Pular para o conteúdo principal

Obra de Debret...e a pergunta: Pode-se conter o artista?

Quem me acompanha há mais tempo aqui no blog, sabe que uma das minhas diversões prediletas são as atividades gastronômicas culturais (e etílicas) do Studio Clio. Elas me dão um refresco na alma e me garantem um alento de sobrevivência porque sem Arte e sem diversão a Vida fica muito pequena. E chata.

O tema do almoço cultural era o olhar de Debret sobre a realidade do Brasil oitocentista. E é interessante destacar como os estados (leia-se aristocracia reinante) de então se valiam dos artistas para passar o seu recado. Pensem que afinal não havia redes sociais, não havia fotografia e cabia aos artistas, especialmente os pintores, a tarefa de mostrar como eram e como viviam os poderosos. E talvez fosse isso o que motivasse tantos mecenatos (e ora vivas que assim o fosse!). Ganhamos todos nós com obras que retratam a arquitetura, os palácios e os acontecimentos importantes. 

Mas ( e aí se encontra um poder fantástico do artista - ser desafiador e curioso), muitos desses que foram contratados para a tarefa de divulgadores do status quo, olhavam além. E seus olhares sensíveis não ficavam alheios à realidade da vida cotidiana. Foi o caso de Debret (com essa intenção ou não) que fez vários estudos e retratou uma realidade que lhe espantava. Talvez encantava de um lado pela diversidade de cores e frutos. Mas também lhe causava espécie o papel dos menos favorecidos (os escravos) que arcavam com o ônus do trabalho duro.
“Tudo assenta, pois, neste país, no escravo negro”. Na roça, o escravo rega com seu suor as plantações do agricultor. Na cidade, o comerciante fá-lo carregar pesados fardos. Se pertence ao capitalista é como operário ou na qualidade de moço de recados que aumenta a renda do senhor. Mas, sempre mediocremente alimentado e maltratado, contrai às vezes os vícios de nossos domésticos, expondo-se a castigos públicos, revoltantes para um europeu”. Debret
No meio de um ambiente acolhedor, desfrutando de um excelente almoço e passeando pelas obras de Debret que mostravam um Rio de antigamente, não pude deixar de pensar no papel da Arte e do artista nos dias de hoje. 

Em tempos de câmeras e meios digitais que retratam tudo sobre a vida de todo mundo (acabo de saber que um jornalista divulgou um exame médico de uma pessoa por julgar de interesse público ao arrepio da privacidade de um doente) é de se pensar como esse olhar desafiador do artista que capta a realidade se manifesta nos nossos dias. Há os que defendem que a Arte deva ser enquadrada e restrita à locais apropriados. Outros defendem a liberdade de expressão, mesmo que fira a propriedade privada. A pergunta é: pode-se conter o artista? Quem define o que é arte? Muitos dos gênios de hoje foram execrados em suas épocas. O que admiramos em Debret hoje não são exatamente as suas obras oficiais mas as que fez pelo seu desejo interno de retratar algo que lhe espantava...   
Almoço Clio | Os pinceis de Debret e seu olhar sobre o Brasil oitocentista
Charles Lopes

"Convidado para integrar a Missão Artística Francesa, Jean-Baptiste Debret desembarcou no Brasil em 26 de março de 1816. Sua principal incumbência, juntamente com outros compatriotas, era a de elaborar as bases de uma Academia de Belas Artes. Ao longo de sua permanência por 15 anos no país, o artista desenvolveu uma intensa relação pessoal e emocional com o território brasileiro. Nesse período, retratou o cotidiano e a sociedade do século XIX, especialmente no Rio de Janeiro. Com sua minuciosa observação eternizou a realeza, a vida da nobreza, o cotidiano de escravos, e os festejos populares do período.Nesse Almoço Clio, o professor Me. Charles Ross Lopes convida a percorrer algumas obras desse magnífico artista, que se consolidaram como registros históricos da formação de nosso povo e nação. Enfim, conheceremos um pouco da produção desse importante mestre para a pintura brasileira. Gastronomia da chef Carine Tigre."
Entrada : Empadinhas de queijo com saladinha de rúcula (adoro empadas então sou suspeita para elogiar, mas estava delicioso. Pena ser só uma...)
Principal: Picadinho à la calvados com purê de mandioca (não costumo comer carne vermelha, mas a quantidade dela não era exagerada e tinha algo no meio que não soube definir se era uva ou cogumelo...mas o aroma e o sabor...dos Deuses!)

Sobremesa: Bavaroise de manga com couli de maracujá (saia justa do almoço. Não curto maracujá - é uma longa história e qualquer dia eu conto. Mas gosto de manga e noves fora, estava muito bom) 
Fonte das imagens de Debret - Carta Capital

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

Organizar. Sempre um desafio na hora de planejar móveis e espaços. E um dos locais onde mais precisamos de locais coringas para guardar coisas são nas nossas cozinhas. 
Haja gavetas, nichos, cantinhos que podem ser aproveitados para os mais diversos usos. Separei algumas ideias para inspiração Aproveitando rodapés: Muitos colegas tem optado por fazer os rodapés de armários de cozinha em alvenaria e revestir a frente com pedras ou cerâmicas. É uma solução pratica principalmente pela limpeza e umidade. Mas se sobrar espaço e a opção for usar rodapés, eles podem ser usados para guardar várias coisas. (Confesso que não sei se são o melhor local para guardar vinhos, mas quem sabe...)   Porta trecos e panos de prato: Eles são super práticos porque aproveitam espaços pequenos e estreitos e guardam aquelas coisas meio feias quando ficam à vista. Não recomendo guardar panos de prato úmidos. E esse porta facas abaixo, ao lado do fogão, é super prático!  
Outro exemplo de aproveitamento de canto par…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…