Pular para o conteúdo principal

Trabalhador em Arquitetura e Urbanismo : questões para pensar

Esses dias postei em uma rede social (eufemismo para não citar a própria) uma piada. Na original era sobre médicos, mas troquei por arquitetos. Era sobre a defasagem entre os honorários de profissionais liberais e a mão de obra especializada. Era para ser algo para rir, mas pelos comentários que recebi, não.
E qual seria exatamente a razão? Existe um imaginário que arquitetos são profissionais que ganham muito - ou tem a possibilidade de ganhar. Talvez venha do pretenso "glamour" vendido em revistas e mostras de arquitetura e interiores. Mas muitos alunos seguidamente fazem a pergunta que eu me fazia ao entrar: esse "troço" é viável? Por troço entendam viver de uma arquitetura pura, fazendo projetos, levando uma vida dita normal. Tendo talvez possibilidades de emprego e/ou concursos. Fazer expediente, ir para casa e descansar. Ter direito a 13, férias, segurança?

A resposta? Talvez a mesma que me davam. É difícil. Sim, não é impossível viver bem de arquitetura. Muitos vivem. Inclusive com bons empregos. Mas não é a regra.

E por coincidência, o Abílio Guerra, do prestigiado portal Vitruvius, me pediu autorização para colocar duas fotos minhas dos céus de Porto Alegre. Fiquei super honrada e olhem o artigo: Emprego em arquitetura e urbanismo e nova morfologia do trabalho      


O autor, Bruno César Euphrasio de Mello, analisa o panorama do emprego na Arquitetura e Urbanismo, com notas sobre a realidade do Rio Grande do Sul. Mas pelo que conheço do país, não creio que difira muito do geral da nação.

E diria que com mudanças aqui e ali, em função da modernidade tecnológica e novas leis, também não difere da realidade que venho vendo no decorrer dessas três décadas de profissão. 

Há poucas ainda alternativas em forma de concursos. Há relativamente poucas alternativas em forma de empregos com carteira assinada. Em geral os arquitetos recém formados conseguiam empregos em escritórios também não muito grandes, cuja carga de trabalhos não comportava um elenco de profissionais muito extenso. A terceirização vem sendo praticada desde muito. Antigamente de forma mais precária, através de recibos de autônomos. Hoje talvez em forma de firmas individuais. Lembro que houve uma época em que se falou em cooperativas de trabalho. Alguns colegas fizeram algumas tratativas, mas não sei o resultado. Creio que não foram adiante. O que vejo de forma mais comum são pequenos escritórios com estagiários e (talvez) um ou outro profissional contratado de forma fixa ou esporádica.

Por isso tendo a concordar com as conclusões do artigo.


Talvez o recente Conselho próprio nos faça crescer como profissão mais consciente e com conquistas mais gerais. Sou otimista, não esqueçam. Mas para que isso aconteça, não há que se esperar que essas conquistas caiam do céu. É preciso refletir sobre o que queremos como profissionais. E pensando mais longe, não apenas nos casos individuais. Há uma massa expressiva de colegas saindo das faculdades a cada ano. Haverá mercado para eles? Que mercado queremos? Qual a nossa visão sobre o trabalhador arquiteto? Como avançar na igualdade de gêneros em salários e oportunidades? Quais os estímulos para concursos de projetos como prioridade para obras públicas? Enfim, há uma série de questões que existem há muito e devem ser enfrentadas pela classe para que possamos comemorar no futuro. 

Leia mais sobre a Profissão AQUI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi