Pular para o conteúdo principal

Papel e origami em belas formas inspiram arte e arquitetura

O papel e seus mistérios. Me fascinam desde muito.

Seja para expandir ideias, conter palavras, oferecer mundos. Seja para ser dobrado, cortado, transformado em poemas e delicadezas. 

Eu já estava separando algumas ideias para colocar por aqui quando vi este trabalho do barco em uma clínica. Não sei (ainda) quem o fez, mas me encanta quem consegue trabalhar com papéis e fazer com dobraduras tantas formas encantadoras. 

Leia também:


Vejam abaixo mais alguns exemplos de trabalhos em papel. Alguns com recortes, outros usando técnicas como origami.   
 
Mapa de Brisbane em papel recortado
O mapa da cidade de Brisbane na Austrália recortado em papel. Um trabalho primoroso e delicado. Uma verdadeira obra de arte.
Bule Cecilia Levy
Uma série de objetos, entre eles, delicadas peças de chá, feitas pela artista sueca Cecilia Levy usando páginas de livros reciclados.Embora não sejam feitas para um uso real, são de uma beleza ímpar e eu adoraria ter uma peça dessas.
Xícara de papel - Cecília Levy

Xícara de papel - Cecília Levy
Representar cortes e espaços de um projeto em um livro. Fascinante! Uma apresentação super requintada de uma ideia.
Uma técnica que utiliza os conceitos de Origami e Kirigami na versão da Designer holandesa Ingrid Siliakus criando volumes arquitetônicos.

Recortes revelando formas. Pura arte!
Origami em objetos como nessa luminária abaixo. Tão requintada que não parece ser feita de dobraduras. O resultado é praticamente uma forma orgânica. Um poema.
Também na Arquitetura podemos ter a presença dos origamis e papel. Este abrigo temporário para pessoas desabrigadas é feito com essa técnica. projetado pela designer Tina Hovsepian recebeu o nome de Cardborigami. 


Cardborigami -a abrigo de papelão
E finalmente uma estrutura que não é feita de papelão, mas é baseada nessa técnica de dobradura. Também é uma proposta de abrigo temporário projetado pelo coletivo australiano Laboratory for Visionary Architecture– LAVA. 

 
 Fonte das imagens - Origami e Papel

Leia também:
Gostou? Tem alguma sugestão? 

Comenta e conta para a gente a sua opinião. 
Nos siga também nas redes sociais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Arquitetando o nosso dia e relembrando Niemeyer

  Arquitetura é uma voragem que seduz quem nela mergulha em seus mistérios e criações. Mais que uma profissão, para muitos, é mergulho em algo tão diferente que poderia se chamar de paixão. Talvez pensamentos de gente que cresceu em outras eras, onde a poesia ainda se misturava ao afazer arquitetônico. Não importa, sejamos mais comerciantes ou mais poetas, o arquitetar espaços para as pessoas e sociedades é um exercício particular muito bonito. E enriquecedor. E falar de arquitetura no Brasil em citar Oscar Niemeyer é meio impossível. Seja para falar a favor ou contra. O dia de seu aniversário fica marcado como o dia do Arquiteto e Urbanista .  Da estudante de 17 anos que andava pelos corredores do minhocão, como eram chamados os prédios curvos da UnB à arquiteta que ora vos escreve, em plena pandemia, muitas transformações.   Eu era daquelas que traçavam tratados contra o arquiteto famoso que era ,para mim, mais escultor que arquiteto. Tinha a empáfia dos mais jovens enquanto vivia mo