Pular para o conteúdo principal

Maria Antonieta e o seu banquete


Sexta a noite foi dia de estrear nos banquetes Clio.  Maria Antonieta era o mote. Sua história fascinante e trágica foi relatada por
 Renata Fratton. Para quem não conhece o Studio Clio, ele fica em uma casa de esquina, no tradicional bairro Cidade Baixa de Porto Alegre. Um ambiente muito simpático com um pequeno local para palestras e eventos. 

"Uma mulher do século XVIII, que amava a vida, a diversão, a distração, e que sempre amou a beleza e a juventude”, assim Edmond de Goncourt descreveu Maria Antonieta. A décima quinta filha de Maria Teresa da Áustria tornou-se a mais polêmica das rainhas da França e entrou para a história como Rainha da Moda. A vida marcada por regras de etiqueta, seu amor pelos bailes e pelas artes assim como seus caprichos e frivolidades - que marcaram o vestir de Versailles antes da revolução" 

Frívola ?  Uma adolescente sem noção ? Um menina que teve que sobreviver e vencer baseada na beleza e na pompa ? Uma mulher no meio do turbilhão da história ? Uma aristocrata tentando salvaguardar seu status e meio de vida? Talvez um pouco de tudo isso. Ficamos sabendo de como ela teve que ser produzida em beleza para ser aceita como futura delfina. E essa produção passou por operações dolorosas, um pouco como nos dias de hoje, em que se fazem loucuras também pela aparência. Que naquela época, como agora continua sendo poder. Marcar poder pela moda. Pelo estilo. Pela extravagância. Lembra algumas pop stars modernas ? Pois é...os tempos passam, mas as pessoas continuam as mesmas...E uma interessante indagação levantada pela palestrante: sempre que Maria Antonieta volta como inspiração é porque alguma crise se avizinha...Será ? 

Para saborear tudo isso fomos brindados já na entrada com um Coquetel de boas-vindas - Délices de Paris: Mini-galette de roquefort, Mini-croque monsieur e
Gratiné des Halles. Tudo absolutamente delicioso e acompanhado de vinho tinto!

E após a palestra a degustação do banquete em mesas dispostas entre o palco e a platéia. O cardápio teve como inspiração as passagens da vida da Austríaca, como era chamada.





Entrada - La Dauphine (sua vida mais jovem)
Terrine de cogumelo defumado e brie com creme de aspargo
Vinho: Chardonnay Domaine de Vauroux - Borgonha – França
Isso era dos Deuses ! Super delicado e instigante e o vinho maravilhoso! 




Prato principal - Intrigues du châteu
Confit de pato ao molho de vinho tinto com purê de batata doce e mostarda dijon
Vinho: Cabernet Sauvignon Valle Las Acequias - Mendoza – Argentina
O prato principal já era mais robusto e misturava sabores da caça e batata doce, uma mistura de força e delicadeza, uma coisa sutil de contrastes e descobertas, exatamente como as intrigas da corte em que Maria Antonieta viveu.   



Sobremesa - Reine de la mode
Macaron de crème brûlé, macaron de caramelo com flor de sal e macaron de framboesa
Vinho: Espumante Hórus Brut - Serra Gaúcha – Brasil
E a sobremesa brincava exatamente com o esplendor de vanguarda em moda que Maria Antonieta representou, e representa até hoje. Suas perucas extremamente elaboradas, seus vestidos majestosos, mais que loucuras de uma rainha perdulária, eram sua forma de marcar presença, poder e valor numa terra e corte que a policiavam e vigiavam. Me pareceu bem significativo o fato de que ela, depois de dar a luz à delfina, tivesse relaxado com o fausto ao vestir e se voltasse a uma pretensa simplicidade campesina. Como se tivesse enfim se tornado Rainha de fato e não precisava mostrar isso de forma tão explicita.    


Após o banquete a palestrante e a equipe de gastronomia nos explicaram a sua inspiração e responderam perguntas.




Para ir ao banquete eu fiz uma produção ultra fashion e usei é claro minha carteira de PET reciclado da Criando Arte. Acho que Maria Antonieta iria aprovar.

E na saída ainda ganhamos...brioches! Uma brincadeira com a célebre frase pela qual ela ficou conhecida e que provavelmente nunca tenha dito. Já naquela época, como agora, a verdade era muito relativa e a versão bem espalhada se tornava inquestionável. 


A passagem dessa mulher pela história foi marcante. Ela ajudou a tornar a França e Paris um sinônimo de moda. Ela foi amada e odiada. Ela marcou um estilo de vestir e de ser. Ela desafiou costumes de sua corte. Ela foi caluniada. Ela abusou de sua posição gastando fortunas em frivolidades. Ela foi mãe. Foi mulher.  E foi moeda de troca entre dois países. Ela foi Maria Antonieta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Slim Fit, uma micro casa que tem muito espaço

  Uma micro casa vertical de 50m², vencedora do Design Awards 2018 na cateHabitat, chamada de SLIM FIT House pela arquiteta portuguesa radicada na Holanda, Ana Rocha , é uma proposta de moradia permanente para pessoas que moram sós nas grandes cidades. Segundo o site da arquiteta, a micro-residência, que ocupa menos que duas vagas de estacionamento, tem como conceito ser projetada " para o grupo crescente de solteiros que preferem a localização ao invés do tamanho, e que desejam viver de forma compacta, mas confortável, durável, cheia de identidade e, acima de tudo, centralmente em contextos urbanos." A casa vertical joga bem com a equação sensação de espaço e economia de metragem. Setoriza área de alimentação, refeições e despensa no térreo. Uma escada, sutilmente mesclada a um armário estante faz a ligação aos outros andares. No segundo, um estar e dormitório e banheiro no terceiro.     Fotos: Christiane Wirth Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Faceboo

Transformando um problema em solução - impressão 3D

Uma cabana feita com impressão 3D usando concreto e uma madeira que era imprestável, porque destruída por um inseto invasor, é o projeto realizado pelos professores de arquitetura, Leslie Lok e Sasa Zivkovic, da Cornell University. O Emerald Ash Borer é um besouro que ataca bilhões de freixos em todos os Estados Unidos e as inutiliza para o uso comercial. fazendo com que as árvores infestadas sejam queimadas ou simplesmente largadas como refugo. Foi pensando neste problema que os pesquisadores da HANNAH chegaram a essa solução de aproveitamento da madeira para construção. Para tanto construíram uma plataforma robótica para processar essa madeira que seria descartada. Como isso foi feito? Usando um braço robótico que antes construía carros e foi adaptado para dar forma à madeira, aliado a um sistema de impressão 3D que usa uma quantidade mínima necessária de concreto. O resultado? Fotos: HANNAH / Andy Chen / Reuben Chen Nos siga também nas redes sociais Twitter   Flipboard   Facebook  

John Lautner - um arquiteto que aliou beleza à funcionalidade

Walstrom House Gosto de pesquisar casas com um toque de aconchego e que possam servir de inspiração para futuras residências compartilhadas com amigos , e esta imagem me chamou a atenção no  pinterest . Pensamos em algo no estilo Tiny Houses , mas não descartamos ideias incríveis como as desta casa. Olhando o interior, me apaixonei e fui em busca de mais informações sobre ela e seu autor. Foi assim que descobri John Lautner .   Walstrom House - foto de Jon Buono Esta casa de madeira, batizada de Walstrom House, foi construída em 1969, em Santa Monica, na Califórnia. Seu arquiteto foi  John Lautner , um dos primeiros aprendizes de Frank Lloyd Wright, no primeiro grupo de Taliesin Fellows. Nascido em 1911, e sendo sua mãe, Catheleen Gallagher, desenhista de interiores e talentosa pintora, a teve como influência na sua opção pela arquitetura.  Sua carreira foi marcada por grandes aprendizados. Além do mestre FLW, também manteve parcerias com Samuel Reisbord, Whitney R. Smith e Douglas H

Redes sociais, o aprendizado e as interações perdidas e achadas

Sim que a vida digital trouxe uma série de vantagens em nossas vidas. Posso ser jurássica e em muitos casos, ainda analógica, mas amo uma interação social e profissional virtual. Um dos grandes locais onde conheci vários amigos super queridos, profissionais, que tanto me acrescentaram, foi o grupo de Arquitetura do Yahoo. Lembro até hoje quando li em uma revista de arquitetura sobre ele, me inscrevi e lá estava eu no meio de debates de todas as matizes e locais. Por isso senti profundamente quando os grupos daquela plataforma foram extintos.  Leia também  Nuvem passageira Por sorte, também sou acumuladora em redes virtuais . Meu espaço de email guarda uma série de debates desde 2005. Às vezes volto a eles e constato o quanto tem de assuntos relevantes, inclusive para os dias atuais. Fazendo uma breve reflexão tendo a pensar que, nesses 15 anos de interação virtual e convivência em redes, perdemos muito em profundidade de debates, embora tenhamos crescido em possibilidades. Lógico que f