MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Pritzker 2016 - Arquitetura melhorando a vida das pessoas

Um jovem chileno com uma produção engajada socialmente é o ganhador do Nobel da Arquitetura, o prêmio Pritzker.  Desde 1979 arquitetos das mais variadas origens, quase todos homens, tem sido premiados pelas suas obras, entre eles Oscar Niemeyer (1988) e Paulo Mendes da Rocha (2006). Alejandro Aravena, o premiado de 2016, parece consolidar uma tendência de que a Arquitetura seja vista não apenas como geradora de beleza e produção individual de um artista genial, mas como uma profissão que pode contribuir para a vida das pessoas.
a arquitetura, no seu melhor, pode melhorar a vida das pessoas. Tom Pritzker
Foi uma notícia que muito me alegrou. Eu sempre vi a Arquitetura como fator de aprimoramento da sociedade. Admiro grandes obras que encantam pela beleza, elas tem a sua função também já que a arte, o belo, nos resgata um lado mais humano e sensível. Faz bem à alma. Mas também sei que grandes obras como essas necessitam geralmente de um mecenas que as banque (basta olhar a história da humanidade). 

Por outro lado, nem todos moramos em Palácios ou templos. Nós moramos em casas reais, com problemas reais que necessitam soluções. E há aquelas camadas da população que são mais carentes e por isso mesmo, ainda mais necessitadas de quem proponha ideias e projetos de habitações e espaços que sejam funcionais, econômicos na execução e manutenção, ambientalmente corretos. E com isso tudo equacionado, resultem belos.

Este é o caso do trabalho de Aravena. Com seu estúdio ELEMENTAL vem se dedicando à habitações sociais, com propostas eficazes e arrebatando vários prêmios na sua trajetória.     
UC Innovation Center – Anacleto Angelini, 2014, San Joaquín Campus, Universidad Católica de Chile, Santiago, Chile
Sketch by ELEMENTAL (Alejandro Aravena)
Monterrey Housing, 2010, Monterrey, Mexico
Photo by Ramiro Ramirez — An example of middle-class standard achieved by the residents themselves.


Quinta Monroy Housing, 2004, Iquique, Chile
Photos by Cristobal Palma — Left: “Half of a good house” financed with public money. Right: Middle-class standard achieved by the residents themselves.

Siamese Towers, 2005, San Joaquín Campus, Universidad Católica de Chile, Santiago, Chile, University classrooms and offices
Sketch by Alejandro Aravena

As justificativas para a escolha de seu nome na premiação de 2016 encerram o reconhecimento do seu protagonismo como participe da construção de soluções que beneficiem a humanidade.
Alejandro Aravena simboliza o renascimento de um arquiteto mais socialmente engajado, especialmente em seu compromisso de longo prazo para enfrentar a crise global da habitação e lutar por um melhor ambiente urbano para todos. Ele tem uma profunda compreensão da arquitetura e da sociedade civil, como se reflete em sua escrita, sua militância e seus projetos. O papel do arquiteto está agora a ser desafiado para servir maiores necessidades sociais e humanitárias, e Alejandro Aravena claramente, generosa e totalmente respondeu a este desafio. 
 Essa premiação com todo a visibilidade que atrai, sinaliza rumos para a Arquitetura. Mais que uma produção de mentes individuais, um trabalho solidário e construtivo. Mais que obras que causam um OHHHH pela monumentalidade, um trabalho de construção conjunta e focado nas necessidades humanas, mormente as de populações mais carentes. Uma arquitetura mais social e mais afeita ao mundo onde se insere. 

Mas ainda temos muito a percorrer. Uma arquitetura social de verdade deve ser propositiva de não apenas habitações, mas de soluções urbanas que transformem nossas cidades, nossos espaços, nossa vida. Urge que arquitetos se voltem para a potencialidade que tem a oferecer com a solução dessas necessidades.


Muito mais do que trabalhar com arquitetura para camadas de rendas diferenciadas, que não têm acesso a arquitetura, a nossa função social hoje é, principalmente, trabalhar com a cidade. Entender a cidade no seu conjunto. Atualmente, cada vez mais, a produção da cidade é feita de forma fragmentada, setorial , abandonando a ideia de planejamento e de perspectivas de métodos de qualificação, de ampliação e de expansão da cidade. arquiteta e urbanista Angela Gordilho


Leia também



Fonte das imagens 

Gostou? Tem alguma sugestão? 
Comenta e conta para a gente a sua opinião. 
Nos siga também nas redes sociais
Twitter 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros