Pular para o conteúdo principal

Reusando objetos na decoração

Sustentabilidade. Palavrinha que está na boca do povo e no sonho de muitos. Interessante analisar porque acabamos entrando nessa necessidade de salvar o meio ambiente. Em simples palavras porque ajudamos a acabar com ele. Ou quase. E nesse acabar entra o consumo excessivo, nossos hábitos confortáveis de vida, nossa mania de querer ter o último modelo disso ou daquilo, ou toda quinquilharia que pudermos importar (de preferência) lá bem de longe. Ao custo de muita energia....

E isso vem acontecendo em um período relativamente curto. Eu me lembro de quando o consumismo exacerbado não existia...e nem sou tão velha assim (ou pelo menos acho que não sou). 

Hoje estou meio incomodada com uma oferta de paletes por email. Novos e da Ásia. Fico pensando que o tal reúso possa estar sendo desvirtuado. Ao invés de reaproveitar (atitude reativa ao problema) estamos fazendo de conta que somos moderninhos e preocupados com o meio ambiente. Virou modinha mais que consciência? (Cá entre nós, já vi paletes em quarto de bebê...e não seria o material mais recomendável, não é verdade?)

Atitude mais correta é na verdade reduzir. Reduzir a necessidade de gastos, sejam de materiais ou energéticos. O reúso vem após, na intenção de não desperdiçar. 
A segunda prática do podium é o reúso. Obviamente, temos que valorizar muito mais o espaço já construído, reformar é sempre muitíssimo melhor que demolir. Aqui o arquiteto tem muitíssimo o que colaborar, desde o conceito e concepção do projeto. As edificações tem vida útil bem longa, e quanto maior esta for, mais sustentável será. Para promover o reúso, os espaços devem ser multiuso. Aqui temos que pensar muito além dos anseios apresentados pelo cliente...(Oscar Muller)
E aí sim, temos um belo campo para explorar objetos que seriam descartados. Os que ainda tem utilidade prática podem ser doados numa boa. Mas os que não tem, não precisam ir para o lixo. Dá para fazer uma releitura e eles podem ter uma nova vida com muitos efeitos interessantes. Vejam abaixo alguns exemplos.

Fonte
Panelas, tachos, elementos de cozinhas são objetos bem bacanas para novos usos. Podem ser usados como elementos quase dramáticos de marcação de entradas. Ou como luminárias, uso mais corriqueiro.   
Fonte
Cestos de basquete com um novo uso como luminária. Confesso que gostei. Me julguem, meus gostos andam mais ecléticos...
Fonte
Um ar todo coloquial foi realçado nessa loja gourmet com o uso dos tachos como luminárias e das caixinhas de ovos como revestimento de parede. 
Fonte
Esse exemplo dos raladores eu gosto demais, por isso estou reprisando aqui. 
Fonte
Os bules pendurados me dão uma sensação de Alice no País das Maravilhas. Para vocês não?
fonte
Latas velhas sempre me relembram uma certa sustentabilidade afetiva. E reaproveitar as embalagens da obra me parece uma atitude bacana.
Fonte


Fonte
Placas antigas são sempre cult. E grandes caldeirões me lembram magia. E magia é sempre fascinante.
Fonte

Leia também:


Nos siga também nas redes sociais

Twitter Flipboard Facebook Instagram Pinterest snapchat: arqsteinleitao

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como