Pular para o conteúdo principal

Resgate das nascentes urbanas - São Paulo

megalópolisSão Paulo é uma metrópole com características muito particulares. Recebe de braços abertos gente vinda de todos os cantos, do país e do exterior, somando hoje algo próximo dos 20 milhões de habitantes, que formam um mix único. Japoneses, italianos, portugueses, alemães, chineses, árabes, e outros, estabeleceram aqui grandes comunidades, que via de regra são maiores que as existentes na sua origem.

A cidade cresceu (e segue crescendo) desordenadamente, sem respeito por nada e ninguém, e os espaços urbanos resultantes desta dinâmica refletem a Babel cultural que abrigam.


planta de 1905 da cidade de São Paulo mostra os cursos dos rios Tietê, Anhangabaú, Tamanduateí, Pinheiros e seus diversos afluentes.





O paulistano vive imerso nesta riqueza cultural extraordinária, porém a conformação da cidade não facilita o encontro, a troca, não oferece na quantidade necessária espaços públicos que possam promover interação, não "azeita" as relações entre seus habitantes, que transitam na aridez acimentada de uma grande urbe parcamente arborizada, no mais das vezes, sem acesso aos poucos parques que a cidade oferece, e se o habitante sofre, o habitat então, nem se fale! 
Rios Poluídos hoje


rio Tietê em 1905

Rios de São Paulo
Arquivo Rios e Ruas
 
Não sabemos dizer se há maldade pior a cometer com o meio ambiente, do que soterrar a nascente dos seus rios, e isto foi feito aqui indiscriminadamente, sem a menor preocupação ou planejamento, de sorte que hoje raramente se pode ver alguma das nossas inúmeras nascentes, em especial as presentes nas encostas do espigão que corta a cidade. Só temos delas alguma lembrança de existência, pois muitas das edificações bombeiam incessantemente para o meio-fio ou para as galerias de águas pluviais, límpida água que mina em seus subterrâneos, enquanto a metrópole precisa importar água de outros municípios para consumo da população, e óbvio, também lidar constantemente com enchentes devastadoras.

O processo segue sem combate, a população aumenta, e importamos mais água, construímos mais, adensamos mais, impermeabilizamos mais solo, não obstante o alto preço social das enchentes decorrentes desta cruel equação, e a população nem pode se valer da contrapartida, posto que tudo isto se dá sem que os raros espaços públicos criados se conformem como espaços de encontro, e assim nossa riqueza cultural queda apenas como potencial.


Carentes de planejamento fino, que considere a população imediatamente envolvida, tanto as intervenções da municipalidade quanto as da iniciativa privada geram vez ou outra nesgas inúteis, que acabam por se tornar grave problema, posto que justamente pela falta de uso, passam a abrigar atividades ilícitas, ocupações desordenadas, consumo e venda de drogas, etc... 

 último rio totalmente limpo da capital, o Capivari
Dar bom uso aos espaços públicos existentes não é suficiente, não só temos que nos apropriar destas nesgas esquecidas, como é preciso criar mais, sempre objetivando o convívio e contato dos usuários, entre eles e a natureza. Pelo olhar do ambientalista não há lugar mais indicado para dar início à requalificação do meio ambiente que a nascente de um rio, e nossa cidade conta com inúmeras...

As nascentes tem seus anfiteatros naturais, cuja conformação geológica propicia o encontro, como seu próprio nome indica, então ao elencar os espaços requalificáveis que uma urbe dispõe, deve-se dar especial atenção à estas áreas, também porque o resgate de uma nascente é forte vetor de conscientização quanto ao ciclo das águas, consumo consciente, e procedimentos sustentáveis.


Estes espaços são particularmente estratégicos, assim como seu resgate e apropriação. A preservação pelo uso é o único caminho possível, mas na nossa cidade não basta atentar para o óbvio, novos espaços de encontro e convívio podem ter lugar a partir da implementação de novos usos para espaços existentes, e até de solo criado... 

Oscar Müller - arquiteto e urbanista






Leituras
http://rioseruas.wordpress.com/category/imagens/ 
Mapa Afetivo das Nascentes Paulistanas
As sagas de Rios de Pinheiros
Entenda por que os rios de Sao Paulo sao podres

ENTRE RIOS from Caio Ferraz on Vimeo.

Comentários

  1. Não é fácil viver em São Paulo.E quando não chove, eu sofro mais.

    Texto e Vídeos Excelentes!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua opinião é super importante para nós ! Não nos responsabilizamos pelas opiniões emitidas nos comentários. Links comerciais serão automaticamente excluídos

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

Dicas para economizar na conta da luz

  Não bastasse os sustos do ano, os gastos do fim dele (ufa!) que não são apenas presentes, mas impostos, 13°, etc, etc, vamos ter também bandeira vermelha nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica já tomou essa decisão, que começa a vigorar no começo de dezembro.  O verão se aproxima com promessas de muito calor, estamos usando muitos aparelhos em casa para manter nossa rotina e trabalho seguindo. Então o que podemos fazer para economizar e não levar (tanto) susto na hora de pagar a conta?    Consciência Em primeiro lugar: consciência. Parece básico, mas não é. Sabe aquele ato automático de abrir a geladeira e ficar pensando no que vai comer? Ou beber? Não faça. Deixar acesas luzes em ambientes onde ninguém está. Apague. Lembro sempre do meu pai que nos incutiu essa cultura do não desperdício desde pequenos. Assimile e passe adiante. Splits e ar condicionado Este será um verão atípico porque muitas vezes teremos que abrir mão de ventilação mecânica em função da pandemi