Pular para o conteúdo principal

Espaços muito pequenos podem ser ruins para a saúde?

Já falamos aqui sobre os espaços cada vez mais compactos de nossos apertamentos para viver. Mil macetes e soluções inovadores são necessárias para transformar esses espaços em locais versáteis e habitáveis. 

Mas li um artigo esses dias que falava de outro aspecto: o quanto o muito pequeno pode ser prejudicial para a saúde. E o quanto é muito pequeno.  
Fonte
É de se pensar se, realmente, se permitir que as áreas mínimas habitáveis se tornem cada vez menores não irá se tornar um problema em vez de ser uma solução?

"Esses micro-apartamentos podem ser fantásticos para jovens profissionais na faixa dos 20 anos. Mas definitivamente podem ser insalubres para pessoas mais velhas, em torno de 30 e 40 anos, que enfrentam diferentes fatores de estresse que podem tornar as condições de vida em espaços muito apertados um problema."
Dak Kopec, diretor do projeto para a saúde humana em Boston Architectural College e autor de Psicologia Ambiental para o projeto .

Fonte

Entre outros fatores, Kopec, diz que o estresse causado pelo fator aglomeração pode aumentar as taxas de violência doméstica e abuso de alcool. 


Outro fator a ser levado em consideração é o gasto em tornar esses micro espaços habitáveis. Não apenas o gasto monetário que é expressivo já que o mobiliário exige projeto e execução especial, geralmente com ferragens especiais e caras. Mas especialmente o gasto energético de toda a hora transformar esses espaços, seja puxando móveis, seja pendurando mesas ou dobrando ferragens para encaixar camas. Embora pareça interessante para pessoas mais jovens, no dia a dia se torna cansativo para pessoas mais idosas. Esse cansaço ou preguiça de readaptar a casa toda hora pode fazer com que se deixe os móveis mais abertos e com isso os espaços se tornem ainda mais restritos. Imaginem um casal com criança morando em um espaço micro e adaptável desses! Há estudos que mostram que crianças em apartamentos lotados podem ter maior dificuldade de estudar e se concentrar. Ou seja, a privacidade acaba se tornando praticamente nula.  

Fonte
Além dos aspectos de espaço, o artigo alerta para aspectos sociais e psicológicos de comunicação de valores.

"...um apartamento tem de preencher outras necessidades psicológicas, tais como a auto-expressão e relaxamento, que podem não ser tão fáceis de se encontrar em um espaço muito apertado", nos diz o professor de psicologia da Universidade de Texas Samuel Gosling.

Fonte
A Arquitetura é uma ciência, é uma arte, é uma técnica que exige muito conhecimento e sensibilidade por parte de quem projeta. E que deve mostrar ao incorporador que sua principal habilidade não se resume a espremer espaços e conseguir mais área vendável, mas em oferecer produtos que forneçam dignidade e bem viver. Arquitetura pode sim ser terapêutica. É bom que estejamos conscientes disso, seja como profissionais, seja como clientes.
Fonte

Comentários

  1. Vai entender... primeiro era prejudicial o fato da tecnologia diminuir nosso poder de locomoção. Agora, fazer esforços significa nos fazer ficar mais doentes? Definitivamente, não entendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazer exercícios sempre é saudável, mas sob orientação. Quando estamos já mais debilitados, esforços podem ser cansativos.

      Excluir
  2. Quase meu casamento acaba num ape de 90 m2 mais garden. Com criança, todo tempo nos trombando, qualquer bagunça fica imensa..nunca mais, tenho horror a apto depois disso. Meu 1o e ultimo. Bonito de ver, pessimo de morar. Dificil é encontrar tamanhos humanos que caibam no bolso, pq casinha pra cachorro tem muitas. Obg pelo artigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O espaço é muito importante e impactante em nossas vidas. Obrigada pelo depoimento, Desirée. Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Maior ponte sustentável em madeira conecta pessoas na Holanda

A  província de Groningen, na Holanda é conhecida por ser a capital ocidental do ciclismo . Para unir as localidades de  Winschoten e Blauwestad foi construída a maior ponte sustentável em madeira da Europa, a  ponte Pieter Smit , com 800 metros de comprimento. Ela cruza águas, uma rodovia e uma zona ecológica e possibilita que pedestres e ciclistas as cruzem e acessem por três locais. A construção foi feita com madeira certificada, iluminada por lâmpadas led de baixo consumo. Além disso, houve a preocupação de plantar árvores para que ela não atrapalhasse a rota dos morcegos locais. Outros pássaros também foram lembrados com caixas (na parte de baixo da ponte) e paredes de areia para ninhos. Fonte   Imagens: Blauwestad Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook   Instagram   Pinterest

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida

"Venha o inferno ou águas altas, a vida tem que ser divertida." Continuo com o mesmo processo de busca de inspirações para escrever no blog: a intuição, o sentimento. Olho, pesquiso e de repente uma imagem me diz alguma coisa. Foi o caso dessa biblioteca no jardim . A primeira coisa que pensei foi: que coisa maravilhosa, queria uma assim para mim!! Quero saber mais quem fez isso!! E cheguei aos arquitetos do  Mjölk Architekti .  Passeei pelo site deles, olhando as obras, procurando mais informações sobre o seu trabalho, sua maneira de ver o mundo. Arquitetura não é isolada da sociedade. Não existe projetar sem escolhas ou posicionamentos. Cada obra é um reflexo das ideias e maneira dos projetista enxergarem o mundo. E por isso mesmo é tão fascinante. Cada desafio é respondido de maneiras diversas por cada profissional. Exatamente por isso, gostei demais das descrições que eles fazem sobre o ser arquiteto:  "O trabalho do arquiteto não é fácil. Ele contém várias operações

Errar é humano, não resolver é insano

Errei sim. Adoraria dizer que fui perfeita e eficiente a maior parte da minha vida. Mas não seria verdade. Procurei ser, o que me dá um certo crédito.  Mas sempre surgem aqueles momentos em que algo dá errado. Seja no projeto ou na obra.  No projeto, as causas mais frequentes, na minha experiência, são problemas na medição dos espaços e um briefing não muito completo. São etapas fundamentais para o bom andamento de qualquer projeto. Uma das maneiras que procuro agilizar, nas medidas, é buscar o maior número possível de informações sobre o espaço a ser medido. Muitas vezes garimpo fotos de venda e procuro, se não existe planta disponível, fazer uma planta baixa baseada nas fotos. Poucas vezes erro. Mas mesmo assim, ainda me passo nas medidas. São muitos detalhes que devem ser checados, é preciso organização e muitas fotos auxiliando a memória. A entrevista com cliente é outro ponto a ser observado. Muitas vezes quem paga não é o que decide. Observar e entender as dinâmicas das pessoas n