Pular para o conteúdo principal

Espaços muito pequenos podem ser ruins para a saúde?

Já falamos aqui sobre os espaços cada vez mais compactos de nossos apertamentos para viver. Mil macetes e soluções inovadores são necessárias para transformar esses espaços em locais versáteis e habitáveis. 

Mas li um artigo esses dias que falava de outro aspecto: o quanto o muito pequeno pode ser prejudicial para a saúde. E o quanto é muito pequeno.  
Fonte
É de se pensar se, realmente, se permitir que as áreas mínimas habitáveis se tornem cada vez menores não irá se tornar um problema em vez de ser uma solução?

"Esses micro-apartamentos podem ser fantásticos para jovens profissionais na faixa dos 20 anos. Mas definitivamente podem ser insalubres para pessoas mais velhas, em torno de 30 e 40 anos, que enfrentam diferentes fatores de estresse que podem tornar as condições de vida em espaços muito apertados um problema."
Dak Kopec, diretor do projeto para a saúde humana em Boston Architectural College e autor de Psicologia Ambiental para o projeto .

Fonte

Entre outros fatores, Kopec, diz que o estresse causado pelo fator aglomeração pode aumentar as taxas de violência doméstica e abuso de alcool. 


Outro fator a ser levado em consideração é o gasto em tornar esses micro espaços habitáveis. Não apenas o gasto monetário que é expressivo já que o mobiliário exige projeto e execução especial, geralmente com ferragens especiais e caras. Mas especialmente o gasto energético de toda a hora transformar esses espaços, seja puxando móveis, seja pendurando mesas ou dobrando ferragens para encaixar camas. Embora pareça interessante para pessoas mais jovens, no dia a dia se torna cansativo para pessoas mais idosas. Esse cansaço ou preguiça de readaptar a casa toda hora pode fazer com que se deixe os móveis mais abertos e com isso os espaços se tornem ainda mais restritos. Imaginem um casal com criança morando em um espaço micro e adaptável desses! Há estudos que mostram que crianças em apartamentos lotados podem ter maior dificuldade de estudar e se concentrar. Ou seja, a privacidade acaba se tornando praticamente nula.  

Fonte
Além dos aspectos de espaço, o artigo alerta para aspectos sociais e psicológicos de comunicação de valores.

"...um apartamento tem de preencher outras necessidades psicológicas, tais como a auto-expressão e relaxamento, que podem não ser tão fáceis de se encontrar em um espaço muito apertado", nos diz o professor de psicologia da Universidade de Texas Samuel Gosling.

Fonte
A Arquitetura é uma ciência, é uma arte, é uma técnica que exige muito conhecimento e sensibilidade por parte de quem projeta. E que deve mostrar ao incorporador que sua principal habilidade não se resume a espremer espaços e conseguir mais área vendável, mas em oferecer produtos que forneçam dignidade e bem viver. Arquitetura pode sim ser terapêutica. É bom que estejamos conscientes disso, seja como profissionais, seja como clientes.
Fonte

Comentários

  1. Vai entender... primeiro era prejudicial o fato da tecnologia diminuir nosso poder de locomoção. Agora, fazer esforços significa nos fazer ficar mais doentes? Definitivamente, não entendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazer exercícios sempre é saudável, mas sob orientação. Quando estamos já mais debilitados, esforços podem ser cansativos.

      Excluir
  2. Quase meu casamento acaba num ape de 90 m2 mais garden. Com criança, todo tempo nos trombando, qualquer bagunça fica imensa..nunca mais, tenho horror a apto depois disso. Meu 1o e ultimo. Bonito de ver, pessimo de morar. Dificil é encontrar tamanhos humanos que caibam no bolso, pq casinha pra cachorro tem muitas. Obg pelo artigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O espaço é muito importante e impactante em nossas vidas. Obrigada pelo depoimento, Desirée. Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi