, AQUELE cliente, AQUELE terreno. É a partir desses condicionantes que o arquiteto pode gerar uma solução que seja a mais adequada possível. Um projeto genérico é diferente de um remédio genérico. Me lembra muito algumas situações que encontro aqui no Rio Grande do Sul onde se pegavam plantas de casas europeias e as reproduziam aqui. Literalmente. Sem ao menos adaptar. Resultado? Na maioria das vezes quartos para o sul e cozinhas para o norte. Ou seja, esqueciam de implantar no terreno....Detalhe que parece sem importância, mas que é um dos mais básicos elementos para que se possa projetar.

Então essa procura por sites de projetos, sejam de residências ou de interiores, me parecem ter dois problemas que merecem ser debatidos: 

1) o pouco conhecimento do que seja arquitetura, do valor de um projeto personalizado e as vantagens que ele pode trazer ao cliente. Solução: campanhas e campanhas do CAU, do IAB e nossa (profissionais) para que a sociedade consiga pesar o que está comprando. E aprimoramento da nossa bagagem técnica profissional para que se consiga realmente gerar essas soluções otimizadas que tragam vantagens para o cliente.

2) Cultura da era grátis na internet. A produção cultural está passando por isso e as indústrias estão se adequando. Esse nó me parece mais complicado de resolver. Mas de certa forma está ligado ao primeiro, o pouco conhecimento do produto. Enquanto projeto de arquitetura for confundido com plantas e desenhos, não vai ser valorizado como deve.


 
E o outro problemas, super corrente e que vários profissionais conhecem bem, é a quantidade de mão de obra não qualificada dando palpites em obras. Quando falo não qualificada não estou falando da pouca experiência em construir, pintar, fazer instalação elétrica, mas da falta de estudo de  estruturas que faz com que se furem vigas para passar conduítes (!), se tirem paredes no achometro, se coloquem piscinas e banheiras sem analisar se aquelas estruturas suportam o peso. Quando um arquiteto ou engenheiro acompanham uma obra eles respondem perante a um conselho com a sua responsabilidade técnica. E ela significa responsabilidades cíveis, trabalhistas, profissionais. Alguns clientes preferem escutar palpites de construtores que, em caso de danos, não vão ser responsabilizados como um profissional habilitado vai. 

Tudo bem, você deve estar se perguntando: então vou ter que pagar super caro para um arquiteto ou engenheiro fazer meu projeto (ou um designer de interiores que o seja, que tem formação superior e que pode fazer também intervenções em ambientes internos, desde que não estruturais)....Não, não necessariamente. Você vai pagar o preço justo para não ter problemas, para ter as suas soluções que vão caber nas suas necessidades. E quanto maior e mais cedo o planejamento, mais barata e sem problemas a sua obra. Mas tem profissionais que não são tão bons, meu vizinho (amigo, primo, chefe, etc) que já teve uma experiência cruel, você vai me replicar....Tem sim, como qualquer profissão, por isso o ideal é fazer uma triagem. Quando eu procuro um médico, pesquiso na internet para saber o currículo, se for preciso vou às redes sociais ver se tem perfil, se pesquisa, se não tem processos contra ele. Faça o mesmo com o seu arquiteto/a. Converse, procure, veja se rolou uma empatia entre vocês. Te garanto que não é tempo jogado fora. E a sua satisfação será muito maior que aquele projetinho baratinho que de repente vai precisar de mil alterações para funcionar do jeitinho que você quer. E precisa. 

 Autor : Elenara Leitão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como