MG08 habitação flexível

Imagem
Habitar uma casa movimenta uma série de sonhos e emoções. Possuir uma casa evoca ancestrais desejos de segurança. Mas nem sempre as necessidades permanecem as mesmas. As situações de fora e de dentro se modificam e pedem espaços que sejam flexíveis. A Maria Guerrero, também conhecida como MG08 em Madri, projetada pelo Studio Burr , foi pensada para ser uma habitação que possa ser transformada de acordo com essas novas necessidades dos moradores.   María Guerrero é uma casa que nasceu dividida em duas. Para poderem arcar com os custos de aquisição e construção, os habitantes deste empreendimento iniciam a sua vida neste espaço ocupando metade da casa e alugando a outra metade como habitação independente. Apesar da narrativa interessante, me pareceu muito com essas casas geminadas onde se coloca uma parede no meio, que pode ser removível se houver interesse em unir os espaços. Algo que já vem sendo usado e que, com um nome interessante, chama mais a atenção.  Segundo o site dos arquiteto

Procuram-se arquitetos que ouçam mais

Nessa semana comemoramos no Brasil o dia do Arquiteto e Urbanista (15 de dezembro). 

Vivemos um interessante paradoxo. É uma profissão admirada por uma maioria de pessoas que buscam avidamente informações para incrementar suas casas e espaços de convívio. Mas, ao mesmo tempo, é um campo pouco debatido criticamente e seus profissionais, com honrosas exceções, se queixam de muito sacrifício e pouco reconhecimento. 
 


Lendo um artigo de como reconstruir a Arquitetura me deparo com um questionamento super válido, inclusive aqui:

"Até que ponto o potencial da arquitetura para melhorar a vida humana está se perdendo pela sua incapacidade de se conectar com os seres humanos reais?"

Muitas obras consideradas fantásticas pelos arquitetos, são vistas com estranheza por muitos leigos. E isso não é exceção. Grandes mestres concebem obras fabulosas para uma parcela muito pequena que pode arcar com os custos. Mas e a outra parcela? Estaremos sendo eficientes em responder aos desafios de um mundo carente de soluções, sejam urbanas, sejam em edifícios? Questões como mobilidade, eficiência energética, sustentabilidade, beleza x custos?


Interessante observar as inquietações que várias vezes dividi com colegas sobre essa questão, estar espelhada nesse artigo, mostrando que sim, são debates que são internacionais e mostram um perfil de profissional arquiteto que se espelha em grandes obras, se julga artista e acaba se esquecendo um dos princípios básicos da Arquitetura: aprender a ouvir. O olhar sensível e o ouvido atento fazem com que, antes de pensar em soluções bombásticas, nos debrucemos sobre os problemas que o cliente apresenta. E saibamos dar respostas adequadas à ele e ao meio ambiente onde a obra se localiza. 

Eles apontam, no artigo, que frente às tragédias que por vezes assolam o mundo, os arquitetos nem sempre estão preparados para as respostas mais adequadas. E pior, estão reproduzindo mundo afora, erros que tornaram nossas cidades lugares cada vez mais inóspitos e ineficientes. 



Isso reforça minha linha de procurar mostrar aqui soluções arquitetônicas que sejam sim criativas, mas que revelem um olhar também criativo e generoso sobre o cliente e suas necessidades. Soluções que busquem respostas no ambiente, que adéquem soluções para àquelas necessidades. Arquitetura que seja mais que uma escultura que satisfaça ao ego de uns e outros, mas "que sejam uma maneira de repensar a forma como respondemos às necessidades dos diversos públicos, projetando para eles e para os seus interesses, não para o nosso".  

Artigo original  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Gavetas e detalhes que fazem diferença na cozinha

10 ideias de almofadas e afins para gateiros