Pular para o conteúdo principal

O desafio de prover água para nossas cidades

Água. Simples, pura, cristalina. As civilizações cresceram ao redor de rios, a abundância de água sempre fez a diferença para fartas colheitas, criação de cidades e comunidades asseadas (isso estou lendo no livro "Tudo sobre a casa" na parte dos banheiros). Mas como vencer hoje o desafio, cada vez mais premente, de prover água para nossas grandes cidades? É o que vemos nesse TED com o engenheiro David Sedlak, autor do livro "Water 4.0".     

Fonte
Segundo Sedlak, apesar de nossa civilização ter gasto muito dinheiro para dotar nossos centros urbanos de água, vemos que muitas delas se encontram ameaçadas de racionamento por diversos motivos. Aqui no Brasil tivemos o exemplo dramático de nossa maior metrópole, São Paulo e arredores, com uma grave crise de abastecimento de seus recursos hídricos.

Aquilo que parecia uma pesadelo, se tornou real para muitas pessoas aqui mesmo no Brasil. Abrir a torneira e não sair uma gota.... 

Como então enfrentar esse desafio de prover água para nossas cidades?

Para o engenheiro Sedlak a saída estaria em investir em quatro novas fontes locais de água que ele compara a torneiras.

Primeira torneira: Aproveitamento da água da chuva

E não é com a construção de cisternas não. Para ele captar por tanques ou seja lá o que o for, é paliativo. Urge fazer com que a água da chuva possa ser infiltrada no solo e possa reabastecer o subsolo, onde normalmente se encontram sistemas de armazenamento natural de água. Para isso urge repensar a impermeabilização que se faz do solo urbano, com calçamentos que não permitem a passagem da água.
Recolher a água que se infiltra no solo, limpá-la e retorná-la para o consumo humano é uma das torneiras que devem ter investimentos em nossas cidades. Ele cita o exemplo do parque de águas pluviais de Burbank, na Califórnia onde a água é capturada em uma pedreira abandonada, passa pelo solo e recarrega o aquífero da cidade.  
...no processo de passagem através da zona úmida e percolação através do solo, a água encontra micróbios que vivem sobre as superfícies das plantas e do solo, e que purifica a água. 

Segunda torneira: Reciclagem da água de esgoto

Um sistema que já vem sendo usado, principalmente para rega de plantas e limpeza. Mas é um sistema que é caro para os centros urbanos, são precisos redes de tubulação para levar a água para todos os locais. O que se está fazendo é uma maneira mais prática e econômica de tornar a água potável e que consiste em
transformar águas residuais tratadas em água potável através de um processo de duas etapas. Na primeira etapa, pressurizar a água e passá-la através de uma membrana de osmose reversa: uma membrana de plástico permeável fina que permite que as moléculas de água passem através mas que retém os sais, os vírus e os produtos químicos orgânicos que podem estar presentes nas águas residuais. Na segunda etapa, se adicionar uma pequena quantidade de peróxido de hidrogênio e luz ultravioleta sobre a água que ajudam a limpar a maioria dos produtos químicos orgânicos.
Há também maneiras mais naturais de reciclar a água, usando algas e luz solar. Ele cita um exemplo que foi construído no sul da Califórnia. Aliás este tipo de tratamento é considerado uma das tendências para limpar águas de rios no mundo.   

Terceira torneira: Conservação da água

Incluí não desperdício da água tratada e também paisagismo mais inteligente (para essa finalidade) com uso de plantas que não necessitem de tanta água e sistemas de detecção de umidade do solo e controle de irrigação. As áreas secas agradecem. E continuaremos a ter belos jardins, mesmo em tempos de poucas ou quase nenhuma chuva. Segundo ele, podemos obter um ganho de 25% no abastecimento de água com essas medidas. 

Quarta torneira: Dessalinização da água do mar

Ele faz a ressalva de que, embora as estações de tratamento de dessalinização tenham se tornado mais econômicas no dispêndio de energia, essa "torneira" é a mais potencialmente prejudicial para o ambiente. Então deve ser uma alternativa muito bem medida e usada em locais onde seja realmente necessária.

Ele nos dá números em sua fala:

Muita de suas soluções são focadas no local onde vive, a Califórnia. Mas o alerta que ele faz é global: temos que repensar e criar sistemas de água que sejam consistentes com os nossos valores ambientais e com o mundo que queremos deixar para nossos filhos e netos.



Gostou? Tem alguma sugestão? 
Comenta e conta para a gente a sua opinião. 
Nos siga também nas redes sociais
Twitter 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n