Pular para o conteúdo principal

O desafio de prover água para nossas cidades

Água. Simples, pura, cristalina. As civilizações cresceram ao redor de rios, a abundância de água sempre fez a diferença para fartas colheitas, criação de cidades e comunidades asseadas (isso estou lendo no livro "Tudo sobre a casa" na parte dos banheiros). Mas como vencer hoje o desafio, cada vez mais premente, de prover água para nossas grandes cidades? É o que vemos nesse TED com o engenheiro David Sedlak, autor do livro "Water 4.0".     

Fonte
Segundo Sedlak, apesar de nossa civilização ter gasto muito dinheiro para dotar nossos centros urbanos de água, vemos que muitas delas se encontram ameaçadas de racionamento por diversos motivos. Aqui no Brasil tivemos o exemplo dramático de nossa maior metrópole, São Paulo e arredores, com uma grave crise de abastecimento de seus recursos hídricos.

Aquilo que parecia uma pesadelo, se tornou real para muitas pessoas aqui mesmo no Brasil. Abrir a torneira e não sair uma gota.... 

Como então enfrentar esse desafio de prover água para nossas cidades?

Para o engenheiro Sedlak a saída estaria em investir em quatro novas fontes locais de água que ele compara a torneiras.

Primeira torneira: Aproveitamento da água da chuva

E não é com a construção de cisternas não. Para ele captar por tanques ou seja lá o que o for, é paliativo. Urge fazer com que a água da chuva possa ser infiltrada no solo e possa reabastecer o subsolo, onde normalmente se encontram sistemas de armazenamento natural de água. Para isso urge repensar a impermeabilização que se faz do solo urbano, com calçamentos que não permitem a passagem da água.
Recolher a água que se infiltra no solo, limpá-la e retorná-la para o consumo humano é uma das torneiras que devem ter investimentos em nossas cidades. Ele cita o exemplo do parque de águas pluviais de Burbank, na Califórnia onde a água é capturada em uma pedreira abandonada, passa pelo solo e recarrega o aquífero da cidade.  
...no processo de passagem através da zona úmida e percolação através do solo, a água encontra micróbios que vivem sobre as superfícies das plantas e do solo, e que purifica a água. 

Segunda torneira: Reciclagem da água de esgoto

Um sistema que já vem sendo usado, principalmente para rega de plantas e limpeza. Mas é um sistema que é caro para os centros urbanos, são precisos redes de tubulação para levar a água para todos os locais. O que se está fazendo é uma maneira mais prática e econômica de tornar a água potável e que consiste em
transformar águas residuais tratadas em água potável através de um processo de duas etapas. Na primeira etapa, pressurizar a água e passá-la através de uma membrana de osmose reversa: uma membrana de plástico permeável fina que permite que as moléculas de água passem através mas que retém os sais, os vírus e os produtos químicos orgânicos que podem estar presentes nas águas residuais. Na segunda etapa, se adicionar uma pequena quantidade de peróxido de hidrogênio e luz ultravioleta sobre a água que ajudam a limpar a maioria dos produtos químicos orgânicos.
Há também maneiras mais naturais de reciclar a água, usando algas e luz solar. Ele cita um exemplo que foi construído no sul da Califórnia. Aliás este tipo de tratamento é considerado uma das tendências para limpar águas de rios no mundo.   

Terceira torneira: Conservação da água

Incluí não desperdício da água tratada e também paisagismo mais inteligente (para essa finalidade) com uso de plantas que não necessitem de tanta água e sistemas de detecção de umidade do solo e controle de irrigação. As áreas secas agradecem. E continuaremos a ter belos jardins, mesmo em tempos de poucas ou quase nenhuma chuva. Segundo ele, podemos obter um ganho de 25% no abastecimento de água com essas medidas. 

Quarta torneira: Dessalinização da água do mar

Ele faz a ressalva de que, embora as estações de tratamento de dessalinização tenham se tornado mais econômicas no dispêndio de energia, essa "torneira" é a mais potencialmente prejudicial para o ambiente. Então deve ser uma alternativa muito bem medida e usada em locais onde seja realmente necessária.

Ele nos dá números em sua fala:

Muita de suas soluções são focadas no local onde vive, a Califórnia. Mas o alerta que ele faz é global: temos que repensar e criar sistemas de água que sejam consistentes com os nossos valores ambientais e com o mundo que queremos deixar para nossos filhos e netos.



Gostou? Tem alguma sugestão? 
Comenta e conta para a gente a sua opinião. 
Nos siga também nas redes sociais
Twitter 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Calungas, a representação da escala nos desenhos

Fonte Embora as fotografias de Arquitetura raramente tenham seres humanos, as representações gráficas dos projetos as tem. As calungas. Este nome esquisito foi o que aprendi a nominar a representação humana nos desenhos, a tal da escala humana, que mostra de maneira mais clara como os espaços se conformam em proporção aos nossos corpos.  Fonte Hoje é muito comum que tenhamos blocos de seres humanos, animais e plantas em todos os programas gráficos. E há sites onde podemos buscar figuras das mais diversas etnias e movimentos para humanizar nossas plantas e perspectivas. Me lembrei das calungas ao falar com um colega arquiteto, bem mais jovem que eu, que me mostrou fotos de projetos da década de 80, com simpáticas figuras, simulando movimentos. E, para minha surpresa, ele nunca tinha ouvido falar do termo calunga. Como eu nunca tinha parado para pensar sobre isso, fui dar uma rápida pesquisada e achei que o termo tem origem africana  e talvez tenha vindo em função das b

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como