Pular para o conteúdo principal

Obra de Debret...e a pergunta: Pode-se conter o artista?

Quem me acompanha há mais tempo aqui no blog, sabe que uma das minhas diversões prediletas são as atividades gastronômicas culturais (e etílicas) do Studio Clio. Elas me dão um refresco na alma e me garantem um alento de sobrevivência porque sem Arte e sem diversão a Vida fica muito pequena. E chata.

O tema do almoço cultural era o olhar de Debret sobre a realidade do Brasil oitocentista. E é interessante destacar como os estados (leia-se aristocracia reinante) de então se valiam dos artistas para passar o seu recado. Pensem que afinal não havia redes sociais, não havia fotografia e cabia aos artistas, especialmente os pintores, a tarefa de mostrar como eram e como viviam os poderosos. E talvez fosse isso o que motivasse tantos mecenatos (e ora vivas que assim o fosse!). Ganhamos todos nós com obras que retratam a arquitetura, os palácios e os acontecimentos importantes. 

Mas ( e aí se encontra um poder fantástico do artista - ser desafiador e curioso), muitos desses que foram contratados para a tarefa de divulgadores do status quo, olhavam além. E seus olhares sensíveis não ficavam alheios à realidade da vida cotidiana. Foi o caso de Debret (com essa intenção ou não) que fez vários estudos e retratou uma realidade que lhe espantava. Talvez encantava de um lado pela diversidade de cores e frutos. Mas também lhe causava espécie o papel dos menos favorecidos (os escravos) que arcavam com o ônus do trabalho duro.
“Tudo assenta, pois, neste país, no escravo negro”. Na roça, o escravo rega com seu suor as plantações do agricultor. Na cidade, o comerciante fá-lo carregar pesados fardos. Se pertence ao capitalista é como operário ou na qualidade de moço de recados que aumenta a renda do senhor. Mas, sempre mediocremente alimentado e maltratado, contrai às vezes os vícios de nossos domésticos, expondo-se a castigos públicos, revoltantes para um europeu”. Debret
No meio de um ambiente acolhedor, desfrutando de um excelente almoço e passeando pelas obras de Debret que mostravam um Rio de antigamente, não pude deixar de pensar no papel da Arte e do artista nos dias de hoje. 

Em tempos de câmeras e meios digitais que retratam tudo sobre a vida de todo mundo (acabo de saber que um jornalista divulgou um exame médico de uma pessoa por julgar de interesse público ao arrepio da privacidade de um doente) é de se pensar como esse olhar desafiador do artista que capta a realidade se manifesta nos nossos dias. Há os que defendem que a Arte deva ser enquadrada e restrita à locais apropriados. Outros defendem a liberdade de expressão, mesmo que fira a propriedade privada. A pergunta é: pode-se conter o artista? Quem define o que é arte? Muitos dos gênios de hoje foram execrados em suas épocas. O que admiramos em Debret hoje não são exatamente as suas obras oficiais mas as que fez pelo seu desejo interno de retratar algo que lhe espantava...   
Almoço Clio | Os pinceis de Debret e seu olhar sobre o Brasil oitocentista
Charles Lopes

"Convidado para integrar a Missão Artística Francesa, Jean-Baptiste Debret desembarcou no Brasil em 26 de março de 1816. Sua principal incumbência, juntamente com outros compatriotas, era a de elaborar as bases de uma Academia de Belas Artes. Ao longo de sua permanência por 15 anos no país, o artista desenvolveu uma intensa relação pessoal e emocional com o território brasileiro. Nesse período, retratou o cotidiano e a sociedade do século XIX, especialmente no Rio de Janeiro. Com sua minuciosa observação eternizou a realeza, a vida da nobreza, o cotidiano de escravos, e os festejos populares do período.Nesse Almoço Clio, o professor Me. Charles Ross Lopes convida a percorrer algumas obras desse magnífico artista, que se consolidaram como registros históricos da formação de nosso povo e nação. Enfim, conheceremos um pouco da produção desse importante mestre para a pintura brasileira. Gastronomia da chef Carine Tigre."
Entrada : Empadinhas de queijo com saladinha de rúcula (adoro empadas então sou suspeita para elogiar, mas estava delicioso. Pena ser só uma...)
Principal: Picadinho à la calvados com purê de mandioca (não costumo comer carne vermelha, mas a quantidade dela não era exagerada e tinha algo no meio que não soube definir se era uva ou cogumelo...mas o aroma e o sabor...dos Deuses!)

Sobremesa: Bavaroise de manga com couli de maracujá (saia justa do almoço. Não curto maracujá - é uma longa história e qualquer dia eu conto. Mas gosto de manga e noves fora, estava muito bom) 
Fonte das imagens de Debret - Carta Capital

Gostou? Compartilhe e nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

Coifa, exaustor ou depurador? Saiba qual é a melhor opção para a sua cozinha.

Quem já não passou por isso: Você está cozinhando e quando nota tem fumaça por todo lado, muito calor, além do cheiro da comida se espalhando por outros cômodos da casa. Isso acontece principalmente quando fritamos algum alimento. Para evitar situações como essa, existem depuradores, exaustores e coifas. Mas você sabe o que cada um faz e qual o melhor para o seu tipo de cozinha?

Confira a diferença entre eles e veja o que melhor se adéqua a sua necessidade:

CoifaA coifa tem como função sugar o ar, filtrá-lo e expeli-lo para fora da cozinha por meio de tubos de saída que podem ser instalados no teto, em paredes ou em forros. Ela elimina não somente a gordura e outros odores do ambiente, mas também “renova o ar” da sua cozinha.
Dependendo de onde está localizado o fogão, você pode optar por coifas de parede ou em formato de ilha, que ficam no centro da cozinha. Atualmente, existem coifas para todos os gostos e com designs bem modernos que se adaptam a qualquer tipo de decoração.

Recomenda-…

Círculo da Vida - arquitetura viva

Imagine uma série de construções que sigam o ciclo da natureza de vida, que possam crescer, florescer e fenecer como qualquer organismo vivo. É a ideia por trás da Arquitetura Viva ou botânica construtiva como alguns chamam. Falei sobre este conceito em Arquitetura Orgânica.
E enquanto pesquisa o site dos arquitetos do Obvious Avoid (falei sobre eles na postagem sobre ensinar crianças a pensar como arquitetos) encontrei essa proposta do Círculo da Vida que eles mesmos descrevem como "uma coleção de construções sustentáveis ​​feitas para celebrar a arte, a natureza e a ciência. "
Através de um centro de aprendizado a ser feito em uma floresta mexicana, as pessoas poderiam participar e compreender a natureza em todos os seus processos, tanto de vida como de morte. E onde o local não será apresentando como uma proposta fechada, mas como um processo em crescimento natural.
Os sete passos do ciclo proposto são:
Encontrar e recolher árvores caídasConfeccionar produtos de madeiraUsar p…