Pular para o conteúdo principal

Espaços de Museus - outros olhares

"Não se deixe intimidar com os museus. Eles pertencem a todos "
Quando arquitetos falam de Museus normalmente se deixam levar pelos vícios da profissão e pensam em imagens onde as formas se sobressaem. 


Imagens de uma pesquisa Google basica
E mesmo os espaços internos, se povoados, são normalmente assépticos e fico imaginando quando é possível encontrar espaços tão vazios para admirar obras de arte. Em Museus famosos, quando acontecem, são inesquecíveis como quando vi a Guernica ainda em um pequeno espaço de Madri. Mas a Mona Lisa vi acompanhada de uma multidão...

Refleti sobre isso mais especialmente ao ler o livro de uma amiga. O livro se chama Essências e Geografias de Berenice Sica Lamas. Conheci a Bere em uma oficina de poesias uns anos atrás e lendo agora um mosaico de suas vivências, experiências, viagens e descobertas me senti transportada para um olhar sensível que me mostra o espaço de museus de uma maneira tão bonita. Os espaços e formas conformam sensações e sentimentos que ela nos descreve com tanta simplicidade e complexidade que me encantou. Me lembrei de tantas experiências pessoais e de como convivi com esses espaços em pequena, como eles são fundamentais para nossa trajetória, como resguardam não só a beleza, aquilo que costumeiramente entendemos como Arte, mas são reflexos de épocas, de questionamentos, de enfrentamentos e reflexões. 

Nesses nossos tempos em que o papel da Arte vem sendo tão debatido, sinal inequívoco de sua extrema necessidade como polarizador das tensões e questionamentos de sociedades e pessoas, mais os espaços dos Museus se tornam relevantes como impulsionadores desses encontros pessoais e culturais. Tenho para mim que Arte é como a Arquitetura. Não necessita rótulos. Apenas pede que se debruce sobre as obras e tente entende-las, seus significados, suas intenções, sua existência. Vai muito além do simplório gosto ou não gosto. 

E nesses questionamentos encontrei alguns textos interessantes sobre o papel dos museus nos mundo de hoje. E me detive em quatro. 

Um que fala no papel desses espaços nos idosos e de como podem auxiliar pessoas com perda de memória. Podem ler AQUI.
   "À medida que a sociedade mudou, também tem o trabalho dos museusOs clientes podem ter desafios com memória de curto prazo, mas isso não significa que eles não podem desfrutar e beneficiar - uma tarde em um museu de arte. Aliança Americana de Museus.
O segundo, bastante questionador, e por isso mesmo interessante, questionando sobre o papel dos Museus atualmente e de como transgredir ou desestruturar a a maneira tradicional de ver e viver um Museu. Leia AQUI  
Clayton M. Christensen , autor de "Perturbar a classe: como a inovação disruptiva irá mudar a maneira como o mundo aprende" diz que "inovação disruptiva .... transforma um produto que historicamente era tão caro e complicado que apenas algumas pessoas com muito dinheiro e muita habilidade tiveram acesso a ele. A inovação disruptiva torna muito mais acessível e acessível que uma população muito maior tem acesso a ela ".
Dos momentos mais belos e enriquecedores para mim ao visitar um museu é a presença de crianças. Turmas que vão acompanhadas de professores aprender a interagir com tantas descobertas. E aí o terceiro artigo questiona: Por que precisamos de gerenciamento de sala de aula em museus? E talvez aí a leitura do segundo se faça mais compreensível até a ordem em que os coloquei aqui. 


E por último, e não menos importante: a censura. Vemos com apreensão o pedido de fechamento de exposições, a agressão verbal à visitantes das mesmas, museus famosos fazendo uma auto censura (como o caso do Louvre e da escultura abaixo) e já li até setores do legislativo municipal fazendo uma devassa em bibliotecas para extirpar livros (!). Não que a censura às artes seja uma coisa moderna, longe disso. Podem ver nesse texto sobre um pouco da censura na arte como:    
Ao longo da história da arte, obras foram alteradas, silenciadas e até mesmo apagadas devido ao "conteúdo inaceitável" das peças, sendo por questões religiosas, sociais ou políticas. No entanto, há séculos que os artistas vêm empurrando goela abaixo os limites do "ofensivo" com suas obras. Damaris de Angelo
Escultura que foi retirada do Louvre 
Mas não são justamente os Museus os guardiões da produção de pessoas que com suas visões aguçadas ajudaram a mudar padrões e a fomentaram a reflexão através de seus questionamentos?  
"Isso é algo que não deveria acontecer. Um museu deveria ser um local aberto de comunicação. O papel do museu e da imprensa é explicar o trabalho. A peça em si não é muito explícita. É uma forma abstrata, não há genitais. É bastante inocente."Joep van Lieshout
Não são os museus os locais onde reunimos pedaços de nossa produção como espécie que se pretende civilizada? Uma espécie que vai mais além da mera sobrevivência? Que se emociona com o Belo, que se inquieta com a finitude, que se indigna com tanta coisa, que "aponta a Lua, embora muitos só olhem o dedo" ....

E por que Arquitetos se importam com esse olhar sobre espaços? Porque não projetamos para o vazio. Não fazemos nossas criações para serem admiradas apenas por outros arquitetos. Projetamos para pessoas. E pessoas sentem, vivenciam, tem sensações. E tem visões e pensamentos diferenciados. Que projetemos uma arquitetura mais humana para facilitar essas trocas. 


Nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Interno I - escada como elemento formal destacado

A escada como elemento formal de ligação entre os dois andares desta reforma que o escritório do arquiteto italiano Alfredo Vanotti executou chama a atenção pela beleza e fluidez.Feita em ferro e pintada em branco ela não apenas é ponto focal, como serve de divisória para os espaços de estar e cozinha.
O espaço amplo servia de escritório e agora abriga área social no térreo e dormitório com banheiro no piso superior. Tudo isso em um estilo enxuto e ao mesmo tempo aconchegante.Coerente com a proposta do arquiteto de que a sua arquitetura deve falar por si mesma.
Nos siga também nas redes sociais
TwitterFlipboardFacebookInstagramPinterest