Pular para o conteúdo principal

Bairro popular com revitalização autossustentável

Transformar uma área de habitação social do pós guerra em um bairro autossuficiente e sustentável. Eis o desafio deste projeto do escritório holandês EXCEPT para a cidade de Roterdã. 

O projeto Schiebroek-Zuid, encomendado pela Vestia, envolveu parceria com a comunidade e redes de pesquisa.  
Habitação social autossustentável

Transformação da habitação social

Transformar o modelo antigo e já desgastado de repetições monótonas de tipologia em um novo modelo de habitação mais dinâmica, bonita, sustentável, usando tecnologias mais afinadas com o foco no ambientalismo. Uma comunidade que seja voltada para a autossuficiência, gerando sua própria água, eletricidade, aquecimento, tratamento de resíduos e até 70% de sua alimentação via agricultura sustentável!  

Metabolismo de ciclo fechado

O planejamento foi feito de tal maneira que o bairro funcione como um sistema de metabolismo fechado. Ou seja, gerando o que consome em termos de infra estrutura de água e energia. Além disso, programas sócio econômicos complementam o objetivo de autossuficiência pretendidas, assim como as interações sociais, culturais e econômicas.  

Sustentabilidade Integrada

O escritório usou uma abordagem holística para o planejamento com uma visão integrada, integradora e integrante. Seus enfoques foram baseados em uma metodologia chamada de Symbiosis in Design (SID) que "garante e facilita a integração dos diversos elementos da sustentabilidade em um quadro de cooperação."

Desenvolvimento Social e Econômico

Não apenas os aspectos urbanísticos e arquitetônicos foram levados em consideração, mas também programas sociais que integrem e ajudem a população local a se inserir na comunidade, cidade e na vida econômica. Novas formas de economia, como uma moeda local que serve de impulsionador de negócios e incentivador de poupança de energia e esforços para redução de resíduos.

Recursos para Autossuficiência

Através da geração de energia via captação solar e biogás se pretende que o bairro seja mais autossustentável.

Paisagismo comestível 

Transformar os antigos gramados em áreas de cultivo reforça a ideia de que estas áreas mais degradadas podem ser recuperadas através da renovação em vez da destruição.


Um exemplo interessante que mostra que bairros populares não precisam ser essas infinitas casinhas ou caixotes que se repetem numa infindável monotonia. E que mesmo os hoje existentes podem ser recuperados com uma visão mais criativa e generosa, com apoio de organizações de cunho cooperativo e com a participação da comunidade. Há uma outro mundo a ser feito. Há gente capaz de fazer. Mãos a obra, portanto, que o mundo é dos que agem e acreditam nos seus sonhos.

Imagem do bairro existente 

Imagens da proposta e dos estudos de fluxos

Habitação social autossustentável

Habitação social autossustentável

Habitação social autossustentável

Habitação social autossustentável

Habitação social autossustentável

Habitação social autossustentável

Habitação social autossustentável


Fonte   


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Curta no Facebook  Assine no Flipboard


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Kiah, um santuário sustentável forte e positivo com home office

Uma herança que a pandemia de 2020 nos lega é uma maior consciência com os nossos espaços residenciais. Fomos obrigados a conviver full time em nossas casas, as usando como local de trabalho e não apenas como dormitórios. Isso fez com que o olhar se tornasse muito agudo para as necessidades e as deficiências a corrigir. Não a toa o boom de reformas e mudanças daqueles que podem se dar a este luxo no período após muitos meses isolados. Eu mesma tenho escrito menos no blog e isso é consequência direta de toda a gama de emoções que afloraram neste período onde portas se fecham e janelas se abrem .  Por isso achei interessante como assunto de volta, trazer esta casa australiana que contempla exatamente essa necessidade de focar em espaços de qualidade em uma casa de campo. Um casal, seus três gatos e a vontade de um "santuário forte e positivo" que incluiu, na reforma da residência, um dormitório que fosse mais que um local de dormir e um espaço para trabalhar com conforto e aleg

Transparência e estrutura em madeira na nova loja da Apple na Tailândia

Uma grande árvore em madeira cercada por um fechamento em vidro é a aparência da maior loja da Apple na Tailândia. Projetada pelo renomado estúdio de  Foster + Partners  foi inaugurada em julho de 2020, em plena pandemia. Batizada de Apple Central World, a loja tem um diâmetro de 25 metros e sua forma foi gerada por uma curva de Bezier 360 °, uma curva paramétrica usada em computação gráfica. Veja AQUI mais detalhes de como foi feito. Todos sabemos que a Apple segue o conceito de se diferenciar em inovação e as suas lojas representam esse modo de se posicionar no mercado. Na nova loja asiática são usados 1461 perfis de carvalho branco europeu no revestimento da coluna de suporte do telhado.  A aparência interna é de um grande tronco que sustenta a copa de madeira em balaço. Uma escada de aço inoxidável serve de conexão para os andares. O prédio tem um fechamento totalmente envidraçado o que permite a visão da cidade e a transparência externa para quem vê o prédio que se mostra e convi

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi

Banheiros na China: um problema que o governo quer atacar

Acordo de manhã e faço algo quase automático. Vou ao banheiro. Ao dar descarga no vaso e usar a água que sai das torneiras para lavar o rosto e escovar os dentes, não lembro que este é um privilégio que 60% da população mundial não tem. Segundo dados da ONU  cerca de 4,5 bilhões de pessoas não tem o luxo de ter um banheiro em boas condições para usufruto. Foi criado inclusive um Dia Mundial dos Banheiros, em 19 de novembro, para marcar o alerta sobre o tema. Nem sempre lembramos disso. Nossas preocupações com banheiros são mais estéticas e nossos maiores problemas são com um maior ou menor tamanho dessas peças. Nos damos ao requinte de termos vários espaços sanitários em nossas casas. Mas e se não fosse assim? Lembro de minha mãe contando sobre as casinhas de sua infância, os locais que ficavam afastados das casas e onde as pessoas satisfaziam suas necessidades fisiológicas. Em muitos locais do planeta essa ainda é a realidade. Mesmo naquela que todas as previsões apontam como