Pular para o conteúdo principal

Desenterrando o passado com gastronomia - Apollonia-Arsuf

Uma das primeiras profissões que pensei seguir: arqueologia. Sério, isso foi no tempo em que era criança. Acho que vinha da minha paixão desde sempre por história e pesquisa. Acho que eu não tinha a noção do trabalho braçal que um arqueólogo, mas ficava imaginando como seria maravilhoso descobrir como viviam as pessoas de milhares de anos atrás, como eram suas culturas, suas cidades...

Mas como a vida segue outros rumos e mesmo que o meu teste vocacional feito no colegial tenha marcado História, fui me aventurar pelos caminhos da Arquitetura. Talvez na minha cabecinha da época fosse uma profissão de mais futuro que ensinar história...

Lembrei disso nesse almoço Clio onde fiquei absorvendo a fascinante história da exploração arqueológica do sítio de Apollonia-Asurf 


Apolónia da Palestina (em grego clássico: Απολλωνία; transl.: Apollonia; em hebraico: Tel Arsuf), também chamada Arsuf, Arshof,Arzuf, Aser, Arsur e Sozus, é um sítio arqueológico situado em Herzliya na região SaromIsrael. Era uma cidade romana com umafábrica de vidro. Grandes partes da cidade afundaram no mar.[1] (Wikipédia)
De 1998 a 2012, o prof. Dr. Francisco Marshall (UFRGS) dirigiu a missão científica brasileira que escavou o sítio de Apollonia-Arsuf, em Israel, em uma parceria de diversas universidades brasileiras (UFRGS, PUCRS, USP, UNICAMP, UFPel) com a Tel Aviv University (IL). Foram desenterradas as ruínas de uma villa marítima romana e do castelo de Arsuf, dando origem a um novo parque arqueológico.
(vejam vídeo abaixo onde o professor Marshall fala sobre arqueologia e sobre o sitio de Apollonia)
Uma equipe brasileira tendo uma rara oportunidade de desenterrar o passado no berço da humanidade. Debaixo de sol escaldante, escavando com cuidado, as vezes com sutileza para resgatar peças o mais íntegras possível. E para quê?
Para entender civilizações que nos precederam. Saber como lidavam com a diversidade em suas culturas. Como amavam. Como comerciavam. Como construíam e como viviam.

Como era sua arte. Talvez entender o que pensavam. 
Interessante pensar que, com tanta tecnologia, ainda estejamos curiosos por pessoas que viveram há tanto tempo atrás. E estamos. 

Interessante observar como o ser humano necessita conhecer, absorver sua história. Entender as motivações, as realizações. Tecer o intricado quebra cabeças de unir peças, ruínas, traçados e pistas que levam ao conhecimento.

Ainda bem que somos mais que máquinas. Há esperança. 


Entrada
Salada de espinafre, tâmaras e amêndoas ao perfume de limão siciliano.
(a salada estava muito boa. No meu gosto, o perfume do limão podia ser um pouco mais sutil)
Prato principal
Frango assado com tangerina e arak com purê de moranga e tahine
Sobremesa
Pêras ao vinho branco e cardamomo com labneh
(O labneh é uma espécie de coalhada)
gastronomia da chef Carine Tigre. 


Fonte das fotos: http://galileu.globo.com/edic/107/con_israel1.htm

Nos siga também nas redes sociais
Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest 
snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi