Pular para o conteúdo principal

Garimpar e pesquisar para se inspirar

Recomeços tem dessas magias de carregar simbolismos.

Por isso curtimos tanto o fim de ano. Significa uma virada de páginas e uma abertura de novas possibilidades. Mas espera um pouco...estamos em junho, metade do ano e falando em fim? Simbolismos. Convenções. Nada nos impede de usar o espírito de lá para iniciar nosso novo semestre aqui e agora.

Uma das coisas que costumo fazer para me renovar quando me sinto exausta é dar um tempo. Especialmente ao cérebro. 

Leio mais que falo. Observo mais que ajo. Me deixo levar mais que planejo. É o meu método. 



Algumas das leituras me chamaram a atenção neste fim de semana de garimpagens e vou compartilhar aqui com vocês:


Uma sala de leituras que ocupa o espaço de uma vaga de carro
Projeto de uma arquiteta mexicana, Fernanda Canales, o conceito me chamou a atenção pela simplicidade dos materiais utilizados o que facilita a sua execução em comunidades mais carentes. E o simbolismo de marcar um símbolo icônico de nossa época, o carro, na forma de sua necessidade básica (além do combustível), o lugar onde pode ser guardado, para guardar outras formas de meios de viagens, as da mente, que são os livros. E como Arquitetura se exprime também em imagens, coloco abaixo algumas do projeto que vi no link lá de cima. As fotos são de Jaime Navarro.
 Acima um dos módulos duplos e com dois pavimentos já instalado em uma praça. E abaixo o módulo simples.
Outro artigo que me chamou a atenção e confesso a vocês que ainda não tenho posição definida é se os escritórios abertos seriam sexistas. Li AQUI

As plantas abertas foram uma tendência em termos de espaços comerciais de escritórios e já li que muitas pessoas sentiam necessidade de privacidade e/ou customização de suas mesas e estações de trabalho. Mas é a primeira vez que penso se eles favoreceriam o sexismo em ambientes de trabalho. Para mim ele existe em qualquer ambiente. Mas o artigo é complementado com opiniões de leitores que dizem que sim, os escritórios abertos são terríveis para as mulheres.  

Particularmente concordo mais com a opinião dessa leitora que reproduzo abaixo: 
“Isso acontece em todos os lugares - em escritórios abertos, em escritórios fechados, na rua, na academia, no ônibus. Em toda parte. Independentemente do formato das paredes, as mulheres devem sentir-se como se pertencessem. ” - Lauren T.

Mas outras opiniões dizem que a falta de privacidade torna a ansiedade pior. E é um dado que me deixa com uma pulga atrás da orelha para pensar mais sobre isso. E vocês o que acham?

Como converter sua parede em uma imensa tela de toque 

Um amigo enviou o link e eu já tinha lido a respeito em outro site. A ideia é usar uma tinta condutora de baixo custo para criar uma grade eletrodos. Simples e barato. E transforma as superfícies de sua casa em imensas telas de toque que podem comandar praticamente tudo. Uma ideia fascinante já que também li também que o uso maciço de smartphones está "acabando com o planeta" mais rápido do que supúnhamos. Leia AQUI

Sempre que leio sobre essas casas tão automatizadas me lembro de Ray Bradbury em Crônicas Marcianas


E dentre as crônicas uma sempre me impressionou, mesmo antes do boom da automação: Chegarão Chuvas Suaves. É a história de uma casa totalmente automatizada, tecnologicamente preparada para o conforto de seus habitantes, customizada para preparar seu banho na temperatura exata, tocar suas musicas prediletas e fazer suas comidas preferidas. Mas isso numa Terra em que o holocausto nuclear dizimou as pessoas...e a casa mantém sua rotina inútil até que um desastre faz com que tudo entre em pane e apenas dela sobre um parede que repete sem parar a data: 5 de agosto de 2026... (Elenara Leitão)

E para terminar uma manchete polêmica sobre o fim da filosofia em um jornal me levou a pesquisar mais sobre o entrevistado e cheguei a outra visão sobre ele em outro artigo onde ele coloca uma visão interessante sobre como seria uma boa ciência e como fazer boas pesquisas:

Segundo o imunologista português Antonio Coutinho um de seus mestres, Niels Kaj Jerne (Nobel de medicina de 1984) tinha uma definição para uma boa ciência que passava por três regras: 

Primeira: a primeira é que é preciso saber o que você quer saber. Se essa pergunta nasce dentro do pesquisador, se lhe importa de verdade, a pesquisa sairá com conteúdo.

Segunda: pensar na sua questão o tempo todo. Isso significa que o pesquisador deve ter um foco concentrado na sua questão.

Terceira: Depois depois de um resultado encontrado (ou não), é preciso encontrar a continuação mais perspicaz. Ou seja, aberta a questão, a busca continua....

Continuo então a minha. Há que passar pelos vários estágios em todas as questões da vida. Seja pessoal, seja profissional.

Pensem nisso

Gostou? Compartilhe em suas redes sociais 
Nos siga também nos outros canais

snapchat: arqsteinleitao 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f