Pular para o conteúdo principal

Reusando objetos na decoração

Sustentabilidade. Palavrinha que está na boca do povo e no sonho de muitos. Interessante analisar porque acabamos entrando nessa necessidade de salvar o meio ambiente. Em simples palavras porque ajudamos a acabar com ele. Ou quase. E nesse acabar entra o consumo excessivo, nossos hábitos confortáveis de vida, nossa mania de querer ter o último modelo disso ou daquilo, ou toda quinquilharia que pudermos importar (de preferência) lá bem de longe. Ao custo de muita energia....

E isso vem acontecendo em um período relativamente curto. Eu me lembro de quando o consumismo exacerbado não existia...e nem sou tão velha assim (ou pelo menos acho que não sou). 

Hoje estou meio incomodada com uma oferta de paletes por email. Novos e da Ásia. Fico pensando que o tal reúso possa estar sendo desvirtuado. Ao invés de reaproveitar (atitude reativa ao problema) estamos fazendo de conta que somos moderninhos e preocupados com o meio ambiente. Virou modinha mais que consciência? (Cá entre nós, já vi paletes em quarto de bebê...e não seria o material mais recomendável, não é verdade?)

Atitude mais correta é na verdade reduzir. Reduzir a necessidade de gastos, sejam de materiais ou energéticos. O reúso vem após, na intenção de não desperdiçar. 
A segunda prática do podium é o reúso. Obviamente, temos que valorizar muito mais o espaço já construído, reformar é sempre muitíssimo melhor que demolir. Aqui o arquiteto tem muitíssimo o que colaborar, desde o conceito e concepção do projeto. As edificações tem vida útil bem longa, e quanto maior esta for, mais sustentável será. Para promover o reúso, os espaços devem ser multiuso. Aqui temos que pensar muito além dos anseios apresentados pelo cliente...(Oscar Muller)
E aí sim, temos um belo campo para explorar objetos que seriam descartados. Os que ainda tem utilidade prática podem ser doados numa boa. Mas os que não tem, não precisam ir para o lixo. Dá para fazer uma releitura e eles podem ter uma nova vida com muitos efeitos interessantes. Vejam abaixo alguns exemplos.

Fonte
Panelas, tachos, elementos de cozinhas são objetos bem bacanas para novos usos. Podem ser usados como elementos quase dramáticos de marcação de entradas. Ou como luminárias, uso mais corriqueiro.   
Fonte
Cestos de basquete com um novo uso como luminária. Confesso que gostei. Me julguem, meus gostos andam mais ecléticos...
Fonte
Um ar todo coloquial foi realçado nessa loja gourmet com o uso dos tachos como luminárias e das caixinhas de ovos como revestimento de parede. 
Fonte
Esse exemplo dos raladores eu gosto demais, por isso estou reprisando aqui. 
Fonte
Os bules pendurados me dão uma sensação de Alice no País das Maravilhas. Para vocês não?
fonte
Latas velhas sempre me relembram uma certa sustentabilidade afetiva. E reaproveitar as embalagens da obra me parece uma atitude bacana.
Fonte


Fonte
Placas antigas são sempre cult. E grandes caldeirões me lembram magia. E magia é sempre fascinante.
Fonte

Leia também:


Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…