Estúdio com 30m2 tem construção econômica e resultado belo

Imagem
O  BAAQ  é um escritório de arquitetura mexicano que desenvolveu este projeto para um estúdio de descanso, o Chiapas Studio. Os requisitos eram economia na construção e manutenção. O resultado ficou muito interessante.  Com cerca de 30 m2 a construção aproveita a ventilação natural e como a região tem verões quentes, aproveitam a grande cobertura em bambu para criar uma varanda coberta para ser usada nos dias quentes. Para os dias frios, a parte inferior, com paredes de painéis de cimento e poliestireno de alta densidade, abriga como sala de estar.

Reinvenção da arquitetura africana


"não é mais hora de resistir, agora é re-existir!" Zé Celso
Muitas das melhores inspirações surgem em conversas casuais. Em uma delas, via telegram, o colega Oscar Muller me saiu com essa máxima quando o grupo falava sobre um clima de desesperança reinante. E essa expressão RE Existir me remeteu à REinventar. 

E foi quando vi este vídeo TEDX sobre a próxima geração de arquitetos e designers africanos onde o arquiteto Christian Benimana fala sobre a sua experiência de estudante fora do continente africano e de sua volta para casa. E do surgimento da ideia de "construir uma rede de arquitetos que possam ajudar as cidades de África a crescer de forma sustentável e equitativa - equilibrando o crescimento com valores que são exclusivamente africanos para que no futuro as cidades africanas possam aspirar ser os lugares mais resistentes e socialmente inclusivos na Terra" . Uma reinvenção da arquitetura africana, uma resistência dos valores e culturas construtivas com uma visão global. Surgiu assim o African Design Center.


E ele nos fala de um crescimento sem precedentes da população africana, com uma tendência de mais de 55% da população vivendo nas cidades. Isso significa uma necessidade de habitações, escolas e centros de saúde como nunca.

E como fica a participação de arquitetos e outros profissionais africanos nessa empreitada? Há que se prever e fomentar cursos e maneiras que as pessoas não tenham que importar ou que os africanos tenham que estudar fora para voltar reproduzindo o que aprenderam em suas escolas estrangeiras. E sim que possam responder às necessidades locais. 

Página em rede social
Resistir e re-existir também significam antever as possibilidades. Das carências surgem as necessidades e os nichos de oportunidade. Se preparar para eles exige visão de futuro e esperança de acrescentar em respostas que possam melhorar a vida das populações. E resgatar o papel fundamental da Arquitetura. Além de aumentar um campo de trabalho promissor.
Centro comunitário em Ruanda




Fiquei bastante orgulhosa de ter aqui no blog vários exemplos da Arquitetura Africana atual que podem ser vistos AQUI.

Gostou? Compartilhe em suas redes sociais 
Nos siga também nos outros canais

snapchat: arqsteinleitao 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros