Pular para o conteúdo principal

Trabalhador em Arquitetura e Urbanismo : questões para pensar

Esses dias postei em uma rede social (eufemismo para não citar a própria) uma piada. Na original era sobre médicos, mas troquei por arquitetos. Era sobre a defasagem entre os honorários de profissionais liberais e a mão de obra especializada. Era para ser algo para rir, mas pelos comentários que recebi, não.
E qual seria exatamente a razão? Existe um imaginário que arquitetos são profissionais que ganham muito - ou tem a possibilidade de ganhar. Talvez venha do pretenso "glamour" vendido em revistas e mostras de arquitetura e interiores. Mas muitos alunos seguidamente fazem a pergunta que eu me fazia ao entrar: esse "troço" é viável? Por troço entendam viver de uma arquitetura pura, fazendo projetos, levando uma vida dita normal. Tendo talvez possibilidades de emprego e/ou concursos. Fazer expediente, ir para casa e descansar. Ter direito a 13, férias, segurança?

A resposta? Talvez a mesma que me davam. É difícil. Sim, não é impossível viver bem de arquitetura. Muitos vivem. Inclusive com bons empregos. Mas não é a regra.

E por coincidência, o Abílio Guerra, do prestigiado portal Vitruvius, me pediu autorização para colocar duas fotos minhas dos céus de Porto Alegre. Fiquei super honrada e olhem o artigo: Emprego em arquitetura e urbanismo e nova morfologia do trabalho      


O autor, Bruno César Euphrasio de Mello, analisa o panorama do emprego na Arquitetura e Urbanismo, com notas sobre a realidade do Rio Grande do Sul. Mas pelo que conheço do país, não creio que difira muito do geral da nação.

E diria que com mudanças aqui e ali, em função da modernidade tecnológica e novas leis, também não difere da realidade que venho vendo no decorrer dessas três décadas de profissão. 

Há poucas ainda alternativas em forma de concursos. Há relativamente poucas alternativas em forma de empregos com carteira assinada. Em geral os arquitetos recém formados conseguiam empregos em escritórios também não muito grandes, cuja carga de trabalhos não comportava um elenco de profissionais muito extenso. A terceirização vem sendo praticada desde muito. Antigamente de forma mais precária, através de recibos de autônomos. Hoje talvez em forma de firmas individuais. Lembro que houve uma época em que se falou em cooperativas de trabalho. Alguns colegas fizeram algumas tratativas, mas não sei o resultado. Creio que não foram adiante. O que vejo de forma mais comum são pequenos escritórios com estagiários e (talvez) um ou outro profissional contratado de forma fixa ou esporádica.

Por isso tendo a concordar com as conclusões do artigo.


Talvez o recente Conselho próprio nos faça crescer como profissão mais consciente e com conquistas mais gerais. Sou otimista, não esqueçam. Mas para que isso aconteça, não há que se esperar que essas conquistas caiam do céu. É preciso refletir sobre o que queremos como profissionais. E pensando mais longe, não apenas nos casos individuais. Há uma massa expressiva de colegas saindo das faculdades a cada ano. Haverá mercado para eles? Que mercado queremos? Qual a nossa visão sobre o trabalhador arquiteto? Como avançar na igualdade de gêneros em salários e oportunidades? Quais os estímulos para concursos de projetos como prioridade para obras públicas? Enfim, há uma série de questões que existem há muito e devem ser enfrentadas pela classe para que possamos comemorar no futuro. 

Leia mais sobre a Profissão AQUI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

13 ideias para quem ama gatos

Há pouco passou uma sexta feira. Era 13. Gosto das sextas feiras. Gosto do 13. Gosto dos gatos. Gosto dos gatos pretos, esses que tanto foram perseguidos como companheiros de bruxas.

Gatos são da casa -repetem como mantra os que não conhecem os gatos. Os gatos são deles mesmos. E de quem os conquistar. Ou de quem eles resolverem amar. 

