Pular para o conteúdo principal

Neruda, suas casas, seu amor e a Feira do Livro

Neruda e sua poesia fazem parte de minha vida através de minha mãe. Ela sempre foi uma enamorada da Lua, da vida, da poesia, de Neruda. Com ela aprendi que Temuco era uma cidade no Chile onde chovia 364 dias por ano e em que se sobrevivia escrevendo poemas. Por ela sempre que via um livro de e sobre Neruda lá ia ele para a nossa biblioteca. Nessa 60 feira do livro não seria diferente.

Nossos livros de e sobre Pablo Neruda - faltando alguns que estão emprestados
______________________________________________________
Minha vida com Pablo Neruda de Matilde Urrutia, com quem Neruda viveu uma história de amor, paixão e cumplicidade até o fim de sua vida.

Lembrar Neruda e Matilde é lembrar de um filme lindo que vi uns anos atrás e que me marcou muito, o Carteiro e o Poeta. Baseado em um livro e ambientado em Isla Negra, no Chile, no filme a ação se passa em Capri, aquela ilha de sonho no Sul da Itália, que tanto significado afetivo tem para mim. Neruda e Matilde se casaram ali, a Lua os casou já que pelas leis da terra não o poderiam fazer, casado que era Pablo com outra mulher. Mas para o Amor as leis terrenas nada valem, já que "aquilo de Deus uniu, homem nenhum separa..."


Lógico que comecei a ler. Ler não, sorver o livro, a história que não mostra apenas a vida de um homem e uma mulher apaixonados. Mostra suas casas, seus espaços, os encontros, a beleza, o terror. 

Neruda sempre foi homem político, engajado e por isso mesmo perseguido por quem pensava diferente dele. Já famoso, Nobel de literatura, teve sua casa invadida, saqueada, violada por quem, não tendo mais que violência, tentava assim calar sua voz, sua poesia, suas ideias. Como coisa que ideia se calasse. Elas não morrem nem com a morte de quem fala. E foi bem o que aconteceu com o poeta. Morreu. Se foi acelerada sua morte ou se se deixou morrer já nem importa. Nem sempre é preciso ter o dedo no gatilho para se fazer o coração de alguém congelar. 
Fui em busca de suas casas, as casas de Neruda, seus espaços de viver suas ideias, suas paixões, seu modo especial de ser. Bem como devem ser as nossas casas. Nosso local de refletir quem somos e como queremos viver.

La Chascona, a casa de Santiago que Neruda faz para sua amada quando ainda se viam em segredo, a casa que foi destruída em 1973, no golpe militar no Chile, a casa que abrigava tanto amor e segurança para Matilde e que nos choca, no inicio do livro, sentir pelas suas palavras a sua mutilação.

Mas que hoje se encontra restaurada e podemos visitar e ver pelos seus espaços como viviam e como se amavam. Para saber mais sobre as suas casas veja o documentário Confesso que vivi - as casas de Neruda (em espanhol)

Estou mergulhada na leitura. Porque ler para mim exige essa entrega. Preciso estar dentro do livro. Para uma pessoa acostumada a fazer duas ou três coisas ao mesmo tempo, esse foco é um balsamo. Quando um livro me pega, é como uma história de amor, não consigo me desgrudar até terminar. E quando termina fico meio viúva, querendo saber mais, pesquisando mais, querendo fazer com que as páginas continuem e a história continue acontecendo.

A proposito de fazer várias coisas ao mesmo tempo, lembro de ter dito para um namorado, motoqueiro, que queria me dar um beijo enquanto dirigia: "Nunca se deve fazer duas coisas ao mesmo tempo. Uma não se faz bem...". Não sei de onde tirei essa frase, mas ela é super verdadeira. Eu tento me lembrar dela, porque tenho muita dificuldade de segui-la...   

Só complementado sobre a 60 Feira do Livro de Porto Alegre, achei bem interessante uma série de comodidades para os plugados. Vários estantes com locais onde recarregar os celulares e tablets. Um espaço de Sustentabilidade, todo feito com madeiras sintéticas produzidas com plástico reciclado.

As crianças recebem sempre uma atenção especial, com área de barracas e espaços pensados para que possam brincar, ouvir histórias e entrar em contato com as letras e livros de forma super divertida.
Este ano a Feira está mais fluída até porque a Praça da Alfandega, onde se localiza, está restaurada e as barracas foram montadas levando em conta essa reforma. A cobertura das barracas, por exemplo, foi fixada com ganchos para não danificar os belos pavimentos de pedras portuguesas.

A atenção à acessibilidade foi outro item muito cuidado no projeto arquitetônico que se preocupou em eliminar barreiras físicas que pudessem dificultar a visita de pessoas com deficiência e idosos. Há empréstimos de cadeiras de rodas, visitas guiadas para cegos e surdo mudos e auxílio com tradução em libras.

Fonte das fotos Pinterest Casas de Pablo Neruda

Comentários

  1. sabiam que Neruda negou a existencia de uma filha com hidrocefalia?existe um livro em espanhol feito em homenagem a ela,o titulo é:mlava

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações