Pular para o conteúdo principal

Espaços muito pequenos podem ser ruins para a saúde?

Já falamos aqui sobre os espaços cada vez mais compactos de nossos apertamentos para viver. Mil macetes e soluções inovadores são necessárias para transformar esses espaços em locais versáteis e habitáveis. 

Mas li um artigo esses dias que falava de outro aspecto: o quanto o muito pequeno pode ser prejudicial para a saúde. E o quanto é muito pequeno.  
Fonte
É de se pensar se, realmente, se permitir que as áreas mínimas habitáveis se tornem cada vez menores não irá se tornar um problema em vez de ser uma solução?

"Esses micro-apartamentos podem ser fantásticos para jovens profissionais na faixa dos 20 anos. Mas definitivamente podem ser insalubres para pessoas mais velhas, em torno de 30 e 40 anos, que enfrentam diferentes fatores de estresse que podem tornar as condições de vida em espaços muito apertados um problema."
Dak Kopec, diretor do projeto para a saúde humana em Boston Architectural College e autor de Psicologia Ambiental para o projeto .

Fonte

Entre outros fatores, Kopec, diz que o estresse causado pelo fator aglomeração pode aumentar as taxas de violência doméstica e abuso de alcool. 


Outro fator a ser levado em consideração é o gasto em tornar esses micro espaços habitáveis. Não apenas o gasto monetário que é expressivo já que o mobiliário exige projeto e execução especial, geralmente com ferragens especiais e caras. Mas especialmente o gasto energético de toda a hora transformar esses espaços, seja puxando móveis, seja pendurando mesas ou dobrando ferragens para encaixar camas. Embora pareça interessante para pessoas mais jovens, no dia a dia se torna cansativo para pessoas mais idosas. Esse cansaço ou preguiça de readaptar a casa toda hora pode fazer com que se deixe os móveis mais abertos e com isso os espaços se tornem ainda mais restritos. Imaginem um casal com criança morando em um espaço micro e adaptável desses! Há estudos que mostram que crianças em apartamentos lotados podem ter maior dificuldade de estudar e se concentrar. Ou seja, a privacidade acaba se tornando praticamente nula.  

Fonte
Além dos aspectos de espaço, o artigo alerta para aspectos sociais e psicológicos de comunicação de valores.

"...um apartamento tem de preencher outras necessidades psicológicas, tais como a auto-expressão e relaxamento, que podem não ser tão fáceis de se encontrar em um espaço muito apertado", nos diz o professor de psicologia da Universidade de Texas Samuel Gosling.

Fonte
A Arquitetura é uma ciência, é uma arte, é uma técnica que exige muito conhecimento e sensibilidade por parte de quem projeta. E que deve mostrar ao incorporador que sua principal habilidade não se resume a espremer espaços e conseguir mais área vendável, mas em oferecer produtos que forneçam dignidade e bem viver. Arquitetura pode sim ser terapêutica. É bom que estejamos conscientes disso, seja como profissionais, seja como clientes.
Fonte

Comentários

  1. Vai entender... primeiro era prejudicial o fato da tecnologia diminuir nosso poder de locomoção. Agora, fazer esforços significa nos fazer ficar mais doentes? Definitivamente, não entendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fazer exercícios sempre é saudável, mas sob orientação. Quando estamos já mais debilitados, esforços podem ser cansativos.

      Excluir
  2. Quase meu casamento acaba num ape de 90 m2 mais garden. Com criança, todo tempo nos trombando, qualquer bagunça fica imensa..nunca mais, tenho horror a apto depois disso. Meu 1o e ultimo. Bonito de ver, pessimo de morar. Dificil é encontrar tamanhos humanos que caibam no bolso, pq casinha pra cachorro tem muitas. Obg pelo artigo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O espaço é muito importante e impactante em nossas vidas. Obrigada pelo depoimento, Desirée. Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

10 ideias para adiantar o Natal

Quando tinha uns dez anos (faz tempo...) fiz um trabalho escolar de arte e propaganda. Minha ideia foi um Papai Noel adiantado, que vinha pela metade do ano para aproveitar um xis produto que não lembro qual era. Meu pai, como todo pai babão, super me elogiou e nunca esqueci por isso. Nem lembro a nota que tirei na escola. Naquela época, década de 60, o Natal começava em dezembro. Meados de dezembro. Quando eu iria imaginar que estava sendo profética e que talvez, daqui uns tempos, o Natal nem passe. Emende com outras festas. Agora já convive o tal de ralouin que é em outubro.



Natal me lembra luz. Um paradoxo entre verão, calor e imagens de muita neve e comidas quentes. Me lembra canela, bolachinhas alemãs que minha mãe fazia e que eu podia cortar as massinhas e ajudar a confeitar. Árvore sendo montada e presépio

Separei dez ideias que achei bem bacanas de enfeites e árvores que podem ser montadas de forma simples e bem criativa.


1- Do blog da Renata Tomagnini achei estas charmosas dob…

Robôs no lugar de operários na construção civil. Não é futuro

Ao ler uma reportagem sobre os canteiros de obras sem operários e sobre as inovações na execução na construção civil, não posso deixar de lembrar da célebre foto de Charles C. Ebbets de 1932. Operários comendo tranquilamente sobre uma viga no 69º andar das obras do GE Building, em Nova York. Montagem (o que parece não ser) ou verdade, a imagem nos dá calafrios ao imaginar construções sem o mínimo aparato de segurança. 

Pensar que, menos de cem anos depois desta foto, estaremos debatendo não apenas construções mais gigantescas que as do início do século XX, mas a utilização de aparatos de robotização em projetos e execução que saem cada vez mais do campo da ficção para a realidade.

Contar com drones nos canteiros de obras, conectados à tablets ou smartphones, não apenas facilita como agiliza os serviços que antes contavam apenas com trabalho humano braçal. E muitas vezes com a sorte já que se localizam em locais mais inacessíveis ao olhar.
Segundo o artigo citado no primeiro parágrafo, &q…

Como utilizar cortinas na decoração

Hoje temos postagem de convidados. O Cesar Fernandes da Tibério Construtora
vai nos falar sobre como utilizar cortinas na decoração.


Cortinas são fundamentais para diversos ambientes do seu lar. Além de transmitir uma sensação de amplitude ajudam a controlar a entrada de luz. E ainda dão um up no visual de qualquer ambiente. A decoração com cortinas pode parecer óbvia, mas é uma das formas mais práticas de renovar um ambiente.
Tamanho Para causar uma sensação de amplitude invista nas cortinas que começam pelo menos 15 cm antes da borda da janela e vão até o chão. Na verdade o tamanho vai depender muito do ambiente. Há casos em que pode-se usar todo o vão da parede. A altura que ela fica do piso da sua casa pode ser de sua escolha mas como o objetivo é dar um ar de maior extensão para a parede, recomenda-se que fique junto ao piso. Leve em conta que há tecidos que podem encolher em lavagens. As vezes é melhor fazer um pouco maiores para que não fiquem pequenas na manutenção. 
CoresNão exis…

Ideias de como usar nichos para decorar seus espaços

Aproveitando nichos para decorar sua casa ou seu escritório. 

Veja algumas ideias interessantes de como fazer desde pequenos detalhes que enfeitam até aproveitamento de vãos que guardam objetos e auxiliam na organização.

Simplicidade:A elegância mora nos detalhes e na síntese. Um rasgo bem usado, sem maiores excessos, apenas salientado pelo uso de cor e pequeno detalhe em madeira. Atentem para a iluminação nas laterais e em como o rodapé acompanha o rasgo.