Amor de gato é diferente do amor de cão. E não menos dramático. Gatos não toleram atrasos. Não aceitam menos que a nossa entrega. De preferência sem muito chamego, a não ser na hora que desejam. 

Gatos são hedonistas por natureza. Existem para viver com languidez e serem acariciados. Mimados. Paparicados. Gatos são aristocratas. Mesmo que revirem latas de lixo. 

Desconfiem da humildade felina. Ao primeiro toque de boa vida, se tornam preguiçosamente orgulhosos.   
“Um gato vive um pouco nas poltronas, no cimento ao sol, no telhado sob a lua. Vive também sobre a mesa do escritório, e o salto preciso que ele dá para atingi-la é mais do que impulso para a cultu…

Ideias simples que ajudam muito

Muitas vezes a gente fica pensando em soluções mirabolantes para a casa da gente e esquece de ideias simples que ajudam bastante. Reuni algumas delas aqui

Uma gaveta bem colocada na lavanderia auxilia muito a tarefa de colocar as roupas na máquina.  Procure soluções que forneçam apoio para bacias, para cestos e simplifiquem sua vida nas tarefas de limpeza da casa. Aproveite espaços que ficariam sem uso. Essas práticas gavetas para guardar esponja e sabão são um exemplo.
Outra ideia de aproveitamento de espaço inútil. A área ao lado e na frente das cubas. Vejam que foi usado material impermeável e assim podem ser guardados os utensílios de lavar louça que são molhados. 
Usar porta toalhas em portas ajuda na organização.

Um lugar para cada coisa, cada coisa em seu lugar. Na hora de cozinhar é preciso achar com praticidade tudo o que se precisa. Uma boa solução é fazer um gavetão para esses utensílios e dispô-los em locais práticos e de fácil acesso.  Pratos podem ser colocados para sec…

10 ideias de almofadas e afins para gateiros

Festas....fiquei aqui arquitetando postagens bem suaves e lindas para esses momentos. Hoje resolvi brindá-los com 10 adoráveis ideias para almofadas, pesos de porta, mobiles e outras utilidades para amantes de gatos.

Nós, os gateiros, somos uma população em ascensão no mundo. Esses seres peludos, cheios de personalidade e amor próprio nos arrebatam. Adoramos mimá-los. E eles adoram que a gente os mime....uma parceria perfeita

1- Petit Pois e gatos. Uma dupla perfeita. Ambos sempre elegantes e cheios de charme! 
2- Mobile. Adoro! Mesmo já crescida, acho que não precisam ser só adorno de quartos infantis (meu lado criança, fazer o que????). Esse aí de cima, por exemplo, achei um mimo. 
3- Quem não ia querer entrar nessa casa tão felinamente convidativa??? Quero um para a minha porta! 
4- Patchwork e gatos!!! Tudo a ver também. lembra borralho, fogo, casa da vó e tudo isso lembra aconchego. E nada mais aconchegante que a figura de um gato, pachorrento, deitado ao pé do fogo. (Gateiros enten…

Mobiles, com ar de carnaval e fantasia

"Tanto riso, oh quanta alegria"....cantava essa música nos carnavais de antigamente lembrando dos Pierrots e Arlequins que brincavam no salão. E vendo esse mobile não pude deixar de sorrir e imaginar que gostaria de ter um assim no meu quarto, marcando a época dos confetes e serpentinas. 

Longe se vai o tempo em que pulava nos salões, em que saia na avenida de cidades do interior em blocos, em que ficava vidrada na frente da TV assistindo os desfiles de escolas de samba. Mas ainda muito me agrada as cores, a possibilidade de fantasia, do brincar, do poder ser algo diferente nem que se seja por uns dias.
E porque não trazer para dentro de casa essa fantasia em forma de mobile? Reuni alguns lindos que, com boa intenção e paciência, podem ser feitos em casa. Cor, movimento, criatividade. Eis a receita.
Pode deixar sair a poesia, pode reunir retalhos ou balas e guloseimas. O que importa é a brincadeira. Como no carnaval. 
Estrelas do céu enfeitam a vida das estrelas da terra. Amei